De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

6 novos espaços culturais em São Paulo que valem a visita

Quem escreveu

Tava Passando

Data

23 de June, 2017

Share

A cidade que respira e transpira cultura nunca fica pra trás. E não tem crise que impeça São Paulo de ganhar novidades sempre, de todos os tipos. Uma prova é a profusão de novas galerias e espaços culturais, lugares múltiplos que vão muito além da exposição de arte: são ao mesmo tempo bar, lojinha, casa de shows, feiras e, acima de tudo, ponto de encontro de gente legal.

São espaços que têm a proposta de serem vitrines do que acontece de novo na arte em São Paulo e no Brasil, e que identificaram essa demanda de um lugar legal pra encontrar gente, sem um formato muito definido.

Escolhemos seis deles que abriram nos últimos anos e que valem muito a visita!

Galeria Crua

Foto: @tavapassando
Foto: @tavapassando

A Galeria Crua tem somente três meses de vida e já é um dos lugares mais bacanas de São Paulo. Além de ser um espaço muito charmoso nos Campos Elíseos, a curadoria das peças expostas é fina, com desenhos, fotos, prints e pinturas de artistas contemporâneos brasileiros e que não se acha nas galerias tradicionais. A Crua também é o ateliê do artista Gen Duarte e recebe festinhas, lançamentos de livros e zines e outras atividades relacionadas à arte. Conta também com um pequeno barzinho com cerveja e drinks e, dependendo do evento, rolam food trucks estacionados na porta, como o do Sotero, por exemplo.

Galeria Crua. Rua Conselheiro Nébias, 1441, Campos Elísios
De terça a sexta das 11h às 20h e sábado das 14h às 22h. 

Bendgy

bendgy
Foto: Bendgy

Provando que a Santa Cecília é o lugar mais cool de São Paulo atualmente, a Bendgy se instalou no bairro e atrai ainda mais gente descolada para visitar seu acervo de obras de arte de artistas underground e independentes. Criada pela artista plástica Patrícia Colli – mais conhecida por Pacolli – o espaço tem galeria rotativa, café, cerveja, shows de projetos musicais alternativos e também venda de roupas, cartões postais, zines, posters e, obviamente, o trabalho autoral incrível de sua criadora.

Bendgy. Rua General Jardim, 554, Santa Cecília
Sábados das 14h às 20h

Estúdio Lâmina

lamina
Foto: Lâmina

Num desses prédios/casarões cheios de décadence avec élégance, no meio do Anhangabaú, fica o Estúdio Lâmina, o pioneiro da nossa lista. Aberto em 2011, ele é meio galeria, meio ateliê, bar, casa de shows e balada, espaço pra feira, debates, aulas, e o que mais aparecer. Um ponto de encontro de artistas, que se identifica bastante com o movimento da semana de 22, que inclusive teve ebulição ali perto. E é aberto a propostas: se você tem um projeto cultural, leva lá pra eles conhecerem!

Estúdio Lâmina. Avenida São João, 108, Centro
De terça a sexta das 16h às 23h. 

Epicentro Jardins

epicentro
Foto: Epicentro

Perdoem o trocadilho, mas a Epicentro tem sido de fato o epicentro de novas propostas culturais pelas bandas dos jardins, com mini-exposições, feiras e aulas bem diversas. Já rolou mercado e curso de botânica, mini-mostra de arte erótica, feira de produtores urbanos, de vinil e de publishers independentes, exposição em parceria com a renomada Emma Thomas e bazares legais como Itinerante e Sample Sale, tudo isso em pouquíssimo tempo de existência. Vida longa à Epicentro!

Epicentro Jardins. Rua da Consolação, 3423, Jardim Paulista
De segunda a sábado das 11h às 19h e domingo das 12h às 18h

Espaço Breu

19400974_10154755419387951_423808366_o

Um enorme galpão no meio da Barra Funda promete chacoalhar o universo paulistano das artes. No térreo, um amplo vão livre para exposições (e por que não shows, performances, oficinas, cursos e grupos de estudos) e no segundo andar os ateliês dos artistas que comandam a galeria. Com este ambiente tão grande, a Breu tem capacidade de receber obras de dimensões maiores, que normalmente não cabem nas pequenas galerias, ampliando as possibilidades e usos criativos do espaço. Aberta há menos de um mês, a Breu chegou para ocupar uma lacuna importante para novos artistas brasileiros e para quem procura produção artística inovadora e de vanguarda.

Espaço Breu. Rua Barra Funda, 444, Barra Funda
De quarta a sábado das 15h às 20h

Disjuntor

Foto: @tavapassando
Foto: @tavapassando

O Disjuntor já tem um ano, e foi um ano bem movimentado! A casa, que abriu como galeria e acabou se expandindo pra muito mais que isso, foi criada pelo casal-artista-produtores-pau-pra-toda-obra Mozart e Mônica Fernandes junto com Tatá Crippa. Com shows independentes, exposições de novos artistas do país inteiro, comida na porta, bar, feiras e festas, ela entrou rapidinho pro mapa como um dos responsáveis pela nova cena legal da Mooca. Na foto, uma Free Beats que fechou a rua!

Disjuntor. Rua da Mooca, 1747, Mooca
Quinta das 14h às 23h45, sexta e sábado das 14h às 2h e domingo das 14h às 22h
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save
Save

Quem escreveu

Tava Passando

Data

23 de June, 2017

Share

Tava Passando

Tavapassando e cliquei. Danilo Cabral e Flavia Lacerda registram seu dia a dia e todos os lugares por onde estão passando, em um mini-guia de shows, restaurantes, ruas e pixos no Instagram.

Ver todos os posts

Comentários

  • Amei quero conhecer...
    - Sonia
  • Gostei! Ótimas informações, forma e conteúdo!
    - Miguel

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.