De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

O muro de escalada mais alto do mundo

Quem escreveu

Ola Persson

Data

27 de April, 2015

Share

Qualquer um que já folheou uma revista de escalada sabe que as fotos são de pedras imponentes, cascatas de gelo, blocos de boulder em florestas ou paredes com água embaixo e o sol se pondo nos fundos. Provocam desejos, figuram em sonhos, e inspiram viagens pelo mundo, um efeito que, uma foto de um muro de escalada, ou seja, uma academia, não costuma ter.

Luzzone
Foto: Aurelia Cassy Sposetti

No sul da Suiça, a represa Diga di Luzzone configura uma excessão, uma única via com um desnivel vertical de 165 metros leva da escada na base até a grade no topo. Pelo formato côncavo, a parede da represa ocupa o campo de visão inteiro, deixando o escalador sentir a grandeza da paisagem e proporciona mais vertigem do que qualquer academia de escalada.

arrampicatori di dighe
Foto: mbeo

O acesso à via é feito por uma escada, para impedir que visitantes leigos subam. Depois de subir a escada, a via começa um pouco menos íngrime, vira vertical no meio e termina levemente negativa.

Para quem se animar em visitar, é bom saber que a dificuldade máxima da via chega a 6a+ (VI/VI+ na graduação brasileiro), e é composta por 5 cordadas. Para usar a escada que dá acesso à via é preciso pagar 20 francos suíços (R$ ~65) e mais 100 (R$ ~315) como depósito pela chave.

Luzzone

 

* Foto destaque: Aurelia Cassy Sposetti

Quem escreveu

Ola Persson

Data

27 de April, 2015

Share

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.