Arte & Cultura

Como é dormir nas comunidades ribeirinhas do Pará

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

05 de September, 2014

Share

Sempre penso em viagens mais como uma etnografia do que turismo.  Troco qualquer hotel cinco estrelas para morar provisoriamente com um padre no Chile, uma madrinha da comunidade de Ayhaska, xamãs em uma tribo no Peru, dividir a barraca com quase-hippies na Alemanha ou com um abastado cidadão viciado em cassinos clandestinos em Estocolmo. E para mim, conhecer e aprender com cada uma dessas pessoas foi mais incrível que conhecer qualquer museu ou ponto turístico.

Olhos atentos e disposição para mudar de planos sempre ajudam a reconhecer oportunidades para entranhar um pouco mais na cultura onde você está.

Alter do Chão, a 40 minutos de Santarém no Pará, é um lugar calmo, lindo, mas bem turístico.

226
Alter, visão aérea

E foi lá que tivemos o prazer de conhecer um guia tagarela e excelente. O Gilmar.  Pito para os íntimos. Pito conhecia tudo da floresta, e nos levou para uma excursão de barco, dessas que todo mundo faz. Mas papo vem, papo vai, mudamos todos os planos para fazer uma ‘excursão diferente’: visitar e dormir na comunidade indígena que ele morava.

139
Casas típicas, feitas de palha

Lu, companheira de aeroportos e eu, logo trocamos o hotel por uma mochila e rede.

Van e Lu, companheiras de aventuras além-rio
Van e Lu, exímias remadoras

Conhecemos toda comunidade, que estavam mais envergonhados com a gente do que a gente com eles. Até passar umas horinhas…

Crianças ribeirinhas fofas.
Crianças ribeirinhas fofas.

A floresta amazônica é impressionante. Pito conhecia o nome de cada item da fauna e flora.

ribeirinha13
Agapé

Resquícios de origem indígena se misturam com outras tradições.

Tudo vem da floresta. Remédio, comida, casa, acessório.  Algumas roupas, óleo, arroz, feijão, açúcar e cachaça é o que se compra fora. O dinheiro para comprar a cesta fora vem do bolsa-família, o resto, da roça.

ribeirinha16
Igapó

As camas são redes, e no quarto, todos dormem juntos. Por que dormir sozinho.Aliás, por que dormir no coberto, se pode pendurar a rede em qualquer lugar? Impressionantemente, minhas costas acordaram muito melhor do que esperado.

Farinha de mandioca é a principal fonte de energia. Toda a Amazônia é forrada de casas de farinha familiares.

106
Farinha de mandioca

Carne é difícil manter.  Mata-se galinha em eventos especiais – como na visita das paulistas.

Gilmar e a farinha de mandioca
Gilmar e a farinha de mandioca

Todos da família trabalham juntos na casa de farinha.

ribeirinha21
Tentamos, mas fazer farinha não é fácil.

O Boto é responsável não só por emprenhar as moças, mas por qualquer estripulia: tomar o limãozinho (mistura de cachaça com limão e açúcar). As mulheres mais velhas mal conseguem escutar o nome do bicho. Os mais novos dão uma risadinha, descrentes.

A comunidade é bem católica, e a única estrutura de cimento por lá.

Igreja da comunidade
Igreja da comunidade

Para as escolas das comunidades com origens indígenas, tentam resgatar a língua e artes nativas. Os professores fazem rodízio entre as matérias: a cada 2 meses, mudam o tópico que aprendem.

Escola da comunidade
Escola da comunidade

Do rio, vem a vida. O peixe,  o banho, a água.

Ensinando a fazer rede de pesca
Ensinando a fazer rede de pesca

As crianças nasceram dentro do mar, e pescam com uma garrafa pet e um pedaço de pão. Nós, nem com varinha.

028
Nadar de roupa é uma delícia!

Pescamos e resgatamos um bicho preguiça do meio do mar rio.

Achávamos que estava morta, mas vivinha!
Achávamos que estava morta, mas vivinha!

Peixe que é bom, nenhuma das paulistas pescaram. Mas em compensação… preguiça…

Paulista resgata bicho-preguiça fraquinha boiando no rio
Paulista resgata bicho-preguiça fraquinha boiando no rio

Da floresta vem todos os itens de primeira necessidade. Aprendemos a fazer cuia, e panelero.

As crianças aprendem a fazer artesanato com as mães.
As crianças aprendem a fazer artesanato com as mães.

O artesanato faz parte do dia a dia das comunidades… e parte da fonte de renda.

Nossa família anfitriã
Nossa família anfitriã

E dá ainda para ficar de pé em uma vitória régia. Se você for uma criança local, claro.

Vitórias-régia
Vitórias-régia

Mas acho que eles gostaram dos forasteiros passeando por lá. Tanto que ele pediu pra divulgar, quem for para Alter do Chão e quiser ir lá, dá um toque para ele: (93) 811907564/ (93) 92127567.  Pode dizer que a Vanessa e Luciana de São Paulo indicou.

Se pudesse teria ficado semanas, só por esse pôr do sol.

Pôr do sol visto da comunidade
Pôr do sol visto da comunidade

Fotos: Luciana Guilliod e Vanessa Mathias

Quem escreveu

Vanessa Mathias

Data

05 de September, 2014

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter