Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Alguns bons e belos motivos para conhecer o Alasca

Quem escreveu

Jo Machado

Data

12 de February, 2015

Share

Falar em viajar ao Alasca desperta olhares espantados e exclamações que remetem a uma paisagem fria onde se avistam iglus e esquimós vagando na imensidão congelada. Mas o Alasca é muito mais que gelo. O mais longínquo estado americano, além de ser o mais remoto, é o maior deles e possui uma riquíssima paisagem de tundra, fiordes, canais e glaciares, além de uma exuberante vida selvagem.

Com temperaturas que chegam a -50°C durante o inverno e 15°C do alto do verão, este estado é conhecido por seus invernos rigorosos, com noites longas, e por seus verões de clima ameno e de grande transformações. Mesmo que não seja uma primeira opção de destino para a maioria das pessoas por conta da sua condição climática e vida selvagem, o Alasca esconde maravilhas que vão além da nossa imaginação.

Urso Pardo - Foto: Shutterstock - Nina B
Urso Pardo – Foto: Shutterstock – Nina B

É um estado cheio de contrastes, um prato cheio para viajantes aventureiros. E está muito bem preparado para receber o turista, sabia? Embora seja o estado menos habitado dos EUA, a infraestrutura e as opções turísticas são inúmeras.

Se você pensa que o Alasca é uma terra inóspita, Anchorage, a maior cidade do estado, vem provar o contrário. A cidade conta com uma infraestrutura impecável de primeiro mundo, onde até os ônibus são equipados com GPS. Além de centenas de quilômetros de ciclovia que lhe permitem trafegar por diversos pontos da cidade.

Anchorage na Primavera - Foto: Shutterstock - Kphotoc
Anchorage na Primavera – Foto: Shutterstock – Kphotoc

Anchorage abriga lugares incríveis para se visitar, como o “Alaska Native Heritage Center Museum”,um enorme museu que abriga vários artefatos de antigas culturas indígenas e shows danças. O Alaska Wildlife Conservation Center, lugar de refúgio de animais, onde você pode conhecer os habitats naturais de animais como águias, alces e ursos.

Embora Anchorage seja a maior cidade, a capital do estado é a charmosa Juneau, localizada ao sudeste. A cidade conhecida por sua grandiosa paisagem glacial e também por ser o destino de muitos cruzeiros, como aqueles em que se pode observar as baleias. Além de ser destino de muitos mercadores, por conta de sua conhecida industria de mineração de ouro e pesca.

A cidade também ostenta museus como o Juneau-Douglas City Museum, que mostra toda a história da mineração em Juenau e dos seus pioneiros, além do Last Chance Mining Museum e o Alaska State Museum, com acervo recheado de informação e cultura.

Passeios aéreos e expedições à geleiras, trilhas pelas florestas e cachoeiras glaciais podem ser outra boa pedida. Para quem curte uma pescaria controlada e sadia, a região também é uma boa opção para quem quer provar o verdadeiro sabor do salmão selvagem e se deliciar com bons frutos do mar.

Parque Nacional de Denali- Foto: Shutterstock - Galyna Andrushko
Parque Nacional de Denali- Foto: Shutterstock – Galyna Andrushko

O Alasca abriga 17 parques nacionais, isso significa dois terços do território do estado estão no sistema de parques nacionais. De cadeias de montanhas e vulcões a rios selvagens e a vasta tundra, o Alasca oferece um leque de oportunidades para turismo e diversão. O Parque Nacional de Denali é um dos mais intocados entre eles.

Se você pretende incluir o Alaska em seus futuros destinos ou já o fez, existem coisas que você não deve deixar de fazer por lá. Uma delas é alugar um carro para dar uma voltinha pela Alaska Highway, uma estrada histórica, construída durante a Segunda Guerra Mundial, que passa por Alberta, pela Colúmbia Britânica, no Canadá, e se estende através do Yukon até o Alasca. Dirigir pela Seward Highway de Anchorage até Seward ou Homer proporciona um encontro com as mais deslumbrantes paisagens do estado americano.

 Seward Highway - Foto: Shutterstock - Laura Moore
Seward Highway – Foto: Shutterstock – Laura Moore

Seja admirando a vida selvagem ou fazendo um dos diversos cruzeiros. Seja em passeios aéreos, trem, carro ou trilhas em geleiras. Seja dormindo em cabanas de pinhos ou confortáveis camas de hotel, o Alasca é um destino farto, de culturas únicas e muito subestimado. Frio ou calor, o estado é um lugar onde a natureza se expõe na sua melhor e mais pura essência, e todos nós deveríamos um dia conhecer. Lembrando sempre que preservar a natureza é fundamental.

Quem escreveu

Jo Machado

Data

12 de February, 2015

Share

Jo Machado

O Jo é do tipo que separa pelo menos 30% do tempo das viagens para fazer o turista japonês, com câmera no pescoço e monumentos lotados. Fascinado pelas diferenças culturais, fotografa tudo que vê pela frente, e leva quem estiver junto nas suas experiências. Suas maiores memórias dos lugares são através da culinária, em especial a comidinha despretensiosa de rua. Seu lema de viagem? Leve bons sapatos, para agüentar longas caminhadas e faça uma boa mixtape para ouvir enquanto desbrava novos lugares. Nada é melhor do que associar lindas memórias à boas canções.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.