De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 20.07

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

19 de July, 2018

Share

Mas é cada moda que o carioca inventa. Estamos reclamando não, que fique claro. A mais nova agora é o carnarraiá, um mix de arraiá com bloco de carnaval, tá bom pra vocês? Pois que, neste finde, além de muita música eletrônica de responsa (tem a nossa favorita RARA numa locação de transcender e tem MOO de graça no CCBB), rolam ainda uns vários híbridos carnajuninos, com destaque para o cortejo do Charanga Talismã e para o combo Sereias de Guanabara + Tô Coxona no HUB. Na porção light do babado, temos a Mostra Cavídeo 21 anos, só com filme lindo, uma oportunidade de se tatuar tomando drinks na CoLAB e ainda mais algumas feiras de variedades para você gastar seu dinheirinho de maneira mais sustentável e feliz do que no shopén.

Foto em destaque de uma das últimas Raras, no Jóckey, pelo André Quelhas, vulgo @lhasque.

Quem escreveu

Luiza Vilela

Data

19 de July, 2018

Share

Luiza Vilela

Luiza S. Vilela é paulistana naturalizada capixaba, mas foi parar no Rio pra cursar letras há 12 anos e nunca mais saiu. Fugiu da vida acadêmica pra escrever, produzir conteúdo e, mais recentemente, casar pessoas. Já coordenou a editoria de FVM e Culinária da Revista Capitolina e contribuiu com Matador, Noo, Rio Etc, Modices e tantas outras. Bate um papo reto sobre literatura, claro, mas também sobre moda, culinária, feminismo e esportes. Site: www.luizaescreve.com

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.