De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

O brilho eterno de um festival de lembranças: impressões do Festival Pilantragi

Quem escreveu

Ana Portela

Data

26 de February, 2019

Share

pilantragem

substantivo feminino

  1. ação ou maneira de ser do pilantra.
  2. conjunto de pilantras.

Era dia 16 de fevereiro, aparentemente um sábado como outro qualquer, só que não! Tempo fechado, festival marcado para começar às 19h. Algumas semanas de espera, ansiedade e uma grande decisão pela frente: encarar o mau tempo e pagar pra ver… Era dia do festival Pilantragi \o/

Mas antes de falar sobre o festival, eu vou compartilhar um pouco sobre o cara por traz dele!

O cara

Alto, charmosíssimo e com um sorriso frouxo, Bento é o cara! Eu estava numa fase de laboratório, estudando a cidade, as festas, os DJs. Foi num desses rolês que topei com ele, cuja camiseta dizia: “After Party at My House” … Mostrando bem a que veio.

Ao longo das muitas noites em que nos encontramos, trocamos várias ideias sobre experiências, vida, noite. Descobri que Bento trabalhou alguns bons anos na noite de São Paulo, foi host e promoter em algumas das principais casas noturnas da capital e que festa era o que ele fazia de melhor. Foi numa dessas trocas que eu ouvi o nome Pilantragi pela primeira vez :)

festival pilantragi
Rodrigo Bento – Foto: Thiago Roma | Lobotomia

Ao mínimo contato que se tenha com ele,  você vai notar que a Pilantragi é uma extensão da energia que ele emana. O que o Bento e a Rute Correa – diretora de produção da festa/festival – entregam é nada menos que uma expressão exponencial de tudo que eles, assim como eu e alguns bravos, acreditam: no poder da música e na arte como agente propulsor da inclusão e transformação. _/\_

A festa

A Pilantragi é um projeto/coletivo que nasceu em 2012 composto por mais de 120 pessoas, dentre elas artistas, designers, cenografistas, DJs e produtores. É a festa dedicada à música popular brasileira com mais edições realizadas até hoje, totalizando 750. Isso sem contar as 45 ocupações de rua, edições gratuitas, os oito blocos de carnaval e as 20 cidades da Europa por onde a Pilantragi já passou. E, como se não bastasse, em 2018 as edições Pilantragi reuniram mais de 11 toneladas em doações diversas, que ajudaram intuições, crianças, famílias e mais.

Foram mais de 2,5 milhões de pessoas contagiadas com o gene da música, da revolução e do amor. Entretanto, isso são apenas números. O que realmente importa aqui é a experiência e a relevância dela no nosso dia a dia, especialmente em tempos em que ser feliz é pura ousadia.

Festival Pilantragi: como foi

festival pilantragi
Banda Xaxado Novo – Foto: Thiago Roma | Lobotomia

A noite começou com uma chuva daquelas, mas quem – como eu –  chegou no horário, encontrou uma instalação ok, staff posicionado, cronograma fluindo conforme prometido. As pistas estavam prontas. Agora era esperar e ver se as pessoas chegariam pra ver que noite linda seria aquela. E elas chegaram… timidamente, com capas de chuva ou totalmente despreocupadas com a água.

festival pilantragi
Início do Festival Pilantragi – Foto: Thiago

A Banda Xaxado Novo subiu no palco e deu início a sequência de shows, trazendo um forró suave e botando o povo pra dançar na chuva. Minuto a minuto, os espaços foram sendo preenchidos. Houve quem se arrumou, quem se fantasiou, quem se transvestiu, quem quis economizar nos panos, mas esbanjar na simpatia, distribuindo beijos e abraços. Eram grupos de amigos, casais, todo tipo de gente!

festival pilantragi
DJ Lia Macedo – Foto: I HATE FLASH

Entre uma atração e outra,  fomos presenteados por sets de DJs consagrados na noite de São Paulo. Nomes como DJ Lia Macedo, DJ Tahira, Furmiga Dub, Salvador AraguayaDJ Ian Nunes completaram a noite.

festival pilantragi
DJ Ian Nunes – Foto: I HATE FLASH

Cada DJ trazia uma vibe diferente para a pista, como um prenúncio do que estava por vir no próximo show. Deu certo! Anelis Assumpção chegou chegando, entregando um sucesso atrás do outro e muita energia para público. A artista foi o chamariz da pista principal e a melhor maneira de juntar todo mundo que chegou e oficialmente começar a noite.

