5 lugares que só poderiam existir na Islândia

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2018

Share

A Islândia é um lugar mágico: não tem uma pessoa que vá para lá e não volte encantado e morrendo de amores pelo país. Tudo é muito único por lá: a paisagem, as pessoas, o tempo, o país é pequeno, mas a personalidade é gigante. É por isso que existem coisas que vemos e pensamos que só poderiam ter sido criadas ali, é impossível não reconhecer o país nelas. Por isso também que esses 5 locais tem a cara da Islândia.

Museu do Punk

The Punk Museum
Foto: Reprodução

