De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Política e sci-fi de primeira se juntam em Lazarus

Quem escreveu

Pedro Ivo Dantas

Data

17 de April, 2019

Share

Num futuro não especificado mas não muito distante, já não existem nações como as conhecemos: o planeta é divido entre algumas poucas famílias, que controlam os territórios e suas populações com mão de ferro. Cada família tem um campeão para defender seus interesses, um humano aperfeiçoado com melhorias genéticas e cibernéticas, chamado de Lazarus. É nesse ambiente neo-medieval que se desenrola a trama dessa incrível HQ de Greg Rucka e Michael Lark.

Forever Carlyle mostrando que é que manda. Fonte: Image Comics

Rucka, um veterano escritor de quadrinhos e romancista premiado, com passagem por títulos que incluem Batman, Mulher Maravilha e Wolverine, é conhecido por duas coisas: tramas complexas e políticas (na medida do possível para gibis de super-heróis) e pela predileção por personagens femininas fortes. A idéia para Lazarus veio de um questionamento: o que aconteceria se, extrapolando a situação atual, os 1% mais ricos do mundo dominassem não 10 ou 50% da riqueza do planeta, mas sim 99%? Nesse mundo, conglomerados familiares cresceram tanto a ponto de terem mais riqueza e poder que a maioria dos países, fazendo com que essas famílias eventualmente decidam abolir os governos e dividir o mundo entre si.

As sociedades de Lazarus são dividas em 3 castas bem definidas: a família, que detém poder absoluto; os servos, que prestam serviço direto a família e por isso tem alguns privilégios, e a imensa maioria da população, denominada apenas de waste – lixo – que é explorada e sobrevive como pode. E Rucka não nos deixa esquecer como como essa divisão é injusta, já que quase toda cena começa com uma indicação da localização, acompanhada da quantidade de membros da família presentes (alguns poucos), servos (talvez algumas dezenas) e lixo (centenas ou eventualmente milhares).

Lazarus
Intriga política é parte integral do DNA de Lazarus. Fonte: Image Comics

Acompanhamos de perto a história da família Carlyle, cujos domínios incluem a maior parte do que hoje é os Estados Unidos, e principalmente sua Lazarus, Forever Carlyle. Aos poucos vamos conhecendo os outros atores desse mundo, como o patriarca Jacob Carlyle, os irmãos Jonah e Johana, a treinadora Marisol, além de membros das outras famílias como o Lazarus da família Morray, Joacquim, o impiedoso Hock, etc. O mundo de Lazarus é amplo e a impressão é que ainda só arranhamos a superfície.

Tematicamente, Lazarus é uma mistura de diversos estilos. Há bastante ação sci-fi mas também muitas intrigas familiares. Há uma interessante exploração psicológica da personalidade de Forever, que questiona constantemente sua identidade e suas lealdades, mas principalmente há muita intriga política. Uma hora você vai lembrar d’O Poderoso Chefão, na outra de um livro do Tom Clancy e na seguinte de Game of Thrones – e tudo funciona muitíssimo bem. Os personagens evoluem de forma que uma HQ corporativa da DC ou Marvel nunca poderia permitir, e Rucka evita as reduções maniqueístas – no mundo de Lazarus não existem heróis e vilões mas sim tons de cinza.

Lark tem domínio completo da coreografia nos quadrinhos, e Lazarus não economiza no sangue. Fonte: Imagem Comics

Para materializar esse mundo Rucka convidou o desenhista Michael Lark, dono de um traço sujo e expressivo. Ambos já haviam trabalhado juntos na premiada Gotham Central (no Brasil, Gotham City Contra o Crime). Lark é um mestre da narrativa e da coreografia nas HQs, e suas cenas de batalha são verdadeiramente cinematográficas. Lark é auxiliado na ambientação pelas cores certeiras de Santi Arcas, abusando das sombras e tons frios.

Nos EUA, Lazarus é publicada pela Image Comics e já teve 28 edições lançadas. Recentemente a série sofreu uma alteração de formato e agora passou a ser publicada em edições trimestrais com mais páginas, com o título de Lazarus Risen. O primeiro volume chegou as bancas agora no final de março. Além disso foi lançado um jogo de tabuleiro ambientado no mundo de Lazarus, e está em desenvolvimento uma série de TV, produzida por Rucka para o Amazon Studios, embora ainda sem data de lançamento definida. No Brasil, a Editora Devir já publicou os primeiros dois encadernados da série.

Capa da primeira edição brasileira. Fonte: Editora Devir

Finalmente, uma dica: se tiver acesso as edições originais, não deixe de ler a seção de cartas de Lazarus. Embora não sejam essenciais pra história, é lá que Rucka faz grande parte do world building da série, indo mais a fundo na história das famílias, elaborando temas levantados pela série, tirando dúvidas, sugerindo material complementar de leitura e comentando sobre acontecimentos recentes da política e ciências.

Quem escreveu

Pedro Ivo Dantas

Data

17 de April, 2019

Share

Pedro Ivo Dantas

Paraense radicado em Lisboa. Engenheiro, cozinheiro e cervejeiro, sem ordem específica de preferência. Viajante de vocação.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.