De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

A culinária de Bali - guia da comida de rua da ilha

Quem escreveu

Angela Mansim

Data

26 de November, 2018

Share

A gastronomia indonésia é com certeza o paraíso na terra inventado pelos deuses. Foi neste arquipélago, de 17.000 ilhas, que muitos ingredientes, referências e receitas colidiram, graças às rotas comerciais milenares com influências indígenas e estrangeiras.

Mesmo com 5.350 receitas tradicionais, os turistas passam dias comendo apenas duas delas: Nasi Goreng e Mie Goreng. Por isso, resolvi desmistificar a comida de rua e fazer um guia acessível e inspirador para os curiosos que vão visitar, especificamente, Bali.

Uma Pitadinha de História

A cozinha indonésia utiliza sobretudo ingredientes muito comuns na cozinha brasileira, mas o modo de preparo é totalmente diferente. Ao invés de cozinhar as guarnições separadas, os indonésios, assim como em muitos países da Ásia, utilizam apenas uma ou duas bocas de fogão, o que muda consideravelmente a maneira de preparo e a aparência dos pratos.

Por isso, ao pedir uma comida de rua em Bali, você verá que os ingredientes e salsas já estão todos pré-preparados. Entretanto, os pedidos são finalizados individualmente e na hora, praticamente um show de rapidez e habilidade.

Muitas receitas são à base de arroz (símbolo de prosperidade para os hindus), macarrão e sopa. A pimenta também domina a cena gastronômica e tem muita importância cultural para o país. Ao invés de iniciar o preparo dos alimentos ‘refogando o alho e a cebola’, os indonésios preparam as salsas apimentadas, conhecidas como Sambal (exemplo o Sambal Matah, o Sambal Kuning e o Sambal Merah), refogando as salsas no óleo e adicionando os demais ingredientes depois.

Se não quiser comer algo muito apimentado, peça sempre comida sem pimenta (‘tanpa sambal/cabe‘ em Bahasa Indonesia). Talvez insistir funcione ;-)

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Sambal. Foto: Thinkstock & Atno Ydur.

As influências gastronômicas mais fortes vem dos imigrantes chineses, que trouxeram o macarrão (Mie), almôndegas (Bakso) e rolinhos primavera (Spring-Rolls) para as ruas, e também influências do sul da Índia com o colonialismo, que integrou carnes e legumes ao curry nos pratos mais tradicionais. Fora isso, a culinária também traz influências portuguesas e espanholas devido às grandes navegações e influências holandesas dos colonizadores.

Assim, falando especificamente de Bali, uma das ilhas mais turísticas da Indonésia, é perceptível que se trata de uma culinária diversa e que já recebeu influências orientais e ocidentais de todos os tipos. É possível achar de tudo por Bali, inclusive matar a saudade da comida brasileira.

Mas, vamos ao que interessa, o guia balinês dos pratos mais tradicionais que podem ser encontrados facilmente com a devida curiosidade pelas ruas.

Martabak & Terang Bulan

O Martabak é uma panqueca de omelete dobrada com pedaços de legumes, misturada com cebola verde e carne picada, que é frita em óleo abundante e servida em quadradinhos.

Já o Terang Bulan nada mais é do que a versão doce do Martabak, onde pode-se escolher entre recheios como queijo, chocolate, morango e amendoim. Ou todos eles juntos.

Ambos os pratos curiosamente são em sua maioria vendidos apenas à noite, um paralelo com o nosso cachorro quente brasileiro de rua.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Martabak. Foto: J. Kenji Lopez-Alt.
comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Terang Bulan. Foto: Grid.ID.

Tipat Cantok

O Tipat Cantok é um prato originário de Bali, onde o Tipat (arroz embalado em folha de bananeira) é temperado com amendoim moído e outros vegetais.

O prato não é levado ao fogo, é comido sempre em temperatura ambiente. O molho de amendoim (Sous Kacang) é o que faz a mágica acontecer. Não economize no molho, peça bastante.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Tipat Cantok. Foto: Tribun Bali & Ayu Dessy Wulansari.

