De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

As boas do feriado no Rio de Janeiro: 31.05

Data

30 de May, 2018

Share

Vamos abastecer esse feriado no Rio? Por aqui, não precisa enfrentar fila, fazer fom-fom nem bater panela ou pupunha. Junho chega junto tacando fogo na crise, tirando alface e abobrinha das feiras e colocando a bicicleta nas ruas. Afinal, quem não tem carro caça com bike. Mês de céu estrelado, dos festejos de São João, junho é um fofo choque térmico, friozinho por fora e quentinho por dentro. Em seus primeiros dias, o mês chega piscando, com festas para virar a noite. Chega no frescor do balanço atemporal de Jorge Ben Jor. Chega na brisa com show de Posada e o Clã. Chega com dança na Cidade das Artes. Chega com fome e sede nos botecos. Chega com a pergunta: onde você estava no outono de 2013? Chega pedalando, porque depois da Dilma pedalada não é mais motivo de impeachment. Chega ou chega mais? Enfim, está só começando.

As palavras voam, os escritos permanecem.

*Foto destaque: Jorge Ben Jor por Felipe Diniz.

Data

30 de May, 2018

Share

Filipe Isensee e Gustavo Cunha

Filipe nasceu em Salvador, mudou-se aos 9 anos para Belo Horizonte e, aos vinte e poucos, decidiu encarar o Rio de Janeiro. Há quatro anos conheceu Gustavo, cria da capital fluminense. Jornalistas culturais, gostam de receber amigos em casa e ir ao cinema. Cada vez mais são adeptos de programas ao ar livre - sempre que podem, incluem no passeio Chaplin, esperto vira-lata adotado há um ano.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.