De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Razão Social, uma peça de teatro para quem tem samba no pé

Quem escreveu

Iran Giusti

Data

10 de January, 2017

Share

Apresentado por

Uma das peças mais deliciosas do ano passado adentrou 2017 para uma curtíssima temporada. Entre 13 e 22 de janeiro, “Razão Social” fica em cartaz de sexta a domingo no excelente teatro do Sesc Bom Retiro, região central da cidade.
Com texto e direção da dupla Gero Camilo e Victor Mendez na primeira empreitada da Cia Tertulha de Acontecimentos – fundada em julho passado pela dupla ao lado da produtora Flávia Corrêa – a peça é um apanhado de belas canções, um cenário charmosíssimo e enredo para lá de inspirado.

A história acontece no dia 31 de março para o 1 de abril de 1964, o dia do golpe militar. Gero Camilo interpreta o operário Sabino, enquanto Victor Mendes faz as vezes do estudante Jucelino. A dupla, que até então não se conhece, foge da polícia após uma manifestação no centro do Rio de Janeiro, pulando para dentro do Restaurante Zicartola, icônico estabelecimento mantido pelo sambista Cartola e a esposa Zica (a Dona Zica da Mangueira) de setembro de 1963 a maio de 1965.


Adolfo Moura está bem como Cartola em uma caracterização primorosa. Mas é Fabiana Cozza como Zica que domina o palco. Única mulher do elenco, a cantora dá vida ainda a Clementina de Jesus e Nara Leão, apenas com pequenos apetrechos e maneirismos vocais.

Na trama, o casal se prepara para dormir quando ouve sirenes, gritos e tiros que acontecem na rua. Costurando tudo, canções do próprio Cartola, Noel Rosa, Carlos Cachaça, Nelson Cavaquinho, Zé Ketti e outros. Tudo acompanhado do violão de 7 cordas de Everson Pessoa, a percussão de Gerson da banda e o cavaco de Nino Miau.


A dupla de criadores também mostra a que veio. Victor, que apesar de jovem, tem uma carreira expressiva com passagens por diversas mídias: na TV aberta atuou em “Tudo O Que É Sólido Pode Derreter”, da TV Cultura. Já em canais a cabo, passou por “3 Terezas” do GNT” e “Psi” da HBO. Porém foi no palco que mais brilhou. Além de integrar o elenco de “Música Para Cortar os Pulsos”, do Rafael Gomes (que já falamos aqui) , segurou com gosto a responsa de assumir o posto de Caco Ciocler no premiado “Aldeotas” ao lado do Gero Camilo. A parceria deu tão certo que a dobradinha rendeu também “Caminham Nus e Empoeirados”, baseado no conto homônimo do livro “A Macaúba da Terra”.
Victor, aos 28 anos, aparenta ser ainda mais jovem e acaba sempre com papeis menos fortes. Há também que se reconhecer o que uma trajetória mais longa pode oferecer, prova disso é Gero Camilo. Com mais de 25 anos de carreira, o multi-artista cresce a olhos vistos diante da platéia. Seu momento de destaque são os pequenos monólogos que encena de todo coração.


No vídeo abaixo tem uma palhinha do que esperar do espetáculo:

Razão Social
De 13 à 22 de janeiro. Sextas e sábados, às 21h. Domingos, às 18h.

Teatro Sesc Bom Retiro – Alameda Nothmann, 185 – Bom Retiro. 

Quem escreveu

Iran Giusti

Data

10 de January, 2017

Share

Apresentado por

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.