De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

As boas do fim de semana no Rio de Janeiro: 10.08

Data

09 de August, 2018

Share

Você nunca esteve realmente aqui

Joaquin Phoenix interpreta um veterano de guerra no novo filme de Lynne Ramsay

Precisamos falar sobre Joaquin Phoenix. Poucos no cinema norte-americano têm abraçado personagens tão diversos e densos quanto o ator de 43 anos. Claro, abraçar não é tudo, é preciso propor uma dança com o espectador. Afinal, dela nasce o envolvimento com a ficção. Phoenix tem feito isso em trabalhos elogiados, como “Vício inerente”(2014), “Ela” (2013) e “O mestre” (2012). Em todos, fugiu da superinterpretação, caminho mais fácil para encarar tipos complexos. Os bons ventos que circulam desde o Festival de Cannes de 2017 dizem que ele volta a fazê-lo em “Você nunca esteve realmente aqui”. Pelo papel de veterano de guerra que ganha a vida resgatando jovens desaparecidas, o ator levou a Palma de Ouro. Chique, não? Há quem aposte numa quarta indicação ao Oscar. É cedo. No mais, a direção é de Lynne Ramsay, cujo último longa foi o excelente “Precisamos falar sobre Kevin” (2011). Já não é novidade, mas vale o aviso: Phoenix vai interpretar o Coringa em filme com previsão de lançamento para 2019. Ou seja, vamos continuar falando dele.

“Você nunca esteve realmente aqui”. Veja a programação com salas e horários aqui.

Heisenberg – A Teoria da Incerteza

Bárbara Paz está em cartaz com espetáculo no Teatro Poeira | Foto: Nana Moraes/Divulgação

A curiosidade de ver Bárbara Paz em cena nos levou ao espetáculo. A personagem intensa e carente – com ares de uma Clementine Kruczynski, de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças” – ganha razão de ser na atriz, embora ela pareça trabalhar num território já explorado no cinema e na TV. Ainda assim, existe o palco. A proximidade da plateia do Poeira com a cena traz a chance de, mais que ver melhor, dividir a respiração, e isso faz a diferença aqui. A peça mostra o encontro afetivo entre uma mulher de 40 e um homem de 70, vivido por Everaldo Pontes. A despeito da desconfiança dele, nasce um companheirismo, uma amizade-amor, com sexo envolvido. Em dado momento, Bárbara engatinha rumo ao par. O gesto banal feito com o braço, a maneira como ela repousa a mão no banco que faz as vezes de cama, um desenho bonito de acompanhar, mostra que ela não desperdiça nada. Por mais que a dramaturgia seja esvaziada por uma reviravolta sem força, a peça encontra potência em momentos mínimos como esse.

Heisenberg – A Teoria da Incerteza. Quinta-feira a sábado, às 21h. Domingo, às 19h. Ingressos a  R$ 70, aqui. Em cartaz até 26 de agosto.
Teatro Poeira. Rua São João Batista, 104 – Botafogo.

Por Elas

Dor, medo, superação: mulheres contam como é sobreviver num mundo machista  | Foto: Divulgação

A tragédia se repete diariamente. Pela janela do quarto, pela janela do carro, pela tela, pela janela: mulheres violentadas, mulheres caladas, mulheres mortas. A peça “Por Elas” é sobre elas. Quem é ela? Quem é ela? Sua vizinha, sua irmã, sua mãe, sua chefe, sua desconhecida mais próxima, talvez você. Empurre o dedo pra lá e pra cá no celular e, mais uma janela aberta, as notícias virão. No palco, sete personagens femininas carregam histórias de outras tantas mulheres brasileiras e relatam um universo doloroso, tensionado entre o amor e a submissão. Feminicídio, essa palavra.

Por Elas. De quarta-feira a sábado, às 19h. Em cartaz até 1º de setembro. Gratuito, com distribuição de senhas às 18h30.
Museu da Justiça – Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).

Imagens para o futuro – Cinema da Alemanha Oriental

Os sonhos e os pesadelos da República Democrática Alemã são revelados na seleção de 25 filmes que compõem a mostra, em cartaz na Caixa Cultural. Com produções das décadas de 1940 a 1980, o panorama aborda temas variados, das perspectivas da juventude em relação ao futuro às discussões sobre a emancipação feminina. Os trabalhos da DEFA, produtora de cinema estatal da extinta Alemanha Oriental, são os destaques. Obras como “Os arquitetos”, “O coelho sou eu” e “Karla” podem ser vistas neste fim de semana.

Imagens para o futuro – Cinema da Alemanha Oriental. Ingressos a R$ 4. Confira a programação aqui.
Caixa Cultural. Av. Alm. Barroso, 25 – Centro.

Data

09 de August, 2018

Share

Filipe Isensee e Gustavo Cunha

Filipe nasceu em Salvador, mudou-se aos 9 anos para Belo Horizonte e, aos vinte e poucos, decidiu encarar o Rio de Janeiro. Há quatro anos conheceu Gustavo, cria da capital fluminense. Jornalistas culturais, gostam de receber amigos em casa e ir ao cinema. Cada vez mais são adeptos de programas ao ar livre - sempre que podem, incluem no passeio Chaplin, esperto vira-lata adotado há um ano.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.