Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

48 horas no País Basco

Data

08 de August, 2014

Share

“A mágica acontece quando saímos da nossa zona de conforto”. Como traduzir essa máxima para a realidade do viajante? Se, por um lado, ninguém (em sã consciência) opta pelo desconfortável, por outro viajamos em busca de algo que não sabemos ainda que existe. Em qualquer viagem, essa mágica só acontece quando a gente se joga ao acaso, lançando um olhar sobre o mapa e o impulso se encarrega de guiar.

E foi assim, que encaramos a estrada de carro com saída em Amsterdã (Holanda) com destino ao Porto (Portugal) via Bélgica, França e Espanha. Dois adultos, uma adolescente e uma criança. Dividindo 2100 km, em três dias e duas noites.

Ida

1a. parada (noite): Paris
2a. parada (noite): Bilbao

A parada em Bilbao foi bastante influenciada pela vontade unânime em conhecer o Museu Guggenheim. Depois de reservar o hotel, compartilhamos a rota e logo descobrimos que as datas de um casal amigo na cidade coincidiriam com as nossas. Maravilha!

O museo, Yoko Ono, escultura em flores do Jeff Koons, vista do hotel e de Bilbao.
O museo, Yoko Ono, escultura em flores do Jeff Koons, vista do hotel e de Bilbao.

A amiga bilbaoense, nos presenteou com VIPs para o museu <3  e como o tempo era curto, optamos por visitar a exposição temporária da Yoko Ono e foi emocionante ver as cápsulas de ar e a vídeo instalação Freedom, onde ela tira o sutiã lentamente. Nos deliciamos com as guloseimas da cafeteria, nos jogamos como se não houvesse amanhã na loja do museu e seguimos, certos de que não é possível assimilar em um único dia, o espetáculo em forma de titânio e aço, que combina entre si a delicadeza e a imponência da sua construção.

Essa foi sem dúvida, uma maneira incrível de aproveitar 24 horas no País Basco e para quem resolver visitar a cidade e tiver mais umas horinhas, vale muito sentar em um dos barzinhos nos arredores do museu e experimentar (todas) as autênticas tapas espanholas.

Volta

1a. parada (noite) St. Jean de Luz (parte francesa do País Basco)
2a parada (noite) Chartres (França)

Eu tenho uma certa afinidade com mapas, então procurei os vilarejos mais próximos do mar que não nos desviassem muito da rota: uma escolha semi-aleatória e rolou um cadinho de preconceito relativo ao nome “Saint Jean de Luz” (Francês? Espanhol?)… Chegamos a St Jean de Luz às 19:00 horas, quando ainda era dia. A arquitetura meio francesa, meio alemã do século 19, transformou o balneário de férias em uma cidade com uma energia misteriosa. Olhava em volta e a sensação por vezes era como a de contemplar um ramalhete de sempre-viva. Um clima de Les Revenants e Top of the Lake, com detalhe curioso: casas com nomes próprios.

Dona Casa
25 residências com nomes próprios na porta em uma única rua. (Foto Priscilla Dieb)

Andamos em volta e nos fundos de um restaurante comum de estrada encontramos o nosso pequeno milagre urbano: a Txopinondo em Bayonne, uma sidreria, produtora do próprio vinho de maçã e também restaurante e loja gourmet.  Um lugar incrível, escondidinho, quase sem querer ser encontrado.

Txopinondo
Txopinondo (Foto Priscilla Dieb)

Lá aprendemos que existe uma ciência sobre como beber a sidra de maneira correta, e fomos educados pelo garçom e anfitrião, que nos acolheu de maneira excepcional mesmo quando a cozinha já estava quase encerrada. Comunicação em castelhano :) já que o idioma oficial do Pais Basco é… Basco.

O interor
O interor da sidreria (Foto: Priscilla Dieb)

Enquanto degustávamos (all you can drink) os 4 tipos de vinho de maçã, que se diferenciam e se expressam de acordo com o tipo da maçã utilizada, foram servidos um bife de atum, temperado de maneira divina, um bife de peito de pato, apresentado de maneira muito similar à de um entrecôte, e as batatas assadas. Para beber eram os tais shots oferecidos diretamente dos barris a cada 15 minutos e suco de maçã, que segundo a Mariah, nossa filha, especialista em sucos de maçã: o suco da casa foi o melhor que ela já tomou nos seus 14 anos. Muy bien.

Cerveja de pimentão, pimentão ressecado, Maçãs e sucos de maçã.
Cerveja de pimentão, pimentão ressecado, maçãs e sucos de fabricação própria (Foto Priscilla Dieb)

Seguimos para o hotel com aquela sensação de quando você acha dinheiro no chão e pela manhã do dia seguinte encaramos a estrada com a certeza de que são necessárias muito mais que 48 horas para saborear e compreender o País Basco, um território pressionado culturalmente, que consegue preservar de maneira tão feroz as suas tradições e se mantém fascinante.

*Imagem destacada – Priscilla Dieb

Data

08 de August, 2014

Share

Priscilla Cavalcante

A Priscilla escolheu como mantra a frase de Amyr Klink: "Pior que não terminar uma viagem é nunca partir". Adora mapas e detesta malas. Não perde uma promoção ou um código de desconto e coleciona cartões de fidelidade. Nas horas vagas é diretora de arte, produtora de festas, dj e coletora de lixo nas ruas de Amsterdã. Escreve aqui e no www.almostlocals.com

Ver todos os posts

Comentários

  • Ha sido un placer y espero que vuelvas pronto. Por cierto, prefiero leer en portugues que en Inglés- Para mi, Brasil, es mi segunda patria ;) Saludos
    - Guest
  • Saludos desde el País Vasco. 48 horas en el País Vasco. El lugar donde “las casas tienen nombre” http://bit.ly/1nESrai
    - Aboutbc
    • Thank you so much for taking the time to read my article and to make the necessary amendments to it! I cannot wait to come back with much more time to learn about your fascinating culture! Warm regards from Holland (and Brazil) Priscilla
      - Priscilla Dieb
      • Estimada Priscila. pedimos disculpas por el error cometido al no incluir el link a tu articulo en nuestro comentario. Hemos subsanado el problema y hemos informado de nuestro error a través de la cuenta de Facebook de AboutBC. Pero queríamos transmitirte directamente nuestras disculpas, así como al blog "Chicken or Pasta?"
        - Aboutbc
      • Ha sido un placer y espero que vuelvas pronto. Por cierto, prefiero leer en portugués que en Inglés- Para mi, Brasil, es mi segunda patria ;) Saludos
        - Aboutbc
      • Ha sido un placer y espero que vulevas pronto. Por cierto, prefiero leer en porugues que en Inglés, para mi, Brasil, es mi segunda patria ;) Saludos
        - Guest

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.