Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Tradições de ano novo mais curiosas do mundo

Quem escreveu

Fernanda Secco

Data

27 de December, 2016

Share

Se vestir de branco, comer lentilha, pular sete ondas, usar calcinha nova…

Nossas tradições de ano novo podem parecer comuns, mas para o resto do mundo são um tanto quanto bizarras. Olhando de perto, todo mundo é esquisito. Então separamos outras tradições curiosas de ano novo pelo mundo — quem sabe você não experimenta alguma neste 31 de dezembro.

Fogos. Foto por: Ian Schneider (CC BY 2.0)
Foto por: Ian Schneider (CC BY 2.0)

Equador 

No Equador os homens se vestem de mulheres, como se fossem as viúvas do ano velho que morreu, e pedem dinheiro nas ruas. Com o que arrecadaram, compram ou fazem bonecos (chamados de ano velho) e queimam à meia-noite, para simbolizar o fim de tudo que foi ruim naquele ano passado.

Queimando o ano velho. Foto por: Carlos Adampol Galindo
Queimando o ano velho. Foto por: Carlos Adampol Galindo (CC BY 2.0)

Filipinas

Os nossos amigos do sudeste asiático são bem específicos quanto as suas tradições de ano novo. É preciso usar roupa com bolinhas (que representam moedas), ter uma uva bem redonda na boca para a batida da meia-noite e se rodear do maior número de coisas circulares possíveis para trazer prosperidade para o novo ano.

Pular doze vezes, logo que o relógio marca a mudança do ano, também é uma boa tentativa para quem quer ficar mais alto. Já comer noodles compridos (pansit) trazem uma longa vida.

Uvas. Foto por: Maja Petric (CC BY 2.0)
Uvas. Foto por: Maja Petric (CC BY 2.0)

Itália

Por muitos anos foi comum que pessoas jogassem pela janela objetos que não queriam mais em suas casas para espantar acontecimentos indesejados no novo ano. Como isso trouxe muitos acidentes, hoje em dia não é tão comum. Mas fique atento quando andar pelas ruas do sul do país no último dia de dezembro.

Finlândia

Uma tradição muito comum até hoje na terra do Papai Noel para prever o que o novo ano trará é derreter alumínio em um recipiente com água e interpretar a forma do metal depois que ele ficar sólido novamente. Se estiver no formato de um coração ou anel, pode significar casamento. Um navio prevê viagens. Um porco significa fartura.

O futuro no alumínio. Foto por: Cassie Thornton (CC BY 2.0)
O futuro no alumínio. Foto por: Cassie Thornton (CC BY 2.0)

Colombia (e alguns outros países da América Latina)

Como bons aventureiros, sempre queremos viajar mais. Os colombianos são tão esperançosos em aumentar a quantidade de viagens do novo ano, que a batida da meia-noite correm com uma mala em volta do quarteirão para atrair mais viagens. Há quem seja mais contido e só suba em uma cadeira com a mala na mão, ou arraste a mala pela casa. Se funciona não sabemos, mas não custa nada tentar.

Foto por: Christine und Hagen Graf (CC BY 2.0)
Foto por: Christine und Hagen Graf (CC BY 2.0)

Este post foi escrito com a ajuda de locais e expatriados que moram nos países há muito tempo. Se você conhece outras tradições bizarras, mande para gente! 

 

Foto de destaque Ian Schneider – Unsplash

Quem escreveu

Fernanda Secco

Data

27 de December, 2016

Share

Fernanda Secco

De longas viagens de carro no México a aulas de cozinha no Vietnã, para mim o que importa conhecer são as pessoas. Não há nada melhor para conhecer um país do que aprender com experiências autênticas (e às vezes malucas).

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.