De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Adeus, Hangar 110

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

25 de October, 2016

Share

No último dia 20, o Hangar 110 anunciou que 2017 será a última temporada da casa. Os motivos, segundo o post, são principalmente a dificuldade em achar bandas boas para tocar por lá e a falta de público. Se você, assim como eu, amava – ou ainda ama – rock da sua adolescência, com certeza ficou com um sabor amargo na boca com a notícia.

Foto Mukeka e Dead Fish
Foto: Mukeka e Dead Fish

O Hangar surgiu em 98 com o ideal de abrir espaço para o cenário alternativo brasileiro. Por ali já se apresentaram muitas bandas clássicas do punk e hardcore mundial: Toy Dolls, The Exploited, Varukers e Stiff Little Fingers. O lugar também tinha um projeto para bandas começando, o Skema 110, onde bandas mandavam material, eles analisavam e selecionavam para um show. O legal do Hangar é que muito se pensava no público, o preço dos ingressos era bem honesto e as noites sempre terminavam antes da meia-noite, para as pessoas poderem voltar de transporte público para a casa.
A primeira vez que eu fui no Hangar foi em 2010. Eu ainda morava em Campinas e, com amigos, resolvi fazer um bate-volta no fim de semana. Eu lembro que fiquei encantada com o lugar e para lá voltei muitas outras vezes. Vi no Hangar: Fun People, Voodoo Glow Skulls, Down by Law, Toy Dolls – eu fiquei do lado de fora, em um dos dias mais surreais da minha vida -, Sick of it All e Lagwagon, entre tantos outros. Minha última ida lá foi em 2012, para ver um show maravilhoso do CJ Ramone.
Foto: Daigo Oliva
Foto: Daigo Oliva

Foi muito legal ter participado dessa história, desse lugar que com certeza vai se tornar um clássico e do qual vamos contar muitas histórias para as futuras gerações. Foram 18 anos de muita música boa, novas descobertas, muita amizade incrível, conversas divertidas e moshs proporcionados pelo lugar.
Obrigada Alemão e companhia por fazerem um lugar que faz parte da minha história.
* Foto de capa: Mukeka e Dead Fish

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

25 de October, 2016

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.