De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Ainda dá tempo de curtir a edição cápsula do SP_Urban Festival!

Quem escreveu

Jo Machado

Data

29 de May, 2017

Share

Desde o último dia 17 de maio, em quatro pontos da cidade, acontece um dos mais legais (e importantes) festivais de cultura digital do país, o SP_Urban Digital.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em uma edição cápsula, menor que a original, o evento se uniu ao Maio Amarelo, movimento internacional de conscientização para a redução dos acidentes de trânsito. Com o tema “mobilidade urbana”, a curadoria do SP_Urban espalhou obras digitais visuais e interativas e performances multimídia na estação República do metrô, a Avenida Paulista, a Rua Augusta e a Cinemateca Brasileira.
Lembra quando transformaram o edifício da FIESP/SESC em um gigantesco videogame durante a 2ª Mostra Play? Pois é, o Noobware & Nutone voltou com partidas de dois jogadores na área, ação cultural do Metrô República e na Galeria de Arte Digital SESI.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Lá na Augusta, o pessoal transformou duas empenas cegas de edifícios em grandes espaços de processos culturais e tecnológicos, onde são transmitidas seis obras visuais do acervo do SP_Urban Digital Festival e três obras inéditas, além da transmissão de vinhetas que abordam de forma divertida questões importantes sobre a segurança no trânsito e que dialogam com a arte digital.
Foto: Bia Ferrer
Foto: Bia Ferrer

Infelizmente algumas programações já acabaram, mas nesta última semana do evento, ainda tem coisa rolando. Olha só:
Street Crosser
Galeria de Arte Digital SESI-SP – Av. Paulista 1.313
19 a 31 de maio (exceto dia 22), das 20h às 22h
2 jogadores via tablet
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A dica é: corre que ainda dá para pegar um pouquinho do festival e aproveitar o encerramento do festival que acontece no dia 3, sábado, lá na Cinemateca Brasileira. Um dia cheio de interatividade. Se liga na programação:
17h: Obras visuais
17h30:  Show de abertura: banda Electrip
18h30: Obras visuais
18h50: Performance audiovisual: Lva Vermelha – Lia Paris + VJ Spetto
(inédita performance de body mapping e vídeo mapping sincronizados com a música de Lia)
19h10: Obras visuais
19h30: Performance audiovisual: Estereóptico 2.0 – Vigas
(espetáculo imersivo sensorial, combinando efeitos visuais de ilusão de ótica da estereoscopia, em perfeita sincronia com o áudio).
20h10: Obras visuais
20h30: Música e imagem: banda Autoramas + VJ Ligia Alonso
21h30: Obras visuais
22h: Música e imagem: DJ Amanda Mussi + Vigas
23h: Obras visuais
Cinemateca Brasileira
Sábado, 3 de junho, das 17 às 23h30
Largo Sen. Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana
Gratuito

Quem escreveu

Jo Machado

Data

29 de May, 2017

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.