De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Fim de semana em Xangai 上海

Data

20 de July, 2018

Share

Aqui na China, nós estrangeiros somos obrigados a seguir bem direitinho as leis para expatriados. Isso inclui ter seu visto em dia (claro), e também que provavelmente se você está por aqui em Qingdao, vai precisar dar um pulinho em Xangai (ou Pequim) para renovar seu visto e deixar seu passaporte em dia.

Aconteceu de termos que ir (claro que adorei) e acho que vale um post para contar o que deu pra ver em um final de semana lá em minha primeira vez em Xangai.

A skyline de Xangai vista do Bund.

Primeiro de tudo, em Xangai você vai a todos os lugares de metrô, ônibus ou ferry boat. O metrô pode ser a melhor opção, já que o trânsito por lá é realmente intenso, o que torna uma visita mais curtinha, essencialmente otimizada por ele. Compramos um cartão que dá para usar em todos os meios de transporte e custa 20 CNY (cerca de R$ 12) para adquirir (tipo os cartões de metrô recarregáveis que temos no Brasil), você carrega com quantos créditos quiser. Para os três dias que ficamos, colocamos 30 CNY de crédito em cada e andamos de metrô todos os dias para todos os lugares. Os valores de cada trajeto variam dependendo do local onde você vai descer. Você compra na bilheteria do próprio metrô mesmo, podendo recarregá-lo na máquina depois, ou, através de aplicativo no celular. Aqui na China, aliás, seu grande aliado é o celular! Ele é seu banco, inclusive. Ande com ele carregado, leve um powerbank sempre contigo para garantir a bateria extra.

Baixei o app do Trip Advisor no celular e ele foi bem útil nessa correria, principalmente para pegar os endereços corretos dos locais que a gente queria ir. Não sei se é o app ideal para a China, mas na urgência, foi o que consegui lembrar e usar.

Jing’an Temple

Uma panorâmica do Templo Jing’an.

Na sexta-feira, como estávamos em função do visto, só conseguimos ser liberados à tarde. Conseguimos, apesar da chuva, visitar o Jing’an Temple. O templo fica bem no meio da cidade (com uma saída de metrô grudada nele), contrastando com a confusão e correria típicas de uma cidade grande. Apesar da chuva, foi um passeio e tanto. Até foi bom estar chovendo, pois estava vazio e as fotos ficaram ótimas! Lindíssimo e de cair o queixo, você pode percorrer todos os cantinhos do templo, esbarrando com os monges no meio do caminho. Chegamos em cima da hora para fechar mas conseguimos ver tudo, o que deu em torno de uma hora. Você paga o ingresso que custa 50 CNY (cerca de R$25) cada. É um ótimo tema para suas fotos que ficarão lindíssimas e para desacelerar um pouco da viagem.

Eu e Kuan Yin no Templo Jing’an. <3
O contraste do Templo com a moderna Xangai, impressiona!

Museu da Ciência e Tecnologia

Museu da Ciência e Tecnologia de Xangai.

Começamos o sábado com um passeio que na minha opinião, é mais pra crianças que qualquer coisa, no Museu de Ciência e Tecnologia de Xangai. Ali, a gente vê um cenário montado com bichos empalhados (que eu fico com muita dó e esquisitice de ver, confesso),  um espaço explicando os robôs, a história do universo, essas coisas de museu de ciências.  O lugar é lindo, mas o conteúdo é bem lúdico. Eu pessoalmente acho que perdemos muito tempo ali, meu marido curtiu (alma de criança), então tudo bem, né? Foi bom por um lado, porque estava chovendo desde que chegamos na cidade e deu tempo de estiar e conseguirmos sair já com menos chuva dali.

Bichos empalhados? Sim, temos.

O museu custa 60 CNY (cerca de R$30 a entrada). Minha sugestão é ir se você estiver com crianças. Senão, pule! Vale pela arquitetura, a vista, e o fake market que tem ali na estação do metrô.

