De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

A obra de Gaudí é apresentada em exposição de maquetes incríveis

Quem escreveu

Renato Salles

Data

21 de November, 2016

Share

Na segunda metade do século 19, Barcelona vivia um momento fervilhante, com uma nova burguesia enriquecida pela Revolução Industrial, a implementação do plano urbanístico de Cerdá, e o declínio da monarquia espanhola. Com esse cenário, o modernismo catalão encontrou as ferramentas e técnicas que traziam um ideário de progresso, e uma classe inteira desejosa de status, luxo e ostentação, disposta a bancar as maiores loucuras na reconfiguração da cidade. Foram décadas de boom para arquitetos, designers e artistas, que se estenderam até a Guerra Civil na década de 1930, quando a austeridade fascista tomou conta.

Réplicas de cadeiras da época
Réplicas de cadeiras da época

Foi no meio desse movimento todo que surgiu a figura mítica de Antoni Gaudí. Nenhum arquiteto na história conseguiu de forma tão marcante se tornar o símbolo e a cara de uma cidade como ele é para Barcelona. Seu trabalho é único por se desprender das influências e estilos vigentes na época para enveredar por uma arquitetura calcada nas técnicas construtivas e nos materiais, com uma linguagem ornamental exuberante e inusitada. Suas obras influenciaram movimentos no mundo inteiro, e até hoje despertam o fascínio de multidões que visitam a capital da Catalunha anualmente.
Detalhe do portão da Casa Vincens
Detalhe do portão da Casa Vincens

Inaugurou nesse sábado a segunda exposição dedicada ao trabalho de Gaudí no Instituto Tomie Ohtake. A mostra ‘Gaudí: Barcelona 1900’ traz maquetes, estudos, desenhos, pinturas, peças de mobiliário e muito mais, do próprio Gaudí e de outros artistas da época, para traçar uma linha de evolução do que foi o modernismo catalão até chegar na obra-prima do movimento, a inacabada Sagrada Família.
Maquete da Casa Millá (La Pedrera)
Maquete da Casa Millá (La Pedrera)

Ao longo da exposição, vê-se como as linhas rebuscadas adotadas por arquitetos e artesãos passaram de puro preciosismo egocêntrico para um estudo profundo de matemática e geometria para alcançar os melhores resultados estruturais imagináveis. Além das maquetes dos edifícios mais conhecidos de Gaudí (como a Casa Batlló, La Pedrera, e a própria Sagrada Família), esquemas e estudos móveis explicam qual era a linha de raciocínio científico do arquiteto para alcançar resultados impressionantes. Os sistemas complexos que desenvolvia são apresentados de forma pragmática e simples, para que até o mais leigo visitante consiga pelo menos entender porque Gaudí é até hoje considerado um grande gênio.

Gaudí: Barcelona 1900
Instituto Tomie Ohtake – Av. Brig. Faria Lima, 201
De 20 de novembro a 5 de fevereiro
Terça a domingo, das 11h às 20h
Ingressos: R$12 e R$6 (meia-entrada). Crianças até 10 anos, cadeirantes e deficientes físicos têm entrada gratuita todos os dias; às terças, entrada gratuita com retirada de senhas na bilheteria do ITO

Quem escreveu

Renato Salles

Data

21 de November, 2016

Share

Renato Salles

Para o Renato, em qualquer boa viagem você tem que escolher bem as companhias e os mapas. Excelente arrumador de malas, ele vira um halterofilista na volta de todas as suas viagens, pois acha sempre cabe mais algum souvenir. Gosta de guardar como lembrança de cada lugar vídeos, coisas para pendurar nas paredes e histórias de perrengues. Em situações de estresse, sua recomendação é sempre tomar uma cerveja antes de tomar uma decisão importante. Afinal, nada melhor que um bom bar para conhecer a cultura de um lugar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.