De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Um passeio pela Orla Conde

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

15 de June, 2016

Share

Demorô. E não é gíria, não. Levou muito tempo, mas o Porto Maravilha do Rio de Janeiro finalmente está tomando forma. Quando escrevi este post alguns trechos ainda estavam inacabados, mas já dá para curtir muito da Orla Conde, entre a Praça XV e o Armazém 8.

Orla do Conde. Rio de Janeiro- RJ- Brasil- 07/05/2016. Foto: Beth Santos/ GERJ
Orla do Conde. Rio de Janeiro- RJ- Brasil- 07/05/2016. Foto: Beth Santos/ GERJ

A atual Orla Conde era uma região degradada e obscurecida pelo elevado da Perimetral, no centro do Rio. As fachadas dos belos prédios históricos e a Baía de Guanabara eram obstruídos pelo monstrengo de concreto, e consequentemente, a população não utilizava os espaços públicos de uma região tão estratégica da cidade. Há alguns anos, a Perimetral foi demolida e a área passou por uma transformação intensa. No começo de junho foi inaugurado um novo sistema de transporte no Rio: o veículo Leve sobre Trilhos, ou VLT, que terá 28 quilômetros e 32 paradas conectando o centro e a região portuária.

A Orla Conde tem 3,5 km e nada menos que TREZE museus e centros culturais. Alguns são espaços de interesse mais específico, mas estamos falando também de joias da cultura carioca, como a histórica Casa França Brasil e o novíssimo Museu do Amanhã. Não vamos detalhar os espaços aqui. Veja no mapa abaixo o que você vai encontrar pelo caminho, acesse o Google e seja feliz. Feliz e culto.

espaços historicos orla conde

O trecho entre a Praça XV e o Museu Histórico Nacional mudou muito, mas suas maiores atrações resistiram ao fim das obras e agora ganharam a linda vista da baía de Guanabara. A Feira de Antiguidades dos sábados segue firme e forte, oferecendo de achados incríveis a cacarecos bizarros. E mesmo que você não esteja com fome, vale a pena dar um pulo no Albamar. O restaurante, fundado em 1933, ocupa a única torre ainda existente das cinco que faziam parte do antigo Mercado da Praça XV. Em 2009, o cardápio foi reformulado e o restaurante abraçou sua tradição de frutos do mar. Muitos bancos convidam o pedestre a sentar, digerir o almoço e admirar as embarcações da orla e a ponte Rio-Niterói. A Praça XV foi a última a ser inaugurada e está irreconhecível. A área em frente ao Museu Histórico é capaz de levar às lágrimas o skatista mais durão.

O trecho entre a Bolsa de Valores e o 1º Distrito Naval ainda está em obras. Taí uma boa desculpa pra você passar pelo Arco do Teles, que leva a um conjunto preservado de casas e prédios construídos no século XVIII e que hoje abriga parte da boemia do Rio. Após atravessar a Avenida Presidente Vargas, você chega à área da Marinha, agora repleta de decks de madeira e canteiros de plantas. Você vai perder um bom tempo babando por todo o conjunto da Praça Mauá, mas diante da paisagem de Niterói, Baía de Guanabara, Museu do Amanhã e Museu de Arte do Rio, não te culpamos. Dá até pra ver a serra de Teresópolis. Se a fome bater, há uma meia dúzia de foodtrucks. E muito, muito espaço pra passear, descansar, namorar ou pedalar.

(foto: Mwaldeck)
Museu de Arte do Rio (foto: Mwaldeck)

Siga os trilhos do VLT modernoso, pela avenida Rodrigues Alves, e você encontrará os armazéns do Porto de um lado e prédios históricos de outro. A maioria ainda tem status de alfândega e entrada restrita, mas alguns serão liberados para abrigarem atividades comerciais ou culturais. O de número 6, Armazém Utopia, já funciona nesse esquema.

Os armazéns 7 e 8 e a Praça da Candelária serão as últimas áreas a serem inauguradas. Ao todo, o Rio ganhará um parque linear de 287 mil m².

Nas Olimpíadas e Paralimpíadas, a região recebe um nome adequado à grandiosidade do projeto: Boulevard Olímpico. Pela primeira vez, a pira olímpica não ficará dentro de um estádio, mas na Praça Mauá. Haverá um balão panorâmico voando a 150m, palcos para shows, telões para transmissões das partidas, exposições sobre a história das Olimpíadas, interações virtuais sobre os esportes olímpicos, queima diária de fogos de artifício e fontes com projeções holográficas. Ufa! Tem que ter fôlego de atleta mesmo.

O Boulevard Olímpico e o Museu do Amanhã (foto: Mariordo - Mario Roberto Duran Ortiz)
O Boulevard Olímpico e o Museu do Amanhã (foto: Mariordo – Mario Roberto Duran Ortiz)

A mistura de arquitetura histórica, prédios contemporâneos, paisagem natural e urbanismo está apaixonante. Mais de 450 anos após sua fundação, o Rio resgata o local de nascimento da cidade e reinventa a sua história. Cabe a nós curtir e cuidar. Demorô.

Foto do destaque: Flickr – Pietro Ferreira

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

15 de June, 2016

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.