Os melhores eventos do mês de janeiro em Curitiba

Quem escreveu

Cristiano Castilho

Data

25 de January, 2018

Share

Patrocínio

Mostra de Filmes Japoneses

Foto: Divulgação

Entre os dias 18 e 20 de janeiro, a Cinemateca de Curitiba apresenta uma mostra de curtas e longas-metragens japoneses, em comemoração aos 110 anos da imigração japonesa ao Brasil. Um dos destaques é o filme “Thermae Romae”, de Hideki Takeuchi, que será exibido na sexta-feira, dia 19, às 6 da tarde.

Mostra de Filmes Japoneses. Quinta-feira (18.01) às 17h e às 18h; sexta-feira (19.01) às 18h; e sábado (20.01) às 18h. Gratuito.
Cinemateca de Curitiba – Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174, São Francisco.

Mostra Imigração no Cinema Hispânico

Cena do filme “A Jaula de Ouro”. Foto: Divulgação

Filmes hispânicos com a atualíssima temática da imigração são os destaques da mostra que a Cinemateca de Curitiba promove entre os dias 26 e 27 de janeiro. “Cambié Su Nombre Y Seguí Hablando de Ella Sin Que Lo Supieras”, de João Solda, trata da vida de um imigrante cubano em Paris. Já “A Jaula de Ouro”, de Diego Quemanda-Díez, conta a história de três adolescentes que abandonam uma aldeia na Guatemala para chegar aos Estados Unidos. Por fim, “Desnorteados” retrata a saga de jovens espanhóis que tentam a vida na Alemanha.

Mostra Imigração no Cinema Hispânico. Sexta-feira (26.01) às 19h e 19h30; e sábado (27.01) às 19h. Gratuito.
Cinemateca de Curitiba – Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174, São Francisco.

Quem escreveu

Cristiano Castilho

Data

25 de January, 2018

Share

Patrocínio

Cristiano Castilho

Curitibano, é graduado em jornalismo pela UFPR e pós-graduado em jornalismo literário pela ABJL. Foi repórter, editor e colunista do jornal Gazeta do Povo. Trabalha na Rádio Educativa de Curitiba, é editor do blog Pista 1, no portal Bem Paraná, e colaborador da revista VICE Brasil.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.