Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Street View Treks no Yosemite

Quem escreveu

Ola Persson

Data

03 de July, 2015

Share

Tem um novo membro na coleção Treks do Google Street View. Esses treks são como fossem visitas virtuais a lugares remotos, usando uma combinação da tecnologia Street View com conteúdo editorial, vídeos, áudio e texto para uma experiência mais imersiva.

Entre outros lugares, já tem uma volta embaixo do mar na Grande Barreira de Corais na Austrália e nos templos do Angkor Wat no Camboja, e agora o El Capitán no Yosemite. Essa parede é uma das mais clássicas de escalada e, com seus quase mil metros de altura, forma um penhasco gigantesco. Onde as duas faces se encontram existe uma via conhecida como The Nose.  É a aspiração de muitos escaladores, porém poucos chegam a completá-la.

El Capitan. Foto: Kenneth Sponsler / shutterstock.com
El Capitan. Foto: Kenneth Sponsler / shutterstock.com

Desde janeiro passado, já podíamos subir a via pelas costas do Alex Honnold, que escalou a via com uma mochila com câmeras para construir um passeio vertical com imagens cada 10 metros.

A via foi conquistada pela primeira vez em 1957 por Warren Harding, tornando-se assim a primeira pessoa a subir o El Capitán. Para conseguir fazer a subida, ele usou equipamento (como pitons, corda, mosquetões etc.)  como ajuda, o que é conhecido como escalada artificial. Com o passar dos anos, o foco da escalada mudou mais para escalada livre, favorecendo-se a escalada “limpa” sem depender de equipamento para subir. Nesse caso, utiliza-se equipamento apenas para proteção em caso de quedas.

A parede demorou até 1993 para ser conquistada em escalada livre, o que foi um passo grande, ultrapassando-se o que era considerável possível.

O feito ficou ainda mais marcante por ser feito pela uma mulher, Lynn Hill, algo não muito comum no mundo de esporte. A via foi repetida apenas em 1998 por Scott Burke e demorou até 2005 para ter um time onde ambos conseguiram encadear a via. No caso, o casal Tommy Caldwell e Beth Rodden levou 4 dias para completar a via. Mesmo hoje, são poucas as pessoas que encadearam a via em escalada livre.

Mas agora, para nós meros mortais, que temos curiosidade de saber como é subir esse gigante que é The Nose, o tratamento especial pelo time do Street View Treks está aí para ajudar. Levando equipamento de foto e vídeo pra cima da parede, um pouco da vertigem é transmitido da tela.

O vídeo mostra um pouco dos bastidores do projeto, com os escaladores falando sobre o projeto e mostrando um tripé montado numa parede vertical.

The Nose tem algumas peculiaridades, um deles é o King Swing, onde o escalador tem que fazer um pêndulo gigante para trocar de uma fenda para a outra. Lá no meio da parede, na 17° enfiada, acho que a vertigem é tranquila, manda mais!

Pra ver tudo, vai lá ver no Google Street View.

Screen Shot 2015-07-03 at 13.10.34

* Foto destaque: Google Street View

Quem escreveu

Ola Persson

Data

03 de July, 2015

Share

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.