As boas do fim de semana por Jack Apple

Os melhores eventos para curtir em casa ao lado de Jack Apple.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Reflexões sobre o SXSW Edu 2021

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

16 de March, 2021

Share

O SXSW EDU Online aconteceu entre os dias 9 e 11 de março para discutir o futuro da educação.

*Escrito por Felipe Menhem do @42formas

Novos acordos sociais sobre novos tempos

O SXSW Edu 2021 foi uma edição diferente. Sem fila para entrar nas salas, ou correria entre o Centro de Convenções e os hotéis. Também ficamos sem uma cerveja no Easy Tiger ou no Craft Pride, lá na Rainey Street. Mas tudo bem, afinal tivemos SXSW Edu 2021!  

Esse foi o meu quinto ano do festival que descobri meio sem querer em 2016 e que me fez ficar apaixonado pelo evento e pela cidade de Austin. Descobri o EDU enquanto fazia a minha inscrição pro SXSW Interactive. Acabei comprando um badge na esperança de ver algo sobre educação corporativa, minha área de atuação. A programação tinha um total de zero sessões sobre o tema, mas isso não me impediu de voltar religiosamente de 2017 até 2019, quando apresentei um painel na edição. 

Adoro o clima da cidade durante o EDU, porque é uma experiência mais controlada do que a do festival SXSW. Você consegue participar de mais eventos, festas e palestras e tem a aura nobre de estarmos falando sobre educação e aprendizagem.

Nesse texto, quero falar de duas coisas: a experiência de um festival online e dos principais aprendizados baseado no meu recorte de sessões. 

Como foi a edição online

É óbvio que estar sentado na minha sala de casa não é a mesma coisa de andar pelo centro de Austin, no entanto, acompanhar o evento online foi uma experiência melhor do que imaginava. O time de tecnologia fez um trabalho competente para montar uma plataforma que me permitia fazer as duas coisas mais comuns de uma situação normal do SX: acompanhar as palestras e fazer network.

Verdade seja dita, a experiência da manhã do primeiro dia foi horrível. Sistema instável, longos bufferings de vídeo e instabilidades. Mas a organização resolveu o problema rapidamente e aí entramos no fluxo. 

Sendo o “feito” sempre melhor que o “perfeito” e por se tratar de uma situação nova, entendo a escolha da organização por tantas sessões gravadas. Joga as possibilidades de interação para longe, mas pelo menos garante a fluidez do evento. Algumas sessões eram ao vivo, pelo Zoom, com limitação de público e mais “normais” para o padrão que conhecemos. A outra grande vantagem do online é poder sair das sessões chatas e entrar em outras com mais facilidade.

O network também aconteceu sem os “acidentes felizes” que as filas ou os bares proporcionam ou o clima de “colônia de férias”, quando você revê as pessoas a cada ano e se atualiza. Mas a plataforma funcionou bem, com um esquema de mensagens e agendamentos de reunião para começar as conversas.

Lições aprendidas 

Um festival do tamanho do SXSW Edu sempre permite muitos recortes e lições. Por isso acho desafiador falar qual foi “A” grande conclusão. Não há e essa é a graça. As lições e conclusões são baseadas na sua curadoria e na sua experiência, e é por isso que os happy hours são importantes! Na falta deles, vou compartilhar o meu recorte aqui, com as três grandes conclusões do festival de 2021: precisamos falar sobre traumas, não existe solução única e é preciso repensar (de vez) a formação para o trabalho.

Precisamos falar sobre traumas

Isso é imperativo. Para voltar à vida normal vamos precisar conversar sobre traumas e resiliência. Todo mundo falou sobre isso, desde a abertura com Oprah Winfrey e o Dr. Bruce Perry, até a conversa de encerramento com a educadora Tinisha Parker e Miguel Cardona, o novo Secretário de Educação dos Estados Unidos.

Para Cardona, não há como falar sobre disciplina nas escolas sem antes considerar que todas a comunidade está machucada. Novas regras e acordos precisarão ser escritos, o tecido social das escolas (e da sociedade) precisará ser refeito antes de falarmos de disciplina. Em sua conversa com Oprah, o Dr. Bruce Perry lembrou que “trauma” não é um fato, e sim a “experiência” depois do fato. Duas pessoas podem passar pelo mesmo fato e saírem de formas diferentes, porque elas trazem vivências diferentes para a mesma situação. 

Tolerância, leveza e espaço para as pessoas falarem sobre seus medos e vulnerabilidade serão muito fundamentais para os novos tempos. “Precisamos ouvir as crianças antes de pensar em currículos”, disse a Dra. Parker. 

One size do not fits all

A frase “one size fits all” (“um tamanho serve para todos”, em tradução literal) pode até funcionar em bonés. Mas não funciona para resolver problemas da sociedade e da educação. Muitas sessões no SXSW EDU se dedicaram a acabar com o mito de que existe uma solução única para resolver problemas complexos.

A questão de equidade foi amplamente discutida sob diversas óticas. É fundamental pensar soluções diferentes para grupos diferentes como forma de garantir a igualdade e promover uma sociedade mais diversa, tolerante e inclusiva. Alguns exemplos:

O painel “LGBTQ-Inclusive Curriculum Mandates: A Discussion” falou sobre como garantir que as contribuições da comunidade LGBTQ+ para a sociedade sejam incluídas no currículo escolar dos Estados Unidos. Atualmente, só cinco estados obrigam isso. Em “Can We Design Bias Out of EdTech?” foi discutido um velho problema, o viés nos algoritmos de inteligência artificial e machine learning, que favorecem homens brancos. Finalmente, em “Educator Leadership for Equity & Justice”, Carlos Moreno e Elisa Villanueva Beard foram precisos ao afirmar que o “sistema de ensino não foi desenhado para mulheres e pessoas de cor estarem um dia na força de trabalho”.

É preciso repensar (de vez) a formação para o trabalho

Considerando as duas lições acima, termino com essa. A maneira como formarmos para o mercado de trabalho precisa ser radicalmente transformada. Para muitas funções, não há mais sentido ficarmos quatro anos na faculdade para conquistar um diploma e aí partirmos para o mercado de trabalho.

Em “How Universities Can Power the Future of Work”, um ponto comum entre as pessoas panelistas foi a necessidade de entender que o trabalho não ocorre da forma que conhecemos e que precisamos tirar a mentalidade de século 19 das universidades. “40% dos empregos devem sumir na pandemia”, disse Paul Leblanc, reitor da Universidade Sudeste de New Hampshire. “Precisamos pensar nos pacotes de habilidades que podem ajudar as pessoas a voltar para o mercado de trabalho e ganhando mais”. Michael Sorrell, reitor da Paul Quinn College, defende que o desafio é montar programas de seis meses, uma forma de micrograduação, para que as pessoas entrem e saiam direto para o trabalho. 

Porém, a falta de trabalho e a substituição por robôs atingirá uma parcela específica da população com mais intensidade. A sessão “Will Robots Displace Workers of Color?” levantou essa questão observando o sul rural dos Estados Unidos e como as pessoas negras e pardas estão desempenhando tarefas repetitivas em trabalhos que serão ocupados por robôs. Como evitar a mudança e o custo da inovação caia nas comunidades frágeis? E como levar novos trabalhos e novas habilidades para essa região?

São problemas que não têm uma resposta simples e nem uma receita de bolo. Seja na escola, na sociedade ou no trabalho, o SXSW Edu mostra que a solução começa em ouvir as pessoas e trazer diferentes pontos de vista para dentro do caldeirão.

Essa diversidade de pessoas e ideias é que leva pra Austin – ou me trouxe a cidade – todos os anos. E é por isso que recomendo muito o festival. Afinal, como vimos na linda sessão em homenagem ao sir Ken Robinson:

“Educação é centrada no conceito de conformidade, mas a humanidade é totalmente construída ao redor da diversidade” – Ken Robinson


*Felipe Menhem é um jornalista que trabalha com educação e aprendizagem há mais de dez anos. Em 2013, fundou a 42formas, onde desenvolve projetos de aprendizagem corporativa para empresas de todos os segmentos e portes. Atualmente, fala sobre habilidades para o futuro do trabalho, cultura de aprendizagem e aprendizagem social.

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

16 de March, 2021

Share

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.