De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Já estamos com saudades do Dekmantel 2018

Quem escreveu

Tava Passando

Data

09 de March, 2018

Share

Como melhorar um festival que, logo na estreia no ano passado, elevou o nível dos eventos musicais brasileiros a outro patamar? Este era o desafio da segunda edição do festival holandês Dekmantel, que rolou no final de semana passado, no antigo Playcenter. Para começar, esta nova locação foi uma acertada escolha, pois o espaço é rodeado de verde por todos os lados, tão amplo que o som dos palcos raramente vazava de um para o outro e bateu a nostalgia em quem pôde aproveitar o parque enquanto ele existia. Somado a isso, a já celebrada curadoria do festival, que inundou o Playcenter com alguns dos melhores e mais festejados DJs – brasileiros ou gringos – que durante as mais de 24 horas somadas de som levaram o público presente para uma jornada rumo ao delírio e êxtase coletivo. Vamos relembrar alguns dos pontos altos desta segunda edição do Dekmantel?

O sábado começou quente, mas lá pelo meio da tarde a chuva deu uma boa refrescada e não assustou quem estava nas 5 pistas distribuídas pelo espaço. Logo que se entrava no parque desativado, o imenso palco principal se destacava, com uma cenografia um tanto quanto simples porém muito eficiente, projetando luzes coloridas na plateia. Por lá passou uma sequência incrível de DJs, começando com o brasileiro Davis, a empolgadíssima Peggy Gou e toda sua simpatia e maestria na seleção de faixas, um Midland moendo house music como se não houvesse amanhã, seguido do Mano Le Tough e fechando com a grande atração da noite, os alemães do Modeselektor guiando o público por uma viagem que teve até Frank Ocean e “Born Slipply“, clássico clubber do Underworld!

Apesar disso tudo, estava difícil sair do palco “escondido” do festival, o Selectors. A musa Lena Wilikens, tocando junto com o parça Vladimir Ivkovic (foto abaixo), não dava descanso e mandava pedradas uma atrás da outra, sempre de óculos escuros e cigarro no canto da boca. A mistura proposta pela dupla foi arrasadora, que se refletiu na pista, cheia do começo ao fim do set.

lena-willikens-vladimir-ivkovic-please-credit-ariel-martini
Foto: Ariel Martini

O palco do donos da bola também viu uma variedade musical singular. Pelo Gop Tun passaram os shows dos brasileiros Maria Rita Stumpf e a simpatia de Marcos Valle, ambos tocando para uma plateia bastante jovem. Outros destaques foram o Carrot Green – fechando o set com balada açucarada do Aerosmith – e o nosso querido Palms Trax, que sobe o nível a cada ano que passa. Queremos o chapa no palco principal no ano que vem!

O UFO foi o palco dos “lenhadores”, com programação dedicada principalmente ao techno. Por lá passaram o Tessuto e a Cashu, com sets dinâmicos e de alta combustão, a mão pesada – no bom sentido – do Randomer e o arregaço do DJ Stingray (foto abaixo), que mostrou que as bases do techno como conhecemos hoje nasceu mesmo do electro old school de Detroit.

dj-stingray-please-credit-gabriel-quinta%cc%83o
Foto: Gabriel Quintão

O domingo foi tão antológico que vai ser difícil sair da memória de quem estava no Playcenter. Não é para menos, dois dos melhores sets do festival foram no segundo dia, com um Four Tet (foto abaixo) debulhando tudo – mesmo com problemas técnicos no começo – até quando tocava hits da Selena Gomez, e a sempre elegante Nina Kraviz passando como um trator por cima dos quadris do público.

four-tet-please-credit-gabriel-quinta%cc%83o
Foto: Gabriel Quintão

O palco Selectors repetiu a dose do dia anterior e permaneceu cheio durante boa parte das discotecagens, com destaque para os holandeses do Dekmantel Soundsystem e da maravilhosa Jayda G (foto abaixo), que mandou funk, soul e disco como uma veterana das pistas, dominando o público com sua energia contagiante.

jayda-g-please-credit-gabriel-quinta%cc%83o
Foto: Gabriel Quintão

Também tivemos shows propriamente ditos no domingo, com os mestres do Azymuth muito à vontade acompanhados do DJ Nuts e a dupla Os Mulheres Negras mostrando sua música “esquisita” para um público no mínimo interessado que encheu o espaço do palco Gop Tun. Por lá também se apresentou um empolgado Floating Points, com set dominado pela house music purinha e muita disco. Vale destacar também o incrível Joutro Mundo, que tocou no palco Na Manteiga e segurou a galera por um bom tempo, mesmo disputando espaço com outras atrações mais experientes.

Com tanta gente foda no lineup, o cuidado extremo no conforto do público e a vibe tão boa, temos certeza que o Dekmantel tem um longo caminho de sucesso pela frente. Serve de exemplo para todos os festivais do Brasil de como tratar bem quem paga (caro) pelo ingresso e por atrações tão incríveis. Foi foda!

P.S.: Como rodamos o festival de ponta a ponta por muitas vezes, não sobrou gás para os afters, tanto de sábado como domingo, mas os relatos nos contam que a Lena Wilikens solo, o grande back to back do Palms Trax com a Courtesey e o Mano Le Tough e a dupla Floating Points + Four Tet foram excelentes e deixaram a galera em transe! Se arrependimento matasse…

atmosphere-1-please-credit-ariel-martini
Foto: Ariel Martini
Foto da capa: Ariel Martini

Quem escreveu

Tava Passando

Data

09 de March, 2018

Share

Tava Passando

Tavapassando e cliquei. Danilo Cabral e Flavia Lacerda registram seu dia a dia e todos os lugares por onde estão passando, em um mini-guia de shows, restaurantes, ruas e pixos no Instagram.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.