Festival Path: criatividade nas cidades e nas ruas

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

27 de May, 2018

Share

Patrocínio

Agora que presenciamos um crescente movimento que questiona a forma como nos relacionamos e ocupamos os espaços urbanos, o Festival Path desse ano não poderia deixar de ter entre seus destaques o tema da criatividade e inovação nas cidades e ruas. Quem acompanhou o festival teve a oportunidade de presenciar entre suas mais de 300 palestras e painéis, importantes debates a respeito da vida na cidade, tanto de um ponto de vista sociocultural quando tecnológico e estrutural.

foto: Fabio Allves

Propondo-se a imaginar como a infraestrutura das cidades pode ser transformada pela tecnologia, podemos destacar o painel “Cidades cognitivas, as cidades do futuro”.

A discussão se deu em torno de como será viver em cidades inteligentes ou cognitivas. Dentro dessa perspectiva de futuro, as cidades terão todos os seus espaços e serviços “sensorizados” e interconectados, produzindo uma quantidade massiva de dados à cada segundo. Esses dados, gerenciados por uma poderosa inteligência artificial, permitirão à cidade ajudar seus cidadãos a tomar melhores decisões em seu dia-a-dia e a viver com mais qualidade e conforto. Os condutores do painel comentaram sobre o desafio que é manter as necessidades das pessoas como o centro de tudo neste contexto.

Por todo o festival era possível identificar um desejo pela reconexão com a natureza, que, no âmbito das cidades, gera uma renovada valorização dos recursos naturais presentes nos grandes centros urbanos. O destaque aqui fica com os rios da cidade de São Paulo que, negligenciados e esquecidos por décadas, têm o potencial de mudar o humor, as formas de transporte e lazer na cidade. Essas possibilidades foram debatidas por representantes de iniciativas como a Rios e Ruas e o Instituto Limpa Brasil nas palestras “O sonho do Rio Pinheiros: o que falta para realizarmos?” e “Como reativar os rios de São Paulo sem ocultar as ruas?”.

Talvez um dos tópicos mais relevantes de todo festival foi a retomada dos espaços públicos por iniciativas criativas e inovadoras. Aqui a cidade transfigura-se em uma plataforma que desperta um sentido de comunidade entre seus habitantes. Nos últimos anos, vimos o centro de São Paulo tornar-se um polo cultural que favorece a conexão entre as pessoas e as transforma em poderosos agentes de mudança, redefinindo assim, as relações de poder nesses espaços.

No painel “A retomada do centro de São Paulo pela economia criativa e o ativismo social”, representantes do A vida no Centro, PanoSocial, Rap Burguer e Rinconcito Peruano, se reuniram para analisar como o centro da cidade mudou de cara com o influxo de jovens ativistas e empreendedores para a região. “A rua é de quem faz” apresentou iniciativas de moradores que escolheram trabalhar em conjunto e de forma horizontal para promover melhorias urbanas necessárias nas regiões onde vivem.

A ocupação dos espaços públicos também pode se dar através da arte, foco principal do painel “Como a arte pode transformar espaços públicos degradados”. Seja através das artes visuais, teatro ou música, criar na cidade ambientes que incentivam a livre expressão, permite recuperar regiões degradadas e re-significá-las. Destacam-se aqui projetos como o Parque Minhocão e a Virada Cultural em São Paulo.

Vale mencionar o esforço da curadoria do festival em diversificar seu discurso e apresentar diferentes olhares para a questão urbana. Na palestra “Criatividade das Ruas”, que contou com o coletivo de influenciadores digitais Estaremos Lá, a Rede Urbana de Ações Socioculturais – RUAS e o Coletivo Raízes, muito se falou sobre como a periferia também é centro para grande parcela da população: centro de criatividade, inovação e crescimento, e sobre como precisamos incluir-los no debate sobre os espaços públicos.

Por fim, fica clara a preocupação do Festival Path em incentivar diálogos que procuram entender as profundas mudanças culturais acontecendo nos vários cantos de nossas cidades, quais são os possíveis futuros para nossos espaços urbanos e o que podemos fazer para garantir que sejam ocupados de forma mais diversa, digna e inclusiva por todos seus habitantes.

Por Isadora Ferraz. Após alguns anos trabalhando como designer de moda, decidiu se tornar a nerd que nasceu para ser. Passa grande parte do tempo estudando tecnologias emergentes e como as organizações e pessoas se relacionam com elas. Viajou pelo Brasil dando cursos sobre futurismo e atualmente trabalha investigando futuros e inovação.

Fotos e foto destaque: Fabio Allves.

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

27 de May, 2018

Share

Patrocínio

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.