Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Casa do Rio Vermelho: se for de paz, pode entrar

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

08 de June, 2016

Share

Como é a sua casa ideal? A minha fica numa rua residencial, mas numa metrópole. Perto do mar, porém num bairro cheio de boêmia e cultura. É fresca, iluminada, espaçosa, mas aconchegante. Tem cozinha grande, jardim cheio de mangueiras e pitangueiras, além de piscina para apaziguar o clima tropical. Há quadros do Carybé, muitos, muitos livros e um quarto de hóspedes para os amigos estarem sempre por perto. É repleta de objetos reunidos nas viagens pelos cinco continentes, mas transmite a certeza de que o melhor lugar do mundo é aquele cantinho. Na minha casa ideal viveria, por mais de 50 anos, uma família moderna, criativa e apaixonada. Minha casa ideal é muito parecida à Casa do Rio Vermelho, onde viveram Zélia Gattai e Jorge Amado.

Jorge Amado & Zélia Gattai
Jorge Amado & Zélia Gattai

Depois de 11 anos fechada, a casa no 33 da rua Alagoinhas virou memorial, em novembro de 2014. Fui visita-la num dia quente do último verão. Estava hospedada no bairro Rio Vermelho, em Salvador, mas a caminhada não foi agradável porque a região estava cheia de obras e meu voo partiria em algumas horas. Também não há muito por onde estacionar. Então não faça como eu: vá de taxi ou Uber, e com muito tempo para gastar. O lugar é pequeno, mas a vontade de absorver cada detalhe é enorme.

Foto: Brasis.vc
Foto: Brasis.vc

O espaço não se limita a retratar a vida do casal, mas também representa os personagens dos livros e hábitos e cultura da Bahia. A casa apresenta fotografias, roupas, mobiliário, pinturas, cartas e lembranças que compõem as memórias de Jorge e Zélia. O memorial é uma viagem ao passado, mas a apresentação é contemporânea, com telas em LED, projeções e áudios de artistas interpretando obras do escritor. É quase imoral adentrar assim a intimidade de um casal. A casa exala a sensualidade e a informalidade da Bahia e saí de lá plena de orgulho da riqueza da nossa cultura.

Foto: Turismo Bahia / Divulgação
Foto: Turismo Bahia / Divulgação

A curadoria cenográfica dos 15 ambientes ficou a cargo de Gringo Cardia e o resultado é genial. Meu estômago roncou quando a quituteira Dadá ensinou receitas dos pratos preferidos da família por meio de um monitor na “Cozinha de Dona Flor”. E fui voyeur no quarto do casal, batizado de “Amores e Amantes”, onde os trechos românticos do livro Tereza Batista Cansada de Guerra são projetados na cama. Quis abrir uma cerveja e chamar os amigos para a “Roda de Conversa”, no jardim e me atracar por horas com um livro na “Sala de Leitura”. Cada cômodo tem uma apresentação tão contemporânea e informativa – e ao mesmo tempo, encantadora e aconchegante – que parecia que era a minha casa. E é um pouco a nossa casa – de nós, brasileiros.

No jardim da casa está o espaço “Jorge e o Candomblé”, que ressalta a relação do escritor com a religião de matriz africana da qual era tão devoto. O depoimento de Mãe Stella abordando a amizade com o escritor e fundamentos do Candomblé só me fizeram pensar no quanto de incrível e desconhecido ainda há para descobrir no mundo. Com bancos, orixás e sapinhos de cerâmica, um cantinho simpático do jardim hospeda as cinzas dos dois escritores.

A entrada inteira para o Memorial Casa do Rio Vermelho custa $20, e R$10 a meia. O espaço funciona de terça a domingo, das 10h às 17h. Feliz mesmo era o Jorge, que era Amado. Salve, Jorge!

Endereço: Rua Alagoinhas, Rio Vermelho, Salvador, Bahia
Horário: terça a domingo, das 10 às 17h

*Foto capa: Casa do Rio Vermelho por Tristão da Cunha

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

08 de June, 2016

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

Comentários

  • Vale a pena visitar. por incrível que parece não é um lugar mórbido tem uma boa energia.

    - Frederico Moraes

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.