Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Dicas para curtir uma semana em Phnom Penh, no Camboja

Quem escreveu

Angela Mansim

Data

14 de January, 2020

Share

Phnom Penh, a capital do Camboja, é normalmente explorada em média apenas de dois a três dias pelos turistas. Depois disso, os roteiros seguem para Siem Reap ou para as belíssimas praias cambojanas. Mas você já pensou em viajar sem pressa pelo Camboja? Que tal por uma semana?

Monges caminhando por Phnom Penh, Camboja
Monges caminhando por Phnom Penh. Foto por Unsplash.

Estar em um mesmo lugar durante uma semana muda todo o ritmo de uma viagem. Assegura que o tempo seja aproveitado como o de quem mora no local: sem pressa, sem expectativas e com os olhos bem abertos para as coisas que importam. Algumas coisas simples da vida local podem te fazer sentir como quem mora aqui: como caminhar pela cidade, parar em cafés e padarias, fazer compras no mercado e descansar em praças apenas para observar o movimento.

O tempo é um fator importante na hora de viajar. Se a tua expectativa é a de “fazer o que tem que ser feito”, essa com certeza não é uma viagem para você. Mas se você está aberto para conhecer como as pessoas vivem em Phnom Penh, o tempo é seu maior aliado. 

Fora todos os roteiros turísticos mais conhecidos, aqui vão algumas dicas não usuais do que fazer quando você vier para Phnom Penh, no Camboja.

01. Cafés e padarias pela cidade

Padarias com influências francesas em Phnom Penh. Foto da padaria Eric Kayser Riverside.
Padarias com influências francesas em Phnom Penh. Foto da padaria Eric Kayser Riverside.

Apesar do transporte em Phnom Penh ser muito acessível (é possível chamar um tuk tuk no aplicativo do Grab pela metade do preço do que custaria um carro), minha recomendação é caminhar bastante pela cidade. Acredito que caminhar prestando atenção nos detalhes é uma boa maneira de nos ‘deixarmos surpreender’ na rota que passamos.

Dependendo do bairro que você escolher andar (os bairros centrais tem avenidas largas e boas calçadas), você com certeza vai se cansar durante as caminhadas, e aí que vem aquela hora de procurar um café para esticar as pernas e descansar um pouco. Em Phnom Penh, com certeza, você terá boas experiências em cafés e padarias pela cidade, muitas delas repletas de influências da colonização francesa, como a panificadora Eric Kayser.

02. Meditação no Wat Langka

Meditação pública e gratuita no Wat Sangka, Phnom Penh, Camboja. Foto por Angela Mansim.
Meditação pública e gratuita no Wat Sangka, Phnom Penh. Foto por Angela Mansim.

O Wat Langka é um templo budista, localizado próximo ao Monumento da Independência, e que oferece meditações gratuitas e abertas ao público durante toda semana. Minha experiência pessoal foi surpreendente, pois no templo não existe portaria, fiscalização, venda de tickets ou sequer uma orientação sobre onde é o lugar de meditação. Ele definitivamente não é um templo nada turístico, apesar de receber muitas visitações.

Diferente do que os turistas imaginam, as meditações no Wat Langka não são guiadas por monges, apesar deles estarem por todos os lugares do templo. Você entra sozinho no templo, pega seu colchão de meditação e fica na sessão o quando você quiser. 

A experiência, para quem tem o hábito ou gosta de meditar, é deliciosa devido à paz do local e também ao fato de ser verdadeiramente um local de meditação para os budistas.

Os horários de meditação são: segundas, quintas e sábados às 6 horas da tarde, e domingos às 08:30 horas da manhã.

03. Compras nos mercados locais

Paisagem comum nas ruas de Phnom Penh. Foto por Unsplash.
Paisagem comum nas ruas de Phnom Penh. Foto por Unsplash.

É sempre interessante entrar em um mercadinho na Ásia e ver produtos dos mais diversos nas prateleiras, é ou não é? Inclusive para poder comprar seu próprio pão e entender o que um cambojano consome no dia-a-dia.

Como moro na Ásia há algum tempo, pude perceber que o Camboja tem uma abrangência muito diferente de produtos nos mercados, graças à influência da colonização francesa. A independência da França aconteceu apenas em 1953, por isso na hora de comprar um pãozinho no mercado você vai encontrar deliciosas baguetes cambojanas.

Não só isso: os vinhos tem os valores mais acessíveis na Ásia. Na hora de fazer as compras, é possível notar uma mistura muito gostosa entre Oriente e Ocidente. Portanto, recomendo parar em diferentes mercadinhos e também nos conhecidos mercados de rua para conhecer os produtos vendidos em Phnom Penh.

04. Finais de tarde no Riverside

Royal Palace em Phnom Penh. Foto por Unsplash.
Royal Palace em Phnom Penh. Foto por Unsplash.

O bairro mais turístico em Phnom Penh é com certeza o Riverside, com seus restaurantes e bares incríveis nas margens do Rio Mekong, um dos rios mais longos no mundo. Este é um lugar onde vale muito a pena passar todos os finais de tarde, onde crianças brincam nas praças abertas e belíssimas, famílias caminham no calçadão e os bares se preparam para as longas noite festivas cambojanas.

Os valores são excelentes em alguns restaurantes, sendo que nos happy-hours uma jarra de 1 litro de chopp custa apenas 2 dólares. Os restaurantes na beira-rio vendem também a chamada “happy pizza” – deixo o assunto para vocês pesquisarem por conta própria.

Phnom Penh tem diversos museus, templos e mercados para serem visitados, como o Russian Market, o Royal Palace, o Wat Phnom, o Museu Nacional e o Museu do Genocídio.

Recomendo visitar a cidade com mais tempo para entrar no ritmo da vida simples que levam seus moradores, os fortes e resilientes cambojanos. Desafie-se a viajar sem pressa.

Crianças cambojanas, sempre sorridentes. Foto por Unsplash.
Crianças em Phnom Penh, Camboja. Foto por Unsplash.

Foto em destaque: Unsplash.

Quem escreveu

Angela Mansim

Data

14 de January, 2020

Share

Angela Mansim

Designer, especialista em perrengues, comida de rua e gestão de marcas. Come, dorme e se teletransporta por aí no jeitinho simples da vida local. Radicada em Bali e procurando sempre a próxima ilha para ancorar.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.