Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Mudando uma cidade (quase) inteira de lugar

Quem escreveu

Ola Persson

Data

06 de June, 2016

Share

Em 2004, ficou claro que Kiruna, a cidade mais ao norte da Suécia, estava afundando, e que a vila inteira de 18 mil habitantes teria que se realocar. A cidade está em cima de uma das maiores minas de minério de ferro do mundo, a Loussavaara-Kiirunavaara AB (LKAB). A qualidade do minério é quase duas vezes melhor que a encontrada normalmente, e a extração sueca representa cerca de 90% da produção de ferro da União Europeia. A mina corta o solo em ângulo a partir da montanha próxima para debaixo da cidade. Conforme a extração é feita, o terreno em cima vai vagarosamente assentando, e vai em algum momento se tornar muito instável para manter todas as construções do centro da cidade.

O centro hoje. Foto: Svenska Institutet
O centro hoje. Foto: Svenska Institutet

Um video patrocinado pelo governo nos dá a chance de ver como a vila está lidando com o processo de realocação, mostrando como os moradores estão participando da mudança. Um desafio grande desses é contado pela Johanna. Ela é a proprietária de uma das lojas mais clássicas da cidade, a Centrum Huset, e planeja fazer sua transição entre 2020 e 2021. Se ela se mudar muito cedo, ela corre o risco de perder seus clientes atuais, um problema que todos os comerciantes do centro estão enfrentando.

A mina já chega a 1250 metros abaixo da terra, e com a demanda crescente por ferro, os mineiros continuam entrando mais e mais embaixo de Kiruna. Como a mina é a base para a economia local, fechá-la não é uma opção. Ela faz tanto parte do dia-a-dia da população, que ninguém percebe mais as vibrações das explosões subterrâneas durante a noite.

A mudança inclui também uma série de marcos importantes. Alguns prédios serão demolidos e novos serão construídos para substituí-los no novo e mais compacto centro. Outros serão desmontados e transportados em caminhões e guindastes para a nova localização. Entre eles estão uma torre de relógio e a igreja histórica de 1912, votada a construção mais bonita da Suécia em 2001.

Esperando a mudança, a igreja do Kiruna. Foto: Allison Stillwell Young (by-nc-cc)
Esperando a mudança, a igreja do Kiruna. Foto: Allison Stillwell Young (by-nc-cc)
Desenho do novo centro. Foto: White, www.white.se
Desenho do novo centro. Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se

O masterplan da mudança foi projetado pelo White Architects, um dos escritórios de arquitetura de mais prestígio no país, enquanto outras empresas assumiram aspectos menores. A praça central foi desenhada pelo Kjellander + Sjöberg. O bairro será menor que o existente, e vai para o canto oposto da cidade, longe da mina. O novo layout deve corrigir alguns problemas atuais, como o espraiamento, que faz com que a população, apesar de reduzida, tenha que se deslocar grandes distâncias para chegar ao centro ou às paisagens do subúrbio. A nova configuração deve ser bem mais friendly para os pedestre. Muitas das ruas serão mais estreitas, oferecendo proteção contra o vento. Lojas, cafés e a prefeitura serão reagrupados, fazendo a circulação mais amigável durante os meses frios e escuros do inverno. O acesso à natureza é facilitado pelo desenho em zigzag dos limites da cidade, fazendo línguas de floresta cortarem em direção ao centro.

Foto: White, www.white.se
Planejamento da mudança. Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se
Foto: White, www.white.se

Reposicionar uma cidade leva tempo. Segundo o video, o plano é completar a mudança nos próximos 20 a 30 anos. Quando estiver pronta, a área atual será segura para se circular, só não para as construções. Ela será toda transformada em um parque, e pode servir como caminho para a migração das renas. Em 100 anos, as pessoas podem atravessar o parque e nem imaginar que ali existia uma cidade. A consolidação da nova cidade deve acontecer em até 85 anos.

Segundo o arquiteto-chefe da empreitada Mark Szulgit: ‘Nosso maior desafio não é o novo desenho da cidade, mas sim fazer a mudança da cabeça das pessoas e da cultura.’

Foto destaque: Svenska Institutet

Quem escreveu

Ola Persson

Data

06 de June, 2016

Share

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.