De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

Dicas para fazer a Travessia Petrópolis - Teresópolis

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

24 de August, 2018

Share

Se você curte trekking, certamente quer dicas para a travessia Petrópolis-Teresópolis, na Serra dos Orgãos – vulgo Petrô-Terê. Os cerca de 30km que unem as cidades fluminenses são normalmente percorridos em três dias. Conheço algumas pessoas que já fizeram em um ou dois – levar somente uma mochilinha, sem dúvida, alivia o esforço – mas só recomendo para quem seja super-ultra-safo, tenha bom preparo físico, esteja costumado a fazer travessias e conhece bem seu equipamento.

O Fit happens te dá algumas dicas para fazer de boa, e curtir cada quilômetro da travessia Petrópolis-Teresópolis em três dias.

Dá pra fazer no sentido inverso?

Dar, até dá, mas não é recomendável. A paisagem é mais bonita no sentido Petrópolis-Teresópolis, já que as montanhas ficam de frente para você. E, principalmente, saindo de Teresópolis alguns trechos são beeem complicados.

Recomendo curtir com calma os três dias na travessia da seguinte forma: passar a primeira noite no abrigo ou no camping localizado nos Castelos do Açu, e a segunda, no abrigo ou no camping na Pedra do Sino.

Quando ir?

No inverno, de junho a setembro, quando as chuvas são raras e o céu está mais limpo.

Travessia Petrópolis-Teresópolis
Travessia Petrópolis-Teresópolis (foto: Pixabay.com)

Como chegar

O acesso é pela portaria no Vale do Bonfim, em Petrópolis (precisamente, em Correias). É necessário se registar na entrada do Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

Para chegar lá existem duas opções: ou você vai de ônibus e encara pacientemente as baldeações, ou contrata um serviço completo de guia, que inclui transporte de ida e de volta. Desnecessário dizer: se estiver sozinho e não conhecer bem o caminho, opte pela segunda alternativa.

De ônibus, saindo do Rio:

Etapa 1 -> Na Rodoviária Novo Rio pegue um ônibus para Petrópolis.

Etapa 2 -> Em Petrópolis, pegue o ônibus que vai para o Terminal Correias.

Etapa 3 -> Ao chegar no Terminal Correias, pegar o ônibus 611 (linha Bonfim) e pedir para o motorista te deixar “na entrada pro parque”. Desça ao lado de uma mini distribuidora de legumes (!) e pegue a estrada de terra em frente. A portaria de Bonfim se encontra a uns cinco minutos de caminhada.

Como faz no final?

Você pode pedir um táxi local até a rodoviária de Terê. De lá, pegue um ônibus para o Rio.

Como?

Você vai precisar de: um guia, um bom equipamento, comprar seus ingressos e reservar antecipadamente abrigo ou camping no site do parque.

Da portaria do Bonfim até o início do Chapadão, o caminho é bem intuitivo. Do início do Chapadão até os Castelos do Açu, já é preciso ter atenção às setas reflexivas no chão.

Dos Castelos do Açu em diante, o caminho não tem mais sinalização e começa a ser duvidoso. Além disso, a região possui um clima extremamente instável. A qualquer hora pode cair uma tempestade ou aparecer um nevoeiro que impeça enxergar além de um palmo de distância. Por isso, é imprescindível ir com um guia credenciado ou com alguém que já tenha muita experiência nessa travessia.

O trajeto é bem detalhado no site oficial.

Pedra do Sino, travessia Petrópolis-Teresópolis
Pedra do Sino (foto: Luciana Guilliod)

O que levar?

Se você está pensando em fazer a travessia Petrô-Terê, provavelmente já deve ter alguma experiência com trilhas de longa duração e familiaridade com equipamentos como mochilas técnicas, água e comida.

Saco de dormir – Essencial. Ainda que fique no abrigo, não pense que vai encontrar um serviço de cama e banho. Lá tem apenas um beliche com colchonete e o resto é por sua conta. Para garantir uma noite aquecida e com conforto, leve um saco de dormir que suporte temperaturas baixas.

Roupas tipo segunda-pele, cachecol, luvas e gorro – Para suportar as temperaturas mais baixas durante à noite ou madrugada.

Fogareiro e utensílios  Os abrigos têm cozinha, mas nem sempre há gás à disposição. É de praxe que se use o próprio material para fazer comida. Ah, e lá também se leva embora o lixo produzido (latinhas, vidros, etc.) então pense bem no que levar, porque você não vai se livrar do peso tão facilmente.

Água – Tenha sempre uma reserva suficiente para esquentar uma refeição em mãos, porque às vezes a estação é tão seca que falta água nos abrigos. Leve pastilhas purificadoras de água para clorar a água das nascentes do caminho.

O que é imperdível?

Assistir ao nascer do Sol nos Portais de Hércules. Para chegar lá, é preciso sair de madrugada do abrigo dos Castelos de Açu.

*Foto do destaque: Serra dos Órgãos – Pixabay.com

50 Off 728x90

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

24 de August, 2018

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

Comentários

  • boas dicas. ja fiz petro - tere de carro. lindo!
    - Regina Vilma Guilliod
  • boas dicas. ja fiz petro - tere de carro. lindo!
    - Regina Vilma Guilliod

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.