Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 21.09

Data

20 de September, 2018

Share

Trajetória Sexual

Quem iria ao teatro ouvir as experiências sexuais de Álamo Facó? Bem, nós fomos. Antes de continuar com as palavras seguintes, um esclarecimento sobre as palavras passadas: a pergunta de início esconde o jogo: “Trajetória Sexual” se propõe ser mais do que um relato sobre transas e experiências afetivas, embora elas sejam as articulações que fazem a dramaturgia se mover. E o fato de existir uma dramaturgia faz toda a diferença aqui. A peça está sintonizada com esse tempo presente, não só pelo tema, mas também pela idealização do projeto – um monólogo, escrito pelo próprio intérprete, com detalhes que sugerem uma pequena autobiografia, com licenças poéticas de ficção. Além disso, coloca em evidência o corpo, esse pedaço de carne (com sonhos, medos e desejos) tão combatido, ainda mais se traz as vergonhas de fora. Talvez o impacto fosse reduzido se o ator bancasse o homem hétero padrão a desfilar conquistas amorosas, mas os buracos são mais embaixo, frente e verso. A despeito do autoelogio possível ao falar de si, o monólogo parte de um eu, mas não se reduz a ele. Amar e viver ao mesmo tempo nem sempre é fácil. Ainda bem que existe a arte.

Trajetória Sexual. Quinta-feira a sábado, às 19h. Domingo, às 18h. Em cartaz até 30.09. Ingressos a R$ 30. Quem levar 1kg de alimento paga R$ 15.
Sesc Copacabana (Sala Multiuso). Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana.

Centenário Ingmar Bergman

Um dos nomes mais influentes da história do cinema, Bergman tem parte de sua extensa filmografia revista na mostra. Comemorado oficialmente em julho, o centenário é uma desculpa para se embrenhar em obras que dissecaram o vasto interior de homens e mulheres às voltas em contradições de ser, estar e sentir no mundo. A programação traz dez clássicos do diretor sueco, como “Sonata de Outono”, “Gritos e Sussuros” (na foto), “Morangos Silvestres” e “O sétimo selo”, além de duas produções inéditas no Brasil: “Procurando por Ingmar Bergman”, de Margarethe Von Trotta, e “Gunnel Lindblom – Quebrando o Silêncio”, de Henrik Von Sidow.

Centenário Ingmar Bergman. Os ingressos para cada sessão custam R$ 30. Consulte programação e horários aqui.
Espaço Itaú de Cinema. Praia de Botafogo, 316 – Botafogo.

Autorretratos

A vida íntima desfiada no cinema. Composta por 21 filmes de diretores de diferentes nacionalidades, entre longas, médias e curtas, a mostra apresenta documentários carregados pela experiência de seus criadores, personagens importantes da narrativa que ajudam a contar. O autorretrato, por assim dizer, é uma opção presente em alguns dos trabalhos mais interessantes da nossa cinematografia, com destaque para os docs de autoria feminina, caso de “Elena” (2012, na foto), de Petra Costa, e “Passaporte húngaro” (2001), de Sandra Kogut, ambos na programação. Os elogiados “Santiago” (2007), de João Moreira Salles, e “E agora? Lembra-me” (2014), do português Joaquim Pinto, são outros que merecem atenção.

Como parte da mostra, estão programados também dois encontros gratuitos: uma conversa sobre o tema “A dor do eu – Os percalços e os caminhos para se autobiografar” está marcada para sábado (22.09); na terça-feira (25.09), o diretor Silvio Da-Rin faz uma palestra sobre a primeira pessoa no cinema.

Autorretratos. De terça-feira a domingo, em vários horários. Confira a programação completa aqui. Ingressos a R$ 6. Em cartaz até 30.09.
Caixa Cultural. Av. Almirante Barroso, 25 – Centro.

Viagem a Nova York

Cultuado escritor norte-americano, Paul Auster é a inspiração para “Viagem a Nova York”. O espetáculo se baseia nas histórias detetivescas da Trilogia de Nova York, lançado na década de 1980, cuja trama de mistério traz a pegada de um thriller cinematográfico. A literatura se embola com a própria história pessoal do diretor e autor da peça, Marcio Freitas. Criada a partir de documentos reais e registros pessoais que ele colecionou durante uma viagem de nove meses à metrópole – áudios, e-mails, fotos, mapas, entrevistas -, a peça conta a história semi-ficcional de um homem que desapareceu no exterior.

Viagem a Nova York. De sexta a segunda-feira, às 20h30. Em cartaz até 08.10. Ingressos a R$ 30.
Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto. Rua Humaitá, 163 – Humaitá.

Save The Date

Mostra Buster Keaton – O mundo é um circo

Essa é para salvar mesmo! Começa quarta-feira (26.09) a maior retrospectiva feita sobre Buster Keaton no Brasil. Extensa e caprichada, a programação traz 70 filmes – longas, curtas e médias -, sendo 17 deles apresentados em película. Astro do cinema mudo, contemporâneo de Charles Chaplin, Keaton revolucionou a arte, especialmente as comédias, com uma gama de interpretações e gags que são referência para muitos atores e diretores até hoje. Serão exibidos todos os filmes do período áureo de seu cinema, em que ele não só atuava, como tinha controle artístico de cada projeto. Além disso, a mostra também terá curso, debate e, no dia 12.10, uma sessão especial do clássico “A general”, com a participação da orquestra Soundpainting Rio.

Mostra Buster Keaton – O mundo é um circo. De quarta a segunda-feira, em vários horários. Em cartaz até 14.10. Ingressos a R$ 10.
CCBB. Rua Primeiro de Março, 66 – Centro.

Data

20 de September, 2018

Share

Filipe Isensee e Gustavo Cunha

Filipe nasceu em Salvador, mudou-se aos 9 anos para Belo Horizonte e, aos vinte e poucos, decidiu encarar o Rio de Janeiro. Há quatro anos conheceu Gustavo, cria da capital fluminense. Jornalistas culturais, gostam de receber amigos em casa e ir ao cinema. Cada vez mais são adeptos de programas ao ar livre - sempre que podem, incluem no passeio Chaplin, esperto vira-lata adotado há um ano.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.