De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Yorimichi, o izakaya que te faz se sentir no Japão

Quem escreveu

Leandra Lima

Data

16 de November, 2017

Share

Pelo dicionário Houaiss, boteco significa “pequena venda tosca onde servem bebidas, algum tira-gosto, cigarros, balas, alguns artigos de primeira necessidade etc.” Tal cá como lá, no Japão existem os izakayas, nome dado a botecos japoneses que, há séculos, nasceram como ponto de venda de saquês, com algumas delas vendendo petiscos para acompanhar a bebida fermentada, e que carregam em seu DNA uma aura descontraída, de comida fácil e carta farta de saquês.
É o caso do Yorimichi, izakaya do sushiman Ken Mizumoto, que funciona desde 2016 no Paraíso, e que tem como clientela fiel a comunidade japonesa da cidade. Ken é dono ainda do Shin-Zushi, restaurante tradicional que funciona há quase 40 anos no mesmo bairro.

Berinjela no missô
Berinjela no missô

O Yorimichi serve uma extensa variedade de petiscos, a maior parte deles preparada em uma grelha com carvão em brasa construída no centro do salão (que não te deixa defumado, graças a uma coifa bem instalada). Ao seu redor, foi montado o balcão, em formato de U com 15 lugares. Ou seja, todos ali podem acompanhar o trabalho dos cozinheiros que controlam o ponto de cozimento dos pedidos.
Balcão do Yorimichi
Balcão do Yorimichi – Foto: Leandra Lima

O que mais sai das grelhas defumadas são os kushiyakis, que significa espetinho em japonês. Há 19 versões dos tira-gostos, todos tradicionais, como os de miúdos, de pele de frango, de quiabo, de pancetta ao tarê ou de língua bovina… Todos entre R$ 7 e R$ 9.
Kushiyaki de sobrecoxa de frango com cebolinha
Kushiyaki de sobrecoxa de frango com cebolinha. Atrás, o de cogumelo eringi com tarê – Foto: Leandra Lima

No dia em que fui, comecei com um kushiyaki de sobrecoxa de frango e cebolinha. Suculento por dentro e crocante por fora. E, em seguida, um de eringi – um cogumelo comum na Ásia e na Europa e que é muito macio e saboroso – besuntado de tarê.
Kushiyakis de fígado de boi e de quiabo
Kushiyakis de fígado de boi e de quiabo – Foto: Leandra Lima

O espetinho de quiabo chega firme por fora, mas macio e saboroso por dentro. Uma delícia que pode acompanhar muito bem o fígado bovino com tarê, que também foi assado na brasa acesa logo ali. Dica: um gohan (o arroz japonês) é sempre uma boa pedida para acompanhar os kushiyakis.
Frango moído com gema marinada no shoyu - Foto: Leandra Lima
Frango moído com gema marinada no shoyu – Foto: Leandra Lima

De principal, eu resolvi pedir o gohan com tartar de carne, cará, quiabo, natto e gema de ovo curada, preparado na cozinha, e não na grelha. Se você prestar atenção, verá que o prato é um apanhado de ingredientes ‘babentos’. Milenar na culinária japonesa, o natto é um produto feito com a soja fermentada e tem um sabor pronunciado e textura bastante pegajosa.
Gohan com tartare de carne, cará, quiabo, natto e ovo
Gohan com tartare de carne, cará, quiabo, natto e ovo: tudo bem pegajoso – Foto: Leandra Lima

A maneira que os japoneses comem natto e outros ingredientes com essa consistência é girando os hashis de maneira continuada próximo da boca até a baba do alimento se quebrar e você conseguir liberar a sua boca para receber a próxima porção. Bem diferente, não?
Shiitake recheado com frango moído
Shiitake recheado com frango moído – Foto: Leandra Lima

Como achei o prato anterior de sabor muito forte, eu finalizei com algo bem fácil e cheio de umami: um delicioso shiitake recheado com frango moído.
Quanto aos sakês, a acolhedora casa têm dezenas de garrafas em sua carta, além de shochus – pronuncia “xô-tchus” – que são os destilados japoneses feitos a partir de batata-doce, arroz ou cevada. Há opções também de uísques e cervejas.
Yorimichi
Rua Otávio Nébias, 203. Paraíso
Tel.: 3052-0029
De segunda a sábado, das 18h30 às 0h30.
(não tem site)

Quem escreveu

Leandra Lima

Data

16 de November, 2017

Share

Leandra Lima

Leandra Lima é jornalista com passagem pelo jornal O Globo e por algumas revistas de gastronomia. De uns tempos para cá, produz conteúdo para marcas e presta serviço de marketing digital para empresas. Para ela, que já morou em três cidades (Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo), conhecer diferentes culturas é a maneira mais legal de se levar a vida.

Ver todos os posts

Comentários

  • Boa tarde, Tonyy, tudo bem? Você pode me explicar melhor o seu comentário? Todos os espetinhos, que são o carro-chefe da casa custam entre R$ 7 e R$ 9. Naturalmente os de frutos do mar são mais caros, mas não pedi. Esse gohan que eu comi, por exemplo, custa R$ 35. Os saquês já são bem mais caros, com as garrafas custando a partir de R$ 100. Era essa a sua dúvida? Abraços.
    - Leandra Lima
  • Boa matéria, mas faltou uma referência fe preço né? Pagar $10 por um espetinho apenas gourmetizado é o que mais se vê ultimamente...
    - DJ Tonyy
    • Eu quiz dizer além dos "7 a 9" citados dos espetinhos...
      - DJ Tonyy
      • Boa tarde, Tonyy, tudo bem? Você pode me explicar melhor o seu comentário? Todos os espetinhos, que são o carro-chefe da casa custam entre R$ 7 e R$ 9. Naturalmente os de frutos do mar são mais caros, mas não pedi. Esse gohan que eu comi, por exemplo, custa R$ 35. Os saquês já são bem mais caros, com as garrafas custando a partir de R$ 100. Era essa a sua dúvida? Abraços.
        - Leandra Lima

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.