Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

O Mirandês: o restaurante português mais "fixe" de São Paulo

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

21 de June, 2019

Share

Apresentado por

Era uma terça-feira fria. Uma amiga sugeriu jantarmos no novo O Mirandês, restaurante português que abriu suas portas recentemente na Santa Cecília. Eu, adepta à novidades, topei! Ao invés dos tradicionais portugueses pomposos da cidade, O Mirandês é uma portinha com um balcão pequeno, luz intimista e mesas espalhadas pela calçada. Fui recebida pela Maria com um abraço apertado. Confusa sobre quem era ela, abracei-a efusivamente e então ela me soltou, sorriu e disse “Bem-vindos, eu sou a Maria”. Pronto, ali eu já tinha ficado fã da casa.

Numa espera pequena por uma mesa para 4 pessoas, aproveitei para xeretar o restaurante e bater um papo com o Vitor, o dono do local. Simpaticíssimo, respondeu a todas as minhas curiosidades. Quando me dei conta, eu e meus amigos já estávamos dividindo uma pequena mesa rente ao fio da calçada. A partir daí as surpresas vieram aos borbotões.

O Vitor é “O Mirandês“, já que essa é a naturalidade de quem nasce na pequena Miranda do Douro, em Portugal. Ele veio pra São Paulo aos 17 anos, tanto que o sotaque quase não é perceptível, a ponto de eu achar que ele era apenas descendente de portugueses. Ledo engano! Vitor é português de alma e coração.

Maria e o Vitor, o mirandês. Foto: Lalai Persson
Maria e o Vitor, o mirandês. Foto: Lalai Persson

Miranda do Douro fica bem ao norte de Portugal, na fronteira com a Espanha. Como o nome já indica, a cidade é cortada pelo Rio Douro. O Vitor saiu de lá aos 17 anos para morar e trabalhar com um tio em São Paulo. A parceria durou apenas 6 meses. Não demorou para ele entrar no ramo alimentício como sócio de uma rotisseria. A sociedade não deu certo e o Vitor passou 25 anos em outro ramo, mas o sonho de voltar pra cozinha se manteve aceso.

Entender a história do Vitor é entender cada detalhe d’O Mirandês. Da decoração à iluminação e comida, tudo foi pensado por ele, que não titubeou em alugar o local onde fica o restaurante quando soube que estava disponível. Ali, identidade não falta. O Vitor cresceu em meio ao cultivo de uvas, cuidado de hortas, vinhos e até matança de porcos. A adega da família, além de servir como estocagem de comida, vinho e lenha, funcionava também para encontros familiares e com amigos. Foi de lá que ele tirou a inspiração para fazer o cardápio de entradas d’O Mirandês: os petiscos de adega, comida preparada a partir do que se tem estocado na adega quando acontecem encontros nela.

O bolinho de bacalhau d'O Mirandês (ele é bem melhor que a foto). Foto: Lalai Persson
O bolinho de bacalhau d’O Mirandês (ele é bem melhor que a foto). Foto: Lalai Persson

O cardápio d’O Mirandês é baseado em frutos do mar, assim como a cozinha típica mirandesa. O bolinho de bacalhau é sucesso da casa e provavelmente um dos mais saborosos que já experimentei na vida. Foi ele quem fez o Vitor escolher o chef que comanda hoje a cozinha ao seu lado. Marcelo Cantuaria trabalhou por dez anos num restaurante português em Campinas e mais alguns anos num restaurante de frutos do mar no Guarujá. Experimentei o Polvo a Lagareiro (R$59), servido mergulhado no azeite, saborosíssimo além de super macio. O arroz de polvo (R$35), muito saboroso também, tem o arroz cozido na água de cozimento do próprio polvo com um refogado feito separadamente para cada prato. É de comer de joelhos. A alheira segue a receita original criada pelos judeus que viviam na região de Miranda do Douro, em Portugal. É um dos carros-chefes do cardápio e eu, que não sou muito fã de alheira, aprovei.

Para quem gosta de bacalhau, o cardápio conta com várias opções, como Bacalhau à Gomes de Sá (R$ 59) preparado em lascas com batatas em rodelas, pimentão, tomate, ovo e azeitonas ao forno acompanhado de arroz; o Bacalhau a Lagareiro (R$ 59), com batatas ao murro, brócolis e azeitonas nadando no azeite; o tradicional Bacalhau à Braz (R$ 49). Aviso: não há opções, além de batatas fritas, para vegetarianos.

O saborosíssimo arroz de polvo para comer de joelhos d'O Mirandês. Foto: Lalai Persson
O saborosíssimo arroz de polvo para comer de joelhos d’O Mirandês. Foto: Lalai Persson

A outra surpresa fica por conta da carta de vinho. São poucas opções, todas portugueses, com preços que variam de R$ 45 a R$ 80. Isso mesmo, você leu certo. Experimentei um alentejano delicioso, o Caso Único, que me deixou surpresa pelo preço (R$ 45). Também há uma caprichada carta de drinques com todos os clássicos da coquetelaria, cujos preços vão de R$ 17 a R$ 25.

Com o sucesso instantâneo do restaurante, Vitor já alugou a casa ao lado, que vagou para a sua sorte (e a nossa). Estive lá na última sexta-feira após o jantar, e O Mirandês virou também um ótimo ponto de encontro para um drinque, um petisco ou mesmo uma sobremesa.

O bar do restaurante O Mirandês, na Santa Cecília. Foto: Lalai Persson
O bar do restaurante O Mirandês, na Santa Cecília. Foto: Lalai Persson

É lugar para ir mais de uma vez. Eu já me senti em casa, e é assim que eu gosto de me sentir nos lugares que frequento.

O Mirandês
Terça a sexta, das 18 à 0h; sábados, das 14 à 0h e domingos, das 12 às 18h.
Não efetuam reserva.
Rua Canuto do Val, 216, Santa Cecília

*Fixe = mais legal em português brasileiro

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

21 de June, 2019

Share

Apresentado por

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

Comentários

  • O restaurante é ótimo. Mas a lotação desanima quem não tem paciência :)
    - Fábio

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.