Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Bréscia e os 100 anos de Dadaísmo

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

31 de January, 2017

Share

Na noite de 5 de fevereiro de 1916, no Cabaret Voltaire, em Zurique, nascia o movimento artístico mais irreverente de que se tem notícia. Posso dizer sem medo que o Dadaísmo brincou com o absurdo e com a ironia num grau jamais visto na história da arte. Daquela noite no cabaret até a criação das obras mais non-sense de Tristan Tzar, Man Ray, Jean Arp e Marcel Duchamp, os artistas dadaístas ganharam o mundo. Imagina que essa doideira já fez 100 anos!?

Na onda das comemorações, o Museu Santa Giulia, em Bréscia, inaugurou a DADA 1916 la nascita dell’antiarte (Dada 1916, o nascimento da antiarte). Já sei! Você está estranhando o nome da exposição. É isso mesmo! Tudo o que os dadaístas queriam era romper com aquilo que se dizia e se fazia como arte, ou seja, eles propunham “uma antiarte”. São cerca de 270 obras e documentos originais, divididos em quatro núcleos: Dadá antes do Dadá; Dadá, Zurique e Cabaret Voltaire; Arte e Filosofia Dadá e Depois do Dadá. A obra que rouba as atenções gerais é a famosa Monalisa de Bigodes, de Marcel Duchamp. Então, se você estiver por aquelas bandas, não perca esta exposição.

DADA 1916 la nascita dell'antiarte, Museu Santa Giulia.
DADA 1916 la nascita dell’antiarte, Museu Santa Giulia.

Além da mostra, a cidade de Bréscia está com uma programação de eventos  voltada às diversas formas de arte: exibição de filmes, apresentações musicais e teatrais dadaístas invadem as ruas desta charmosa comuna italiana.

Que os artistas dadaístas não me escutem, mas vou contar um segredo: vale demais um passeio por Bréscia para além da exposição. A cidade é a segunda em importância da região da Lombardia (ali bem pertinho de Milão). Preciso dizer que, talvez, você já conheça a cidade. Só não está “ligando o nome à pessoa”.

No verão de 2016, por dezesseis dias, Bréscia surgiu no cenário da arte contemporânea como o lugar escolhido por Christo e Jeanne-Claude para a instalação The Floating Piers, Lake Iseo, Italy, 2014-16, composta por cerca de 100 mil m2 de tecido e 220 mil cubos de polietileno de alta densidade que formavam um sistema de doca flutuante. Garanto que foi uma experiência incrível para quem teve a chance de passar por ali naqueles dias.

Após o fim da instalação, os projetos e os desenhos que serviram para colocar de pé (ou melhor, flutuando) The Floating Piers ficaram expostos no Museu Santa Giulia (olha aí, o mesmo que hoje abriga DADA 1916 la nascita dell’antiarte). Por falar no Museu Santa Giulia só o edifício é um espetáculo. Originalmente, era um mosteiro feminino da ordem beneditina, construído em 753 d.C.

Museu Santa Giulia, Bréscia. Fotografia: dvdbramhall. Flickr.
Museu Santa Giulia, Bréscia. Fotografia: dvdbramhall. Flickr.

O centro histórico de Bréscia, cercado por praças renascentistas, prédios medievais, igrejas barrocas e um complexo arqueológico, é de tirar o fôlego de qualquer amante de arquitetura e de história e arte. Entre os lugares mais bacanas para se visitar estão: a Piazza della Loggia, construída nos séculos XV e XVI; a Piazza Paolo VI, de origem medieval, onde estão o Palazzo Broletto, a Torre Cívica, o Duomo Vecchio e o Duomo Nuovo; a Piazza della Vittoria, legítima representante da arquitetura fascista; o Capitólio e o Foro Romano integram a área arqueológica; e por fim, o Palazzo de Bréscia, que domina cidade e tem a mais bela vista do lugar.

Brescia, Piazza della Loggia, Fotografia: Giorgio Minguzzi. Flickr.
Brescia, Piazza della Loggia, Fotografia: Giorgio Minguzzi. Flickr.
Capitólio e o Foro Romano, Bréscia, Wikipedia.
Capitólio e o Foro Romano, Bréscia, Wikipedia.

Depois desta mistureba de estilos artísticos e tempos históricos (tão a cara do Dadaísmo), Bréscia merece sua visita nestas férias de início de ano. Todos os atributos da cidade merecem meu pedido: dá uma esticadinha na sua viagem, vai?!

DADA 1916 la nascita dell’antiarte
Até 26 de fevereiro de 2017.
Fondazione Brescia Musei
via Musei 55 – 25121 Brescia

tel. 030.2400640 – Mail: [email protected]

Foto do destaque: Vista do Duomo Novo a partir do Castelo de Bréscia. Wikipedia.

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

31 de January, 2017

Share

Alecsandra Matias

Rata de galerias e museus, não perde a oportunidade de ir procurar aquela tela, escultura ou monumento famosos que todos só conhecem pelos livros.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.