De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos em São Paulo para driblar a crise.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

De portas fechadas: jantar secreto persa do Amigo do Rei

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

22 de August, 2017

Share

Continuando nossa saga da série de jantares escondidos por São Paulo, fomos tocar na porta desse simpaticíssimo casal, Nasrin e Claudio, que comandam o Amigo do Rei. Ela veio para o Brasil “fugida” do Irã, depois dos primeiros anos da Revolução Islâmica, e foi parar nos braços dele, brasileiro de ascendência italiana. Eu já conhecia o Amigo do Rei, e tenho extremo carinho por eles. Cláudio sempre me manda emails cuidadosamente redigidos, que leio como se viessem de Pero Vaz de Caminha.
Mas dessa vez o jantar foi especial. Acabo de voltar de uma temporada no Irã, e tive muito para conversar. A culinária persa é extremamente intrigante, com sabores que não estamos acostumados: nozes, amêndoas, pistaches e outras castanhas se misturam com flores, açafrão, limão cravo, rosas, cardamomo, açafrão, alho, laranja, entre tantos sabores tão únicos. Eu brincava que no Irã a comida surpreende: o arroz tem gosto de flor, o suco tem gosto de sopa, o molho tem gosto de fruta, e a sobremesa tem um outro gosto que não era nada que você esperaria.

Foto: Jo Machado
Foto: Jo Machado

Os iranianos dividem os ingredientes em “quentes” e “frios”- e isso não tem nada a ver com a temperatura da comida. No feseenjun, por exemplo, os principais ingredientes são romã (fria) e nozes (quente). Arroz é frio, então eles sempre adicionam açafrão, cúrcuma, gengibre ou cardamomo, que são quentes. A crença tem a ver com o processo digestivo: ingredientes que aceleram ou freiam seu metabolismo. Quem cozinha sabe a classificação dos ingredientes de cor!
Nasrin, a cadbanou (cozinheira) da casa, leva ao pé da letra a tradição. É na casa deles, escondido atrás de uma portinha na Vila Mariana, e embaixo dos quadros dignos de museu de Cláudio, a única opção hoje no Brasil para se experimentar a verdadeira cozinha persa. O vinho? Leva-se de casa se quiser (afinal, no Irã hoje bebidas alcoólicas são proibidas), e o Cláudio ainda dá uma mão e sempre sugere: “na dúvida, vá de Primitivo!”.
20170616_203513
Sekahnjebin – Foto: Jo Machado

Eles fazem dois tipos de menu, um mais enxuto com entrada, prato principal e sobremesa, e outro “Jantar do Rei”, um menu degustação em 6 tempos. Dessa vez fomos só de “Jantar Persa”. Após os abraços e bate papo com a família, regado a uma água deliciosa com flor de laranjeira, o primeiro prato: uma sopa de pistaches. Nesta sopa são usados 10 ingredientes, dentre os quais, além do pistache iraniano, um caldo caseiro de galinha criada sem hormônios e antibióticos e a chalota (aquela cebola pequenininha). Já havia experimentado antes a sopa de romã, e confesso que não consigo decidir quais das duas é minha favorita. Acho que se pudesse faria apenas um menu degustação de sopas iranianas!
20170616_212732
Feseenjun – Foto: Jo Machado

Duas opções para o prato principal, e fui de feseenjun: bolinhas de carne com romã (lembra que é “fria”) com nozes (“quente”) – os sabores são bastante diferentes do que a almôndega que nossa mãe faz em casa. O arroz de açafrão verdadeiro e o molhinho de iogurte e alho são os acompanhantes especiais do prato. Servido com colher, claro, pois assim que se faz na terrinha. A outra opção era o khoresh-e gheimeh, um guisado de filet mignon, com especiarias do mais alto nível, incluindo lapeh, um tipo especial de ervilha iraniana amarela. Para acompanhar, o sabor fica por um  limão persa desidratado, o limú amaní.
20170616_210645
A deliciosa sopa de Pistache – Foto: Jo Machado

As sobremesas são simplesmente impossíveis de descrever. O ranghinak é uma receita da família de Nasrin – tâmaras recheadas com nozes envoltas em um creme arenoso com uma textura diferente de tudo que já comi. Por cima, pistache picado. A outra opção era uma geléia de marmelo, servida com um creme suave para quebrar a doçura. Mas o melhor tempero de todos os pratos é mesmo ouvir todas as histórias inacreditáveis que eles viveram. Ouvir a Nasrin contar sobre o Irã secular e moderno pré-revolução é suficiente para acabar com tudo que sempre aprendemos sobre o país.
20170616_220106
Uma sobremesa de comer de joelhos – Foto: Jo Machado

O casal tinha um restaurante chamado Amigo do Rei em Paraty, e depois em BH. Agora a experiência é para poucos – até 8 comensais, que recebem na sala de jantar deles. O jantar persa custa R$ 85 e o menu degustação R$ 150. Aqui tem todas as instruções em como reservar. A Nasrin também cozinha na residência. E eles estão sempre abertos a conversar sobre eventos! Estômagos curiosos e mentes abertas ficarão encantados com essa experiência única. Se for lá, manda um abraço nosso com saudades!

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

22 de August, 2017

Share

Vanessa Mathias

Seu exacerbado entusiasmo pela cultura, fauna e flora dos mais diversos locais, renderam no currículo, além de experiências incríveis, MUITAS dicas úteis adquiridas arduamente em visitas a embaixadas, hospitais, delegacias e atendimento em companhias aéreas. Nas horas vagas, estuda e atua com pesquisa de tendências e inovação para instituições e marcas.

Ver todos os posts

Comentários

  • Pode me informar o endereço é ou telefone?!?
    - Elton Célio
  • A comida iraniana é a mais saborosa que já experimentei! Não imaginava que a Chef Nasrin e seu cuidadoso é fiel escudeiro (Cláudio) pudessem me proporcionar uma experiência tão sensorial e incrível, regada à muita simpatia, em ambiente aconchegante e exclusivo. Recomendo!
    - Thiago Ermano Jorge

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.