De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

5 pinturas pelas quais vale a pena cruzar o oceano

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

08 de November, 2016

Share

Com muita coragem e pouco juízo, selecionei 5 obras de arte que vão fazer o mais insensível perder o fôlego diante delas. Confesso que a seleção é uma missão suicida, sempre vai faltar… E creiam, isto dói no meu coraçãozinho! Mas aqui coloquei as peças mais famosas dos mais reconhecidos mestres e, principalmente, aquelas que estão em museus gloriosos abertos à visita pública.

A indefectível Monalisa

Monalisa, Leonardo Da Vinci, 1503/1506. Wikipedia
Monalisa, Leonardo Da Vinci, 1503/1506. Wikipedia

É inegável que a Monalisa, de Leonardo Da Vinci, é a pintura mais valiosa e famosa do mundo. Existem diversas especulações sobre a modelo retratada: a mais ousada diz que seria o próprio Leonardo. Porém a mais aceita é de que ela seria a esposa de Francesco del Giocondo, um comerciante e político de Florença. Por seu sorriso, suas feições e traços, La Gioconda (outro nome da Monalisa) é considerada o padrão de beleza do Renascimento. No Louvre, todos os caminhos levam até a Monalisa, cercada por forte esquema de segurança, vitrine blindada e uma legião de pessoas armadas com suas máquinas fotográficas. O cenário é de guerra! Dá muito medo, juro! Dica: escolha um dos dias que o museu fica aberto durante à noite, o fluxo de pessoas é bem menor!

Musée du Louvre
75058 Paris – França
Metrô: Palais-Royal Musée du Louvre (linhas 1 e 7)
Segunda, quinta, sábado e domingo: das 9h às 18h; quarta, sexta: das 9h às 21h45. Fechado na terça-feira

A musa do Renascimento

O nascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1483. Wikipedia
O nascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1483. Wikipedia

A tela mostra a deusa da mitologia romana emergindo de uma concha no mar, enquanto Zéfiro, representação do vento do Oeste, a assopra para a margem. Já a deusa Hora se prepara para cobrir Vênus com uma manta florida. Alguns estudiosos acreditam que a obra seja homenagem de Sandro Botticelli ao amor de Juliano de Médici por Simonetta Vespúcio, que viveu em Portovenere, uma cidadela à beira-mar. Aliás, Simonetta é musa mesmo! Sua imagem está também na obra Primavera. Ela era considerada a mulher mais linda do Renascimento. O nascimento de Vênus está na Galleria degli Uffizi, um palácio em Florença que é um dos museus mais famosos e antigos do mundo. Dica: Na visita, tenha sempre o mapa da Galleria em mãos. O museu é imenso e as saídas são muito discretas.

Galleria degli Uffizi
Piazzale degli Uffizi, 6, 50122, Florença, Itália
De terça a domingo, das 8h15 às 18h50

Uma memória que não se apaga

Noite Estrela, Vincent Van Gogh, 1889. Wikipedia
Noite Estrelada, Vincent Van Gogh, 1889. Wikipedia

Noite Estrelada é uma das pinturas mais conhecidas do mestre holandês, se não for a mais. Aos 37 anos, Van Gogh – que sofreu de depressão por muitos anos, até cometer suicídio (aqui há controvérsias, mas vamos dar crédito a tese do suicídio, não é?) – ficou em um asilo na região francesa de Saint-Rémy-de-Provence. Ele memorizou a vista que possuía da janela de seu quarto durante a estadia no lugar e fez a tela com todos os elementos que caracterizam suas pinceladas pós-impressionistas. A aldeia de Saint-Remy é representada em uma noite cujo céu possui estrelas e nuvens em formas enroladas e revoltas. Do lado esquerdo da cena, o artista acrescentou um pinheiro. A tela integra a coleção permanente do MoMA, que é a “Meca” da arte moderna. Dica: o museu fica aberto todos os dias, mas na sexta-feira, das 16h00 às 20h0, a entrada é grátis.

Museu de Arte Moderna de Nova York – MoMA
11 W 53rd St, New York, NY 10019, Estados Unidos
Todos os dias, 10h30 às 17h30.

A ansiedade e a angustia de um fim de tarde

O Grito, Edvard Munch, 1893. Wikipedia.
O Grito, Edvard Munch, 1893. Wikipedia.

A tela integra uma coletânea de quatro obras intitulada com o mesmo nome, acreditam nisso!? A mais conhecida das telas é essa, de 1893. A tensão da figura fantasmagórica é uma alusão à infância trágica do próprio Edvard Munch. A morte da mãe e da irmã de forma dramática, e a figura do pai rígido e controlador marcaram a vida do pintor. Durante um passeio com dois amigos na doca de Oslofjord, Munch sofreu um ataque de ansiedade. Era fim de tarde e o céu estava avermelhado. O artista representou toda a sua angústia e desespero na obra. Dica: não faça planos para conhecer as quatro obras “Grito”. Isto porque a mais famosa está na Galeria Nacional de Oslo, duas estão no Museu Munch, na mesma cidade e, a quarta em uma coleção particular (aí fica difícil, não é?).

Galeria Nacional de Oslo
Universitetsgata 13, 0164 Oslo, Noruega
De terça, quarta e sexta, das 10h00 às 18h00. Quinta, das 10h00 às 19h00. Sábado e Domingo, das 11h00 às 17h00. Segunda, fechado.

Abaixo as formigas

A persistência da memória, Salvador Dalí, 1931. Wikipedia
A persistência da memória, Salvador Dalí, 1931. Wikipedia

A obra é uma referência no universo pop. Dalí usou e abusou de elementos surreais – como os relógios derretidos – mesclados às imagens cotidianas que nos cercam, como o penhasco e o mar ao fundo, passando a impressão de que esta seja uma cena possivelmente real. Em cima do relógio à esquerda encontram-se formigas – e aqui um segredo só nosso: Salvador Dalí não gostava delas. Ele acreditava que elas simbolizavam podridão. A persistência da memória está no MoMa. Realmente, este museu é o must para os amantes da arte. Deixo aqui a mesma dica para ver Noite Estrelada, de Van Gogh.

Museu de Arte Moderna de Nova York – MoMA
11 W 53rd St, New York, NY 10019, Estados Unidos
Todos os dias, 10h30 às 17h30.

Viram!? Essas obras não valem a travessia do oceano!? São 5 pinturas e 4 museus, o “crème de la crème” para os viciados em história da arte. E há muito mais, com certeza! Qual é o quadro que te faria atravessar o oceano para ver? Coloca aqui nos comentários que eu quero saber.

Quem escreveu

Alecsandra Matias

Data

08 de November, 2016

Share

Alecsandra Matias

Rata de galerias e museus, não perde a oportunidade de ir procurar aquela tela, escultura ou monumento famosos que todos só conhecem pelos livros.

Ver todos os posts

Comentários

  • Tany, chiquérrima sua sugestão. O Jardim das Delícias de Hieronymus Bosch, no Museu do Prado, é uma obra para de ver de joelhos!
    - Alecsandra Matias
  • The Garden of Earthly Delights do Bosch :)
    - Tany Monteiro
  • Guernica, no Reina Sofia, pfvr
    - Carlos Costa E Sousa
    • Carlos, temos um post especial sobre a Guernica no COP. Dá uma busca e veja se gosta!
      - Alecsandra Matias

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.