Festival Path: o melhor da programação musical

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

18 de May, 2018

Share

Patrocínio

O Festival PATH chega a sua sexta edição neste final de semana em São Paulo e conta com uma programação recheada de gente inspiradora e temas bem variados, que passam pelas tendências em inúmeras áreas como educação, economia, gênero, mindfulness. Mas cada vez mais o festival abre espaço para discutir e reunir agentes transformadores da música. Então, quem gosta não apenas de ouvir mas também explorar a criatividade musical, é ou quer ser um profissional do mercado da música, ou simplesmente deseja sair da sua zona de conforto e saber mais como funciona essa indústria e o que ela tem a ver com neurociência, representatividade, e consumo, todos os seus caminhos, com o perdão do trocadilho, te levam ao PATH.

A seguir destacamos alguns desses conteúdos para ajudar a diminuir (ou aumentar, sorry) o FOMO de quem curte o universo musical.

Para ampliar horizontes

A forma como consumimos música mudou, e muito. Com mais de 30 milhões a um clique de distância, ela nunca foi tão fácil e abundante. Trocamos álbuns por playlists, devoção de um artista por um single, estilo musical por moods. Todas essas mudanças impactaram  o processo criativo dos artistas, que precisam chegar em novas soluções para lançar suas obras e repensar velhos formatos. Para essa discussão que parece não ter fim, Kátia Abreu, diretora do Dia da Música, o músico Lucas Santtana e Rodrigo Gorky, produtor musical de Pabllo Vittar e Brabo Music participam da mesa O Impacto da nova forma de consumo de música no processo dos artistas’.

festival path, música, bombay sapphire
Rodrigo Gorky. Divulgação Path.

Por falar em criatividade, o campo da neurociência traz estudos avançados sobre os estímulos que o cérebro recebe ao escutar determinados tipos de música, auxiliando na cura de doenças como Mal de Alzheimer e Parkinson. Também nos ajuda a descobrir de onde vêm novas ideias e a hackear processos mentais para melhorar desempenhos. Na palestra Um papo sobre música, neurociência e criatividade’, a professora e pianista Patrícia Vanzella discute com o docente do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ Marcos Nogueira e o Psicólogo e cientista comportamental Hernando Neves Filho os processos mentais envolvidos na criação musical, e como a neurociência pode ser útil como ferramenta na criação artística.

Outra  palestra que une temas transversais é Fora do palco: como artistas e festivais podem expandir seus formatos musicais’, onde o curador e idealizador do Festival Novas Frequências Chico Dub conduz o papo com a artista Luisa Puterman e o curador do Red Bull Station Fernando Velazquez, para discutirem como a música experimental, a arte sonora e a relação do som com a arte contemporânea permitem aos artistas ampliarem os seus horizontes e práticas artísticas, expandindo as possibilidades do palco e casa de shows para performances, workshops, instalações, site-specific entre outras ações multimeios.

festival path, música, bombay sapphire
Luisa Puterman

A importância do audiovisual na carreira de um artista é inegável, mas a cada dia que passa nos deparamos com exemplos (beijo pro Childish Gambino) poderosos e ferramentas que facilitam o consumo visual da música, que nos instiga a questionar se estamos consumindo músicas ou imagens sonoras. Para aprofundar esse papo, Rincon Sapiência troca uma idéia com os diretores Gabi Jacob e Fred Ouro Preto sobre novos formatos e o melhor caminho para artistas e diretores produzirem um vídeo de qualidade. Imperdível.

festival path, música, bombay sapphire
Rincon Sapiência – Foto: Rafael Arbex / Estadão

Em As novas formas de crítica musical’, o vídeo também é o protagonista do papo com mediação do jornalista do Estadão e criador do Tem Um Gato na Minha Vitrola no Stories do Instagram Pedro Antunes, que troca uma ideia com Luiz Thunderbird, ex-VJ da MTV e apresentador do Music Thunder Video, e Flora Miguel do canal Um Vlog de Música, ambos no Youtube, para discutir sobre processo criativo, criação de audiência, futuro desses formatos e o impacto das iniciativas para o cenário musical. Papo importantíssimo, afinal, você lembra a última vez que leu uma crítica musical?

Para inspirar

O tema principal do PATH desse ano é Idéias que trocam idéias. Alguns talks sobre música dessa edição ajudam a desmistificar processos, movimentos e tendências. Uma espécie de how to que inspira a abrir novos horizontes para nossos universos particulares.

Um sonho comum para quem trabalha nesse universo musical, curar um festival parece ser o melhor trabalho do mundo. Mas já pensou em todo o caminho percorrido por um curador de um festival de música até fechar o lineup final? Em Libera o lineup! Como funciona a curadoria de festivais’, Anna Penteado, idealizadora do Vento Festival e Gabriel Junqueira de Andrade, do Coala, falam com a comunicadora e produtora do Festival Faro Fabiane Pereira sobre a linha curatorial de seus festivais, o processo criativo por trás das escolhas e dificuldades de fechar a escalação perfeita. Uma boa oportunidade de entender por que aquele seu artista gringo favorito nunca vem ao Brasil.

festival path, música, bombay sapphire
Anna Penteado – Foto: Felipe Gabriel

Outra pauta que necessita mais diálogo e ação no meio musical é a relação das marcas com os artistas. Apesar da grande mudança pela qual a indústria da música passou nos últimos anos, a forma como muitas marcas estão buscando se associar a artistas parece não seguir a lógica desse novo momento. Em Marcas & Artistas: pra quem essa parceria vale ouro?’, Rafael Achutti do Bananas Music Branding conversa com Fernanda Paiva, gestora do Natura Musical, e a cantora Ana Vilela. Palestra altamente recomendada para profissionais da área de marketing e agências entenderem melhor as necessidades reais dos artistas, e como construir uma relação verdadeira e sustentável com os artistas e o ecossistema da música.

festival path, música, bombay sapphire
Ana Vilela. Divulgação Path.

Os estilos musicais mais amados do TOP10 atual marcam presença com talks específicos sobre os seus universos. Em Como funciona o ecossistema do funk e por que ele incomoda tanto?’, o jornalista GG Albuquerque conversa com o editor-chefe do Portal KondZilla Renato Martins e a idealizadora da festa Batekoo e Diretora da Frente Nacional de Mulheres no Funk Renata Prado, para discutirem como funciona o ecossistema de quem cria e vive um dos estilos musicais mais originais e consumidos, e ao mesmo tempo mais marginalizados do país. A música latina também tem um talk para chamar de seu com A ascensão da música latina no Brasil e porque isso está acontecendo agora’, mediado pela doutora em sociologia e pesquisadora Dani Ribas, que conversa com Hernan Halak, produtor do Festival MUCHO, e o músico Pedro Bandera, sobre como pouco a pouco o público e os artistas brasileiros estão voltando seus olhos e ouvidos para a América Latina, quais as iniciativas que ajudam os artistas brasileiros a circularem e, é claro, saber porque essa mudança cultural está acontecendo agora.

festival path, música, bombay sapphire
Renata Prado

Para se engajar

Música é comunicação. Ela nos ajuda a sentir melhor algumas coisas, a dizer melhor outras e a descrever momentos históricos. É pelo posicionamento de artistas que questões sociais podem tomar outras proporções. Nos últimos anos, a cena LGBT ganhou força no Brasil e seus representantes estão moldando uma nova cena não só musical, mas de debate de várias questões urgentes da sociedade, se tornando uma forte ferramenta de responsabilidade social e visibilidade. Na mesa A música como ferramenta de discussão de gênero e responsabilidade social’, as cantoras Aíla e Luana Hansen discutem qual é a real responsabilidade social da música, quais artistas estão trabalhando na discussão de gênero em seus trabalhos, e como a música ajuda a dar visibilidade e ajuda a debater questões.

festival path, música, bombay sapphire
Aíla (Divulgação Path)

Outra velha discussão em festivais, rodas de conversa e na timeline mais próxima há um bom tempo, é a presença das mulheres na música. E nada mais chato do que talks que se resumem em falar mal dos homens e lamuriar poucas oportunidades. O talk As cenas musicais no Brasil a partir de uma perspectiva feminina’ não é um painel sobre mulheres na música, e sim sobre o que está acontecendo nas cenas da música eletrônica, reggae/soundsystem e rock a partir de uma perspectiva feminina, e as iniciativas criadas para dar visibilidade a mulheres nesse gênero. É pra ouvir gente que faz, com mediação da jornalista e idealizadora do Womens Music Event, Claudia Assef, a cantora Laylah Arruda do coletivo Feminine Hi-Fi e Jéssica Pauline do coletivo Bandida.

festival path, música, bombay sapphire
Laylah Arruda (divulgação Path)

Peraí que tem mais

A programação de shows também está imperdível. No espaço Bombay Sapphire Stir Creativity, a marca de gin faz uma mistura sinestésica de artes, sabores e música, com shows de Plutão já foi planeta, Luiza Liam, Tono. Outros destaques são Otto cantando Martinho da Vila, a revelação baiana Luedji Luna, Dona Onete, Luiza Lian, Rubel, Giovani Cidreira, Quinho cantando Marina Lima, Tagua Tagua, Castelo Branco, Mari Romano, Pássaro Vadio e muito mais. E o melhor: o acesso aos shows é gratuito :)

 

Por Juli Baldi, diretora criativa do Bananas Music Branding, Jornalista e atualmente nomade digital viajando pelo velho mundo.

Quem escreveu

Chicken or Pasta

Data

18 de May, 2018

Share

Patrocínio

Chicken or Pasta

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.