Lifestyle

Mirante 9 de Julho: um relato emocional

Data

21 de August, 2015

Share

Lembro-me a primeira vez em que pisei no Mirante 9 de Julho. Ele ainda estava maltratado, cru à espera de ajuda, esquecido. À sua volta um retrato da deformação da nossa sociedade, famílias sem teto morando ali entre ratos e um amontoado de lixo. Ainda assim eu me apaixonei. Vi naquele lugar toda a luz que ele de fato tem. Vi nele a esperança que tenho há algum tempo: que a gente tenha cada vez mais lugares públicos, abertos e criativos para nos fazer melhor. E fazer melhor não é pretensão, mas acredito em espaços que nos permite sonhar com uma cidade que sonhamos viver.

O trabalho não foi fácil e tiro meu chapéu aos que acreditaram e o tornaram “seu”, afinal quando você cuida de algo, ele é seu também. Aqui o chapéu tirado vai para o Facundo Guerra, Grupo Vegas e a MM18, escritório de arquitetura que ajudou a restaurar o lugar preservando o máximo do projeto original. E a partir de domingo ele será nosso como deve ser.

Eu me envolvi emocionalmente e acho que há tempos eu não me entregava de alma a qualquer coisa (e não fiz muita coisa, que fique claro). Mas simplesmente eu me apaixonei pelo Mirante por tudo que ele significa para São Paulo, espaço que aos poucos sai da sua invisibilidade ganhando luz num canto obscuro, um corredor de ônibus no qual não prestamos atenção. É o vai e vem cheio de pressa para ir e vir.

Nesses últimos meses tem sido interessante ver as pessoas chegarem no Mirante estupefatas e soltarem “uau, que lugar é esse que eu nunca vi, mas pelo qual eu sempre passei?”. Isso traz a certeza de que há ainda mais lugares assim escondidos em São Paulo.

Aos poucos o lugar foi ganhando vida, brilho e movimento. De repente as escadas voltaram a ser ocupadas, as janelas passaram a ter olhares espiando em busca do que há do outro lado. Uma escada em espiral, com pouco mais de cem degraus, escondida por mais de 50 anos ganhou luz e ideias para projetos, que farão daquele lugar pequeno tão grande.

Galeria Vertigem
Galeria Vertigem

Quando marco um encontro com alguém lá ainda é necessário quase desenhar para que a pessoa entenda onde fica. Muitas vezes ela vai parar em cima do Mirante, um viaduto completamente desnecessário que surgiu para decepar o “mirante” de fato cortando um pedaço da nossa história, mas que agora ganha uma “laje” que será ocupada por artistas e tela de cinema trazendo simbolicamente de volta sua “torre”

tunel vista centro 04
O túnel 9 de Julho com o mirante antes dele ser decepado
O Mirante 9 de Julho sem seu "mirante"
O Mirante 9 de Julho sem seu “mirante”

O Mirante 9 de Julho abre seus portões neste domingo para todos e assim permanecerá. O espaço não é tão grande, 400m2, mas promete receber todos para um café ou um almoço a preço justo, algo cada vez mais raro em São Paulo. De um lado o Isso É Café chega com seus produtos orgânicos e de qualidade impecável, ponto que com certeza será o preferido na região por amantes de café, seja coado, seja expresso. No lado oposto, O Mercado Efêmero, filho mais novo d’O Mercado, promete trazer mensalmente chefs para ficar de olho que irão nos surpreender com sua criatividade no fogão oferecendo pratos por no máximo R$ 20. Cervejinhas artesanais completam o cardápio.

Fritas com brie e molho de carne por Alex Sotero, n'O Mercado Efêmero
Fritas com brie e molho de carne por Alex Sotero, n’O Mercado Efêmero. Foto: Frederico Evaristo

Na laje sobem bandas e DJs para alegrar nosso fim de semana com curadoria de uma dupla para tirarmos o chapéu: Akin Bicudo (Metanol) e Roberta Youssef. Na abertura o Coletivo Rolê ocupa o espaço todo com uma exposição pensada e criada para ele dando vida até para as escadas. Quando a tarde cair no domingo, uma tela de cinema cai junto do alto do Mirante para, então, deixarmos todos sentados na escadaria assistindo a um bom filme com o melhor que temos como pano de fundo: São Paulo.

Coletivo Rolê montando a exposição. Foto: Frederico Evaristo
Coletivo Rolê montando a exposição. Foto: Frederico Evaristo

O Mirante 9 de Julho será um lugar mágico, democrático e inspirador para outros lugares como este surgirem. É chegar e achar o seu lugar. Quem ainda preferir se esconder é só se embrenhar pela Galeria Vertigem, os cem degraus que o levará para a 9 de Julho sem de fato vê-la.

Há 2 semanas eu tento escrever esse post sobre o Mirante, mas percebi como é difícil quando a gente se envolve com o projeto de todas as formas possíveis. O próximo capítulo é fazer com que as duas fontes laterais esquecidas antes da entrada do Túnel 9 de Julho ganhem vida também. E para isso, precisaremos da ajuda de todos, afinal a cidade é nossa e não precisamos esperar por um governo que tem outras urgências a pensar nelas. Vamos lá, tenho certeza que num futuro não tão distante teremos um belo parque entre 9 de Julho e Masp para usufruirmos bem no coração de São Paulo. E vou jogar no seu colo como joguei no meu: conto com vocês para isso acontecer.

Como bem disse o Akin “Quando penso em cultura em São Paulo, penso em cultura de livre acesso, ao ar livre e que olhe a cidade de dentro para fora.”

Data

21 de August, 2015

Share

Assine nossa newsletter