Embaixo, na estação do metrô que dá na entrada por onde chegamos ao Museu, tem um Fake Market (o AP Plaza). Pode ser interessante para quem quiser aproveitar para algumas compras. Nós não estávamos nessa pilha, então só vimos por alto e seguimos para nosso passeio. Todas as marcas e suas devidas cópias estão disponíveis por um excelente preço. Não sou nada a favor de pirataria, mas na verdade, o negócio aqui é bem mais escancarado que no Brasil. Fica difícil resistir às tentações se você tiver um bichinho consumista adormecido aí dentro. A gente acaba comprando alguma coisa, SIM, mais cedo ou mais tarde. Nem que seja um chaveirinho, mas compra.

Tianzifang

A muvuca aqui é real! Uma selfie sozinha aqui é quase impossível!

Seguimos o passeio  para Tianzifang (saída metrô Dapuqiao) uma vila antiga charmosíssima cheia de ruelas com lojas antenadas, bares, comidinhas e souvenirs. É super cheio, muito turista (chinês e estrangeiro), mas vale muito a pena. Dá para se embrenhar por ali e ir fazendo suas compras em lojinhas escondidas cheias de produtos originais (artesanato, lenços de seda, camisetas com estampas legais e outros), rodeadas por uma arquitetura antiga e preservada. Aqui você tem um gostinho da China moderna, mas que ainda guarda seus mistérios. Imperdível!

Bares e lojinhas muito charmosos fazem parte da paisagem em Tianzifang. (Foto: Maria Claudia Pompeo).
A vibe da Tianzifang é essa. Muitos lugares escondidinhos e surpreendentes.

New York Style Steak & Burger

Tanta andança dá fome! Se der e estiver por Tianzifang, aproveite para comer hambúrguer no New York Style Steak & Burger. Você vai curtir um hambúrguer de angus, que é maravilhoso! Sério, não tem erro. É em um daqueles becos, se você se perder, o Trip Advisor ajuda a achar. Comi o Mushroom Swiss, com queijo suíço e cogumelos, que estava divino (66 CNY – cerca de R$ 37). Valeu cada centavo e deu uma forrada boa para os próximos passeios.

Esse aí foi o do meu marido. Ele aprovou. Na verdade, o meu não era tão fotogênico, mas também não pecava em nada.

New York Style Steak & Burger
Dapuqiao, Huangpu, Shangai

Old Town (Nanshi)

Olhe para cima e veja essa lindeza! Para baixo, lojinhas e restaurantes.

Para o turistão que quer se jogar mesmo, nada melhor que passear na China com aquela arquitetura antiga de fundo de paisagem para as nossas milhares de fotinhos e selfies, não é mesmo? Eu adoro! Então, a dica é ir até a Old Town em Nanshi, curtir um passeio a pé, entre aquelas construções de arquitetura chinesa antiga, comer umas coisas, comprar outras. Aliás, falando em comprar, aqui vai aparecer para você a famosa mocinha que te aborda e oferece ir para a casa de chá. Na verdade, não sei bem se foi isso mesmo, mas recusamos todas as abordagens, da casa de chá (procure por esse golpe na China, sim, aqui tem golpes também, apesar de ser o país mais seguro que já estive), até a “oferta” de bolsas e relógios (falsos). Lá tem uma famosa casa de chá, a Huxinting Teahouse, e um templo. Não chegamos a entrar neles. Passeamos nos arredores, tiramos várias fotos e pronto. Não sei se foi o tempo corrido, mas achei aqui turistão demais, sem muita coisa que me desse vontade de explorar. Talvez em outro momento eu indo com mais calma, me aventure mais por aqui.

O clima da Old Town é bem turístico. Comércio bombando!
Parece pintura, mas é foto mesmo. Aqui, a Huxinting Teahouse,  aquele ali atrás é o maior prédio de Xangai, O Xangai Tower. Adoro esse contraste velho versus novo!