Anelis Assumpção no palco Pilantragi - Foto: Thiago Roma | Lobotomia
Anelis Assumpção no palco Pilantragi – Foto: Thiago Roma | Lobotomia

A chuva finalmente deu uma trégua. Céu subiu no palco e sacudiu a pista com sucessos como “A nave vai”, “Perfume do Invisível” e “Varanda Suspensa”.  No entanto eu confesso que, para mim, o mais bonito foi ver que a música era apenas um pano de fundo para o que realmente predominava ali. Um encontro quântico de pessoas com um nó na garganta, cantando em uníssono a vontade de transgredir as barreiras do ‘politicamente correto’ do nosso cotidiano para apenas SER e ESTAR no estilo Pilantragi de viver a vida.

festival pilantragi
O estilo Pilantragi de foliar – Foto: I HATE FLASH

Até a meia noite seis atrações já haviam se apresentado nas duas pistas. A virada foi marcada pelo set do Bento, que trouxe ninguém menos que Ekena para o palco levantando o hino feminista “Todxs Putxs”. Numa onda de união, ela fez aproximadamente 1.700 pessoas darem as mãos e cantarem juntas por dias de mais igualdade e de muito mais respeito.

festival pilantragi
Todxs Putxs com Ekena – Foto: I HATE FLASH

E, em meio a tudo, chega o Bloco Pilantragi dando um drop do Carnaval. Foi fascinante viver aquela injeção simultânea de vozes, mensagens, sons, imagens e sensações de cada parte dele vinha despejando na gente. Isso sem esquecer das diversas intervenções artísticas, como o painel da Sil Strass, a presença do Maravilhosas Corpo de Baile , que criaram uma atmosfera real de confraternização e folia.

festival pilantragi
Bloco Pilantragi – Foto: I HATE FLASH

É por meio desse tipo de experiência que se olha para o lado e se percebe que somos todos iguais e que, sim, “a gente quer comida, diversão e arte”. A gente quer amor, quer vibrar junto e que, mais que existir, a gente quer viver e acreditar que o ponto essencial da vida é o amor: seja próprio ou ao próximo. Nada como a música e arte, juntas, para nos situarmos e para ajustar o mindset para tudo isso.

festival pilantragi
Foto: I HATE FLASH

Circulando por todos os lados, do backstage, as pistas, o bar, os trucks de comida, banheiros e demais áreas, a alegria era a máxima. No ápice da festa, ao logo de todo show da Letrux, a energia era só uma e o espírito era de um Carnaval que vinha representando – como nos tempos de Chico – a necessidade de estar junto, de mãos dadas como na apresentação de Ekena, espantar os males, as frustrações e acreditar que apesar de qualquer “você”, amanhã seria um novo dia.

festival pilantragi
backstage Letrux – Foto: Thiago Roma | Lobotomia
festival pilantragi
Foto: I HATE FLASH

Depois dessa enxurrada de sentimentos , de mais de 15 atrações terem se apresentado em 11 horas de festival, Bento voltou pra pick-up e presenteou o público com um set de encerramento. Nada, nem a chuva, impediu aquela multidão de se conectar, de dançar junto, trocar, se conhecer, chorar e beijar e ser feliz aquele dia.

Público, produção, segurança, limpeza, atendimento… todos que fizeram o festival acontecer saíram dali – quase sete da manhã – tomados por um frisson.

festival pilantragi
Frisson Pilantragi – Foto: I HATE FLASH

O festival Pilantragi 2019,  na sua segunda edição que rolou no Fabriketa, além de um line up recheado de encantamento e choques de realidades embalados por vozes e sons incríveis, ressignificou pra mim o substantivo feminino com o qual comecei esse relato. Ele reforçou minha sensação de que, música a música, festa a festa, festival a festival a festival, é assim que juntos vamos criar uma timeline de experiências coletivas de dias, posturas, pensamentos e ações melhores.

Que sejamos então todos pilantras do bem e que nossas Pilantragis sejam sempre esse festival de lembranças e vontades transformadoras. Que venha então o Carnaval da revolução!

Veja mais registros do festival aqui.

Quem escreveu

Ana Portela

Data

26 de February, 2019

Share

Ana Portela

Direto da Amazônia para selva de pedra, Ana é uma pessoa de dentro pra fora, que busca ver o valor de cada lugar e experiência de um jeito todo único. Dotada do gene do movimento, é assim que ela pretende dar a volta ao mundo: colecionando pores do sol, dias de chuva e todos os instantes inspiradores que ela Conseguir capturar. Apaixonada por café, amante de todas as artes, especialmente as de rua, Ana é uma Ideologista profissional e escritora amadora, que anda por aí compartilhando sua visão de mundo sempre que pode e acredita que não há nada que um bom sorriso e o deslizar dos dedos em um teclado qualquer não possa melhorar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.