Nasi Campur

Campur significa misturar. Por isso, o Nasi Campur é literalmente um ‘arroz que mistura várias coisas’. A base é sempre uma colher de Nasi Putih (arroz branco) e pequenas porções de legumes, amendoim, ovos, tofu, carnes, tudo o que estiver a disposição no buffet.

Talvez seja o prato que mais lembre a comida brasileira, pelo “prato colorido”.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Nasi Campur. Foto: Cavinteo Blogspot.

Lak Lak & Lupis

O Lak Lak e o Lupis são praticamente feitos da mesma base: açúcar mascavo derretido, sticky rice e coco ralado. A diferença entre eles está no formato do sticky rice: no Lak Lak é redondinho e no Lupis é triangular.

O sticky rice é envolvido na folha de bananeira, o que deixa ele quase sempre com aspecto esverdeado. O Lak Lak e o Lupis são sempre finalizados na frente do cliente.

Ambos os doces são vendidos apenas muito cedo nas ruas. Por isso, se quiser garantir o seu, vai precisar sair de casa antes das 8 horas da manhã. Um bom motivo para acordar cedo.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Lak Lak. Foto: TripAdvisor.
comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Lukis. Foto: Andriani Mona/Tri Indaryani.

Roti Bakar

O Roti Bakar (pão grelhado) é uma das sobremesas prediletas do balinês. A base é de um pão na chapa com bastante manteiga e os sabores ficam sempre a gosto do freguês: pode-se escolher entre chocolate, queijo, morango, amendoim, leite condensado e outras opções. Quanto mais, melhor.

O Roti Bakar também é encontrado mais na parte da noite pelas ruas.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Roti Bakar. Foto: My Eat and Travel Story.

Fu Yung Hai

O Fu Yung Hai é, na verdade, um prato essencialmente chinês, mas os indonésios adoram e o reproduzem muito pelas ruas.

O prato é preparado com ovos batidos e, as vezes, presunto picado. Pode ser feito com vários vegetais, como brotos de feijão, brotos de bambu, repolho fatiado, cebolinha, cogumelos e castanhas-d’água. Pode-se optar também pelo jamur (cogumelos) ou carnes (como frango e porco).

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Fu Yung Hai. Foto: SabiGaju.

Nasi (tudo que é possível)

O Nasi (arroz) é muito valorizado na Ásia em geral, e visto como símbolo de prosperidade. Muitas pessoas vivem das plantações de arroz em Bali, por isso o ingrediente virou base indiscutível da alimentação, a ponto de uma refeição apenas ser considerada uma refeição quando contém arroz pelo balinês.

Os balineses comem arroz inclusive no café-da-manhã. Portanto, é possível encontrar nas ruas desde cedo muitos tipos diferentes de pratos com Nasi, como por exemplo o Nasi Jinggo, o Nasi Kuning, o Nasi Pecel e o Nasi Kucing.

Normalmente, esta é a comida mais barata disponível na rua, super acessível. A título de curiosidade, vale a pena experimentar todas as variedades de Nasi possíveis, que é comumente vendido em cones de papel ou em folhas de bananeira a R$1,27 ou 5.000 Rupiah.

comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Nasi Jinggo. Foto: Kooliner.
comida de rua, Bali, Nasi goreng, Indonésia
Nasi Kuning. Foto: 123RF.

Espero que os amantes de comida de rua tenham gostado das dicas. Não se contente em comer apenas Nasi Goreng e Mie Goreng. Vale a pena explorar o desconhecido em terras balinesas. Mergulhe de cabeça no melhor da cozinha indonésia em Bali.

Foto de capa por Aksari Villa / unsplash

Quem escreveu

Angela Mansim

Data

26 de November, 2018

Share

Angela Mansim

Designer, especialista em perrengues, comida de rua e gestão de marcas. Come, dorme e se teletransporta por aí no jeitinho simples da vida local. Radicada em Bali, a baia de todos os mortais.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.