The Bund

Foto tirada da muretinha do Bund, que dá para ver a Torre de Pérola (Pearl Tower), o Xangai Tower e as muitas luzes.

Se você não foi ao The Bund  que fica no distrito de Huangpu, você não pode dizer que foi a Xangai. É dali, daquela beirada, que a gente vislumbra a cidade mágica de Xangai, do outro lado do rio. Demos sorte, escolhemos meio sem querer esse lugar por último e conseguimos um visual de tirar o fôlego bem na hora do pôr-do-sol. Arruma um lugarzinho na grade e aprecie a vista! Ferry boats e barcos tipo reboque, passeiam para lá e para cá nas águas, os prédios vão acendendo suas luzes coloridas e tudo fica muito mais mágico nesse momento. <3 Foi ali que Xangai me conquistou de vez.

O espaço na grade é disputado. Se arrumar um, fica ali até enjoar. (Foto: Pedro P. Felix)

Xin Tian Di

O charme de Xin Tian Di são os muitos bares e restaurantes.

No domingo, tínhamos pouco tempo até o nosso voo de volta a Qingdao, por isso, resolvemos visitar uma região que me foi bastante indicada. Xin Tian Di é o que podemos rotular de local phyno. As marcas famosas dividem espaço nos arredores com marcas independentes, pequenas lojas com produtos originais, além de um espaço lindo a céu aberto com diversos restaurantes e bares. Se você gosta de moda, de gastronomia e principalmente, de drinks, esse lugar é a dica.

Uma área do bairro que tem um shopping pequeno e algumas vitrines bapho.
Moda bem chinesinha, com direito a laço no cabelo, muito tule e babados.

Acredito que aqui tenha mais apelo mesmo à noite, onde deve rolar o fervo. De dia vimos muitos turistas, claro, mas não deu para sentir o que é Xin Tian Di de fato, que me parece ser um lugar muito boêmio pela qualidade dos bares e restaurantes ali.

O restaurante de tapas Estado Puro, foi o nosso mini almoço antes de partir.

Escolhemos um restaurante espanhol chamado Estado Puro para saborear umas tapas e uma cervejinha de leve (os preços aqui são bem mais salgados do que estamos acostumados na China), mas valeu. Comidinha gostosa e fresca como as tapas de frutos do mar devem ser.

Legal também é olhar as vitrines maravilhosas. Meus passeios sempre incluem isso, porque quero me informar como pesquisadora sobre o que está rolando na moda e assim, acumular pesquisas de varejo e tendências. Amo todas, desde as independentes, às mais famosas como Vera Wang (noivas deslumbrantes).

Xangai me surpreendeu demais nesses três dias corridos, mas cheios de lugares incríveis. Se eu voltaria? Genteeee, eu moraria lá, feliz da vida! Xangai respira arte, cultura, ryquezah, tudo que a gente ama!

Ate o próximo post!

Xièxiè! 谢谢! 再见!

Data

20 de July, 2018

Share

Maria Claudia Pompeo

Maria Claudia Pompeo é carioca, consultora de moda para marcas e pessoas e produz conteúdo de moda e comportamento online há 15 anos. Coleciona revistas de moda e sofre quando tem que se desfazer de algumas, por pura falta de espaço. Viciada em internet desde os primórdios, teve inúmeros blogs e colaborou com algumas revistas online. Atualmente escreve sobre moda e tendências na sua página e faz a curadoria de suas pesquisas de imagem e comportamento no Instagram - @mcpompeo. Site: facebook.com/mcpompeoconsultoria

Ver todos os posts

Comentários

  • Adorei, deu vontade de conhecer.
    - Misael Souza
  • Arrasou minha filha. Babei na camisa ao ler e ver seu relatório pois não encontrei meu babador
    - Cláudio Vasconcellos
    • Saudades, pai! Obrigada pela visita aqui no canal! <3
      - Maria Claudia Pompeo

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.