Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Washington D.C. vai muito além da Casa Branca

Quem escreveu

Rebecca Raia

Data

26 de January, 2016

Share

Sempre fico um pouco indignada quando ouço que alguém foi para Washington, D.C. e só passou um dia lá. É minha cidade favorita nos Estados Unidos: a multiplicidade cultural americana é toda concentrada em uma cidade organizada, barata e divertida.

Obviamente, não falta atividade para quem curte história, mas a verdade é que os museus de arte não ficam para trás dos de Nova York.  Ou seja: tem para todos os gostos e tem MUITO para mim, estudante de museologia. Só da instituição federal Smithsonian, são 19 museus com entrada gratuita, além do jardim botânico e do zoológico – a cidade é arborizada e o jardim botânico é incrível – fora que existem vários parques nacionais dentro e nos arredores da cidade. É óbvio que um dia só não dá conta de tudo isso!

Interior do National Air and Space Museus, que faz parte do conglomerado do Smithsonian. (foto: Shutterstock - f11photo)
Interior do National Air and Space Museum, que faz parte do conglomerado do Smithsonian (Foto: Shutterstock – f11photo)

Tem a parte que é manjadona: a Casa Branca, os monumentos aos presidentes e os memoriais de guerra. A maioria desses lugares ficam em um parque chamado The Mall. O serviço educacional que os guardas do parque oferecem é gratuito e de excelente qualidade – tudo com aquela pitada forte de patriotismo americano, mas quem visita Washington D.C. precisa ter a consciência de que na capital do país, essas “americanisses” não vão faltar. Os horários para os tours são informados no próprio local e acontecem várias vezes por dia. Sempre vale voltar ao Mall no comecinho da noite depois de algumas cervejas e andar entre os monumentos como se você fosse a Olivia Pope em Scandal.

Para quem tem os dias contados na cidade, acho que as visitas aos museus deve ser planejada de acordo com os seus interesses. O museu de arte de que mais gosto é o American Museum of Art especialmente, a ala de arte contemporânea, cuja coleção é especialmente focada em vídeo-arte, como essa obra do Nam June Paik. O resto do museu pode ser um pouco chatinho, tirando algumas pinturas do Edward Hopper e do John Singer Sargent, mas vale a pena ir para o outro lado do prédio conferir a Portrait Gallery, que tem pinturas de todos os presidentes dos Estados Unidos e das primeiras-damas. No National Archive, além da Constituição Americana e de outros papéis que fundaram o país, tem uma exposição fascinante contando a trajetória da conquista dos direitos civis dos negros, das mulheres e da população LGBTQ.

O festival das cerejeiras no Jefferson Memorial (foto: f11photo)
O festival das cerejeiras no Jefferson Memorial (Foto: f11photo)

Como disse, a cidade é um prato cheio para quem gosta de história. Estou especialmente ansiosa para visitar o National Museum of African American Culture and History, que será inaugurado em Novembro de 2016. Em um ano marcado pela violência policial contra os negros e a mobilização de movimentos como #BlackLivesMatter, o museu, criado para celebrar e educar os visitantes sobre a cultura negra dos Estados Unidos, tem o papel de unir o espaço público com o movimento das ruas, um trabalho complexo, que deve ser observado criticamente, mas pode gerar resultados otimistas.

Para a noite, na verdade, não sei de muitas baladas interessantes, mas sei de excelentes restaurantes e bares. Um dos meus favoritos é o Busboys and Poets, uma mistura de bar e livraria que hospeda eventos literários e performances musicais, principalmente focados em artistas e autores negros. O Barack Obama e suas filhas já foram vistos por lá (imagina trombar com eles?). Outra área cheia de lugares interessantes é Adams Morgan, povoada pelos universitários ricos da cidade, que elevam o número de restaurantes, cafés e bares bacaninhas por ali, como o Tryst, que tem um dos cafés mais gostosos que já tomei.

Casas coloridas da região de Adams Morgan (foto: Shutterstock - Andrei Medvedev)
Casas coloridas da região de Adams Morgan (Foto: Shutterstock – Andrei Medvedev)

Para comer, sempre que vou para D.C. tenho que passar pelo El Rinconcito Cafe, um restaurante baratíssimo e delicioso de uma família de El Salvador e que fica em um bairro que parece ser o bairro emergente no momento – Shaw -, onde super vale a pena se hospedar. Quando não fico na casa de amigos, fico em um hostel por lá. E se procurar por hotéis pelo bairro, procure por Mount Vernon Square também.

Dos monumentos aos parques, passando pela vida cultural e, principalmente, pelos museus, não se engane: Washington D.C. é uma cidade para ficar pelo menos um final de semana (e ainda vai ser pouco)!

Foto do destaque: Shutterstock – Orhan Cam

Quem escreveu

Rebecca Raia

Data

26 de January, 2016

Share

Rebecca Raia

A Rebecca nunca mora no mesmo lugar por muito tempo. É formada em Relações Internacionais e e especialista em Museologia. O emprego dos sonhos da Rebecca seria viajar o mundo visitando todos museus possíveis - mas ela não dispensa noites preguiçosas em casa assistindo a séries e filmes enquanto come panquecas no jantar. Ela também gosta de roupas floridas e aconselhar desconhecidos sobre relacionamentos afetivos.

Ver todos os posts

Comentários

  • Texto muito bom, Rebecca! Que cidade incrível!

    - Luiza Fabsm

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.