Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Popload Festival 2019 lava a alma dos trintões

Quem escreveu

Tava Passando

Data

18 de November, 2019

Share

Mais uma vez o Popload Festival foi um sucesso, levando cerca de 15 mil pessoas ao Memorial da América Latina, com uma escalação de atrações que priorizava quem já passou dos 30 anos e não tem vergonha de fazer air guitar nem de dançar como se fosse 2004. Uma bela alternativa aos grandes festivais que priorizam as últimas novidades e a galera geração Z.

Com alguns problemas habituais de grandes festivais como fila para banheiros e o som embolado ou baixo em algumas passagens, o saldo geral do festival foi bastante positivo, com bandas inéditas por aqui, revivals certeiros e uma estrela de primeira grandeza como atração principal.

Vamo ver como foi?

Como o feriado começou feio e chuvoso, não foi fácil sair cedo de casa para pegar os primeiros shows do festival, ainda mais com a notícia do atraso do voo do Ilê Aiyê, que não conseguiu chegar a tempo de tocar no palco principal e acabou tocando no intervalo entre os shows. Pela transmissão ao vivo do UOL, deu pra sacar o bonito show da Luedji Luna, ainda com pouca gente presente e também o rap inglês da Little Simz, que juntou a maior parte do público mais jovem do festival, em show bastante divertido.

Khruangbin

Khruangbin: cool demais / Foto: @tavapassando
Khruangbin: cool demais / Foto: @tavapassando

Entrando no palco pontualmente às 13:15h, o trio texano Khruangbin impressionou quem não conhecia a banda e hipnotizou os já iniciados, com sua mistura simples porém certeira de soul instrumental, grooves malemolentes e uma dose boa de dub e música latina. Cool até a medula, o power trio tem como centro das atenções a baixista Laura Lee, com visual elegantérrimo, charme tímido e potentes linhas de baixo, que ditavam o ritmo para os solos psicodélicos do guitarrista Mark Speer. O clima era tão good vibes que até o sol fez uma pontinha no show da banda. Só faltou o famoso hip hop medley, ponto alto dos seus shows e que rolou dois dias antes, no show do Rio de Janeiro.

Tove Lo

Tove Lo e a ginga sueca / Foto: @tavapassando
Tove Lo e a ginga sueca / Foto: @tavapassando

A sueca Tove Lo veio logo em seguida, retornando ao Brasil depois de dois anos e mostrando que o país é uma grande influência em seu trabalho atual. Seu eletro-pop ganhou corpo com batidões e graves mais pesados, ela arriscou um twerk com jeitinho sueco e inclusive chamou para o palco o funkeiro MC Zaac, repetindo ao vivo a parceria registrada em disco na música “Are U Gonna Tell Her”. A energia e entusiasmo da cantora era tanto que rolou até um replay dos peitinhos à mostra, tal como no Lollapalooza de 2017.

Cansei de Ser Sexy

A gente era feliz em 2004 / Foto: @tavapassando
A gente era feliz em 2004 / Foto: @tavapassando

Hora de ligar a máquina do tempo e voltar para 2004, com o retorno aos palcos do CSS. Visivelmente felizes, as garotas – e um baterista no lugar do membro fundador Adriano Cintra – fizeram ao vivo tudo que se esperava delas. Tanto quem ainda tem alguma lembrança de 15 anos atrás ou quem nunca teve a oportunidade de vê-las ao vivo conseguiu se divertir. Dedicando o show à “galera da Santa Cecília e da Vila Buarque” e com uma pegada bem mais politizada, Lovefoxx comandou a festa revivendo os hits “Alala”, “Superafim” e “Bezzi”. Vestida de vermelho com MST estampado, ela rolou no palco, deu uma choradinha de emoção e deixou no ar se a banda vai continuar em turnê – a gente acha que devia.

Hot Chip

Hot Chip / Foto: @tavapassando
Hot Chip / Foto: @tavapassando

Com o clima de pistinha circa anos 2000 estabelecido, era hora do Hot Chip encher o palco do Popload Festival com sintetizadores antigos, beats eletrônicos e instrumentos orgânicos, uma combinação que, quando ligada na tomada e dada a largada, é garantia de diversão. A transição entre o lusco fusco cinzento e o início da noite deu o tom do show, com a banda abrindo a apresentação com músicas mais novas e esperando a luz natural baixar para lançar as brabas “Over And Over” e “Ready For The Floor”, quando a pista do Popload Festival ferveu de vez. Encerrando o show, a banda ainda mandou uma cover divertida do hit máximo dos Beastie Boys, “Sabotage”.

The Raconteurs

Na contramão do Hot Chip, o Raconteurs subiu ao palco do Popload Festival com cara de poucos amigos, enfiando guitarras sujas, vocais viscerais e peso considerável, para delírio da boa parte do público que esperava pelo bom e velho rock n’ roll. Homem de poucas palavras, Jack White prefere falar através de riffs e de suas letras, às vezes fazendo tabelinha com seu parça Brendan Benson, com quem divide alguns vocais. Com repertório centrado em seu disco mais recente, lançado este ano, a banda só tocou seu (único?) hit no final do show, a ótima “Steady As She Goes”.

Patti Smith

Rainha iluminada / Foto: @tavapassando
Rainha iluminada / Foto: @tavapassando

Enfim Patti Smith. Estrela máxima desta edição do festival e figura lendária do rock, Patti tem noção de sua importância mas não faz a menor questão de se exibir por conta disso. Ao contrário, como uma sábia professora, ela quer compartilhar com os seus espectadores toda sua bagagem, suas influências, ídolos e seu repertório primoroso. Abrindo com o grito de guerra “People Have The Power”, ela passeou por hits próprios como “Pissing In The River”, “Free Money” e “Dancing Barefoot” e pinçou a dedo covers de Rolling Stones (“I’m Free”, cantada pelo mítico Lenny Kaye), Lou Reed (“Walk On The Wild Side”), Midnight Oil (“Beds Are Burning”) e a versão definitiva da já maravilhosa “After The Gold Rush” do Neil Young. O final apoteótico com “Because The Night” cantada em uníssono e uma furiosa versão de “Gloria” com a cantora esmerilhando as cordas da guitarra foi a lavada de alma que só uma figura iluminada como Patti Smith pode nos proporcionar.

Quem escreveu

Tava Passando

Data

18 de November, 2019

Share

Tava Passando

Tavapassando e cliquei. Danilo Cabral e Flavia Lacerda registram seu dia a dia e todos os lugares por onde estão passando, em um mini-guia de shows, restaurantes, ruas e pixos no Instagram.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.