Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Bienal de Veneza 2019: incertezas, caos e Banksy!

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

19 de July, 2019

Share

Texto escrito por Cris Piloto

Que estamos vivendo períodos de incerteza, crise e turbulência (não só no Brasil, mas em todo o planeta) todo mundo já sabe. Agora, imagina uma mostra de arte – A mostra de arte mais importante do mundo – trazendo como temática uma alusão a este período sombrio?! Trata-se da 58ª Bienal das Artes de Veneza 2019! Com o título “You May Live in Interesting Times”, o curador americano Ralph Rugoff não pára por aí com a sua ousadia. Essa é a primeira vez que um curador da Bienal de Veneza escolheu trazer apenas artistas ainda vivos.

A exposição de arte é dividida em dois pontos: Os jardins da Bienal (Giradini) e o arsenal de guerra veneziano (Arsenale). Como proposta desta Bienal, o Arsenale abriga obras dos mesmos artistas do Girardini. 80 artistas e 87 pavilhões nacionais compõe o evento, que acontece até novembro em Veneza, norte da Itália.

Bienal de Veneza 2019
Escultura de Martin Puryear para o Pavilhão dos Estados Unidos – foto: Cris Piloto

A Bienal de Veneza traz uma exposição intensa de obras cheias de significados, simbolismos, analogias a tempos modernos, tempos de incerteza e caos. As obras são apresentadas em diversos suportes, mixed media, performances, fora as esculturas, pinturas e experiências sensoriais. Além desses dois locais mais importantes e potentes em termos de lançamento de obras de artes e artistas, a cidade fica repleta de eventos paralelos, exposições particulares nas tantas galerias de arte de Veneza e também manifestações de artistas que ficam fora da mostra, como o ousado Banksy.

No Girardini, logo na entrada, o público é surpreendido pela neblina espessa, uma obra de Lara Favaretto, “Thinking Head”, que já deixa na dúvida se é fumaça, se é neblina ou uma obra de arte.

Dos 80 artistas, o destaque de Leão de Ouro foi para o artista e cineasta Arthur Jaffa, que no Arsenale apresentou uma instalação com rodas enormes acorrentadas, e para o Giradini levou um vídeo “The White Album” (2018), que apresenta imagens do cotidiano de diferenças racistas.

Bienal de Veneza 2019
Instalação de Arthur Jaffa na Bienal de Veneza 2019 – foto: Cris Piloto

Já a dupla Sun Yuan e Peng Yu exibiu a obra “Can’t Help Myself” no Giardini, com uma máquina limpando “sangue” em movimentos coreografados e trejeitos quase humanos. Já no Arsenale, a dupla apresenta “Dear”, uma instalação com uma cadeira similar à do Memorial de Lincoln, em Washington, onde uma mangueira de tempos em tempos solta uma pressão de ar girando numa espécie de dança maluca e agressiva.

Antes de chegar nos pavilhões principais da Bienal, é interessante pensar que o país vencedor do Leão de Ouro deste ano faz parte do roteiro paralelo. O pavilhão da Lituânia recriou uma praia na obra ‘Sun & Sea’. Parece uma ideia simples e sem graça, mas foi justamente a simplicidade do cotidiano que fez o coletivo levar o aclamado prêmio. O júri simpatizou com a performance apresentada pelos artistas Lina Lapelyte, Vaiva Grainyte and Rugile Barzdziukaite, que fazem uma crítica ao lazer e a contemporaneidade dos problemas climáticos, cantada por um grupo de performers e voluntários (o público pode participar todo sábado da performance).

Bienal de Veneza 2019
Pavilhão da Lituânia, vencedor do Leão de Ouro – foto: Cris Piloto

Os pavilhões nacionais mais visitados, comentados e prestigiados do Giardini são: Estados Unidos (com esculturas do badalado artista Martin Puryear); Bélgica, com o título “Mondo Cane” representado pelos artistas Jos de Gruyter e Harald Thys, autodefinido como um museu que expõe a figura humana; Japão, que apresenta os artistas Motoyuki Shitamichi, Taro Yasuno, Toshiaki Ishikura e Fuminori Nousaku, com vídeos de indícios de tsunamis.

O pavilhão do Brasil também é destaque na mostra. Da obras da dupla Bárbara Wagner e Benjamnin de Burca e curadoria de Gabriel Pérez-Barreiro (curador da 33ª Bienal de SP), a obra “Swinguerra” trata da cultura popular brasileira sob o viés do brega, em um filme de 20 minutos que foi comissionado para a mostra. Mas é claro que todos os pavilhões valem a pena serem visitados, estudados e apreciados durante a visita. Vale fazer uma breve pesquisa para entender o que para você faz mais sentido.

Bienal de Veneza 2019
Detalhe da obra ‘Swinguerra’, do Pavilhão do Brasil – foto: Cris Piloto

Veneza é uma ilha que sofre com o turismo de massa: somando os viajantes que chegam de avião, trem e os cruzeiros, a cidade recebe mais de 20 milhões de visitantes ao ano (1,5 vezes a população de São Paulo). Os cruzeiros destoam na paisagem cinematográfica, bucólica, fofa e milenar.

Nesse contexto – de um lado a Bienal de Veneza e do outro um problema sério a ser reorganizado (já que o turismo é também fundamental economicamente para a cidade) – o artista Banksy provocou uma reflexão durante a sua passagem secreta pela cidade. No seu Instagram, Banksy declara: “Apesar de ser o maior e mais prestigiado evento de arte do mundo, por algum motivo, nunca fui convidado.” O artista trollou a Bienal e fez sua própria manifestação contra o turismo de massa em Veneza, e ainda deixou um estêncil muito característico do seu estilo na fachada de um palácio veneziano no Canal Grande, levantando a reflexão sobre denúncia social com a imagem de uma criança imigrante segurando um sinalizador.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Banksy (@banksy) on

Visitar a Bienal de Veneza é um privilégio de mergulhar no universo das artes, aprendendo de forma lúdica o que esses profissionais trazem de leitura do mundo. Vale a pena investigar o contexto do que acontece tanto dentro da mostra como no entorno, já que a cidade é um exemplo vivo de caos e incerteza.

 

*Imagem de destaque: a obra “Can’t Help Myself”, de Sun Yuan e Peng Yu – foto: Cris Piloto


Cris Piloto é carioca, amante do mar e viajante desde criança. Já morou em 3 países, 8 cidades e vive sem residência fixa há quase 2 anos. Fotógrafa e profissional de comunicação, Cris deixou uma carreira corporativa em TV e cinema no Rio de Janeiro para estudar artes na Itália, onde vive atualmente. Faz fotos de viajantes do mundo todo e também desenvolve seu projeto de inovação o social através das artes.

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

19 de July, 2019

Share

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.