Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

4 comidas que eu nunca provei em Lisboa (e talvez nunca prove)

Quem escreveu

Almost Locals

Data

07 de September, 2015

Share

Eu não me considero pessoa chata para comer. Aliás, depois que provei caracóis com a Didi Wagner no Lugar Incomum (se você não viu e quer ver, o vídeo está aqui), muita gente elogiou a minha ‘coragem’. Eu não acho que caracóis sejam um prato que exija coragem para comer, mas aceitei os cumprimentos. E depois fiquei pensando o que é que eu não tenho ‘coragem’ de comer nessa tão variada cozinha portuguesa. E então cheguei à lista abaixo.

Pezinhos de coentrada – É um prato típico alentejano cujo nome é autoexplicativo: tratam-se de pés de porco cozidos com coentro e outros temperos, que resulta num ensopado cheio de sustância a ser comido com pão. Eu dou muito valor ao sabor que o pé de porco pode dar à comida – em especial à feijoada – mas um ensopado só de chispe, eu já não encaro. Ao menos sozinha.

Pezinhos de coentrada. Foto: cozinhatradicional.com
Pezinhos de coentrada. Foto: cozinhatradicional.com

Orelhas de porco – Dia desses conheci uma pessoa que me narrava as maravilhas desse petisco, outro prato típico alentejano (deu pra perceber que no Alentejo não tem frescura, né?). Enquanto a tal pessoa dizia como era deliciosa aquela carne molinha por fora contrastando com a crocância da cartilagem, eu tinha trecos. Desculpem lá, mas eu tenho problemas com cartilagem. Passo. Ah, a salada de orelhas de porto é um prato ótimo para o verão. Dizem.

Salada de orelha de porco. Foto: outrascomidas.blogspot.pt/
Salada de orelha de porco. Foto: outrascomidas.blogspot.pt/

Línguas de bacalhau – São encontradas em salmoura ou congeladas e dizem que, se na prática são mesmo línguas (devido à localização anatômica), na realidade são um outro músculo do peixe, que tem uma cobertura gelatinosa e deliciosa. Há quem as faça fritas, misturadas ao arroz, ensopadas com coentros e batatas. Se você provar alguma versão, me conta como é.

Línguas de bacalhau empanadas
Línguas de bacalhau empanadas. Foto: vaqueiro.pt

Papas de Sarrabulho – É um prato do Norte, forte, típico de inverno e feito com carne de porco, enchidos de porco e sangue de porco – e mais outros tantos ingredientes. Uma amiga já me disse que isto é uma iguaria imperdível e chegou a me indicar o lugar que faz ‘as melhores Papas de Sarrabulho de sempre’. Eu lembro dela falando e rio sozinha pensando que, no máximo, provo uma garfada se outra pessoa da mesa pedir o prato.

Papas de Sarrabulho. Foto: portugaltop.wordpress.com
Papas de Sarrabulho. Foto: portugaltop.wordpress.com

 


Esse post foi criado pela Flávia Motta e originalmente postado no Almost Locals, parceiro de conteúdo do Chicken or Pasta

Foto destaque Still AB/Shutterstock

Quem escreveu

Almost Locals

Data

07 de September, 2015

Share

Almost Locals

Almost Locals é um blog cheio de dicas para quem quer fugir do óbvio em Amsterdã, Barcelona, Berlim, Chicago, Lisboa, Londres, Madri, Rio e São Paulo.

Ver todos os posts

Comentários

  • Arroz de sarrabulho é MUITO BOM!!!

    - Gaía Passarelli

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.