Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Christo, um dos maiores artistas da atualidade, morre aos 84 anos

Quem escreveu

Renato Salles

Data

01 de June, 2020

Share

Faleceu ontem, 31/05, Christo, um dos mais visionários artistas do nosso tempo. Eles estava com 84 anos e morreu de causas naturais em casa em Nova York. Uma nota no Instagram oficial da dupla diz: ‘Christo viveu sua vida ao máximo, não só sonhando com o impossível, mas tornado-o realidade. Seu trabalho juntava pessoas em experiências compartilhadas ao redor do mundo, e suas obras seguem em nossos corações e nossas memórias.’

Nascido na Bulgária, Christo Vladimirov Javacheff fugiu do regime comunista primeiro para Praga e Viena, até se estabelecer em Genebra em 1958, onde conheceu sua esposa e parceira de trabalho Jeanne-Claude Denat de Guillebon. Juntos eles desafiaram a arte tradicional de museus e galerias, criando obras de escala monumental, que dominam cidades e paisagens naturais, misturando escultura, land-art e arte site-specific.

Wrapped Reichstag, obra de Christo e Jeanne-Claude em Berlim.
Wrapped Reichstag (1971-95)

A obra mais emblemática da dupla, sem dúvida, foi o embrulho prateado ao redor do parlamento alemão em Berlim, em 1995. Eles também enveloparam pontes, museus, muralhas e até árvores e falésias. No currículo, eles também tem as ‘Surrounded Islands‘, em Miami (1980-83), os portões lúdicos no Central Park em Nova York em ‘The Gates‘ (1979-2005), e o gigantesco ‘London Mastaba‘, em pleno lago do Hyde Park londrino (2018).

Uma das últimas obras de mais destaque foi ‘The Floating Piers‘ (2014-16), uma série de imensas passarelas flutuantes alaranjadas sobre as águas do Lago Iseo, na Itália, conectando a costa às ilhas de San Paolo e do Monte Isola. A obra recebeu 1,2 milhão de visitantes durante a exibição.

The Floating Piers, obra de Christo e Jeanne-Claude no Lago Iseo, Itália (2014-16)
‘The Floating Piers’ (2016) visto do alto.
The Floating Piers, 2014-16 - Christo e Jeanne-Claude
‘The Floating Piers’ (2016)

Christo e Jeanne-Claude sempre deixaram bastante claro que seus trabalhos em progresso deveriam ser realizados mesmo depois da morte de ambos (Jeanne-Claude faleceu em 2009). Portanto, seguindo os desejos de Christo, a obra ‘L’Arc de Triomphe, Wrapped’ continua em execução e deve estar disponível para o público entre 18 de setembro e 3 de outubro de 2021. Além disso, o Centre Pompidou, em Paris, fará uma retrospectiva do casal entre julho e outubro deste ano.

*Fotos: site oficial de Christo e Jeanne-Claude

Quem escreveu

Renato Salles

Data

01 de June, 2020

Share

Renato Salles

Para o Renato, em qualquer boa viagem você tem que escolher bem as companhias e os mapas. Excelente arrumador de malas, ele vira um halterofilista na volta de todas as suas viagens, pois acha sempre cabe mais algum souvenir. Gosta de guardar como lembrança de cada lugar vídeos, coisas para pendurar nas paredes e histórias de perrengues. Em situações de estresse, sua recomendação é sempre tomar uma cerveja antes de tomar uma decisão importante. Afinal, nada melhor que um bom bar para conhecer a cultura de um lugar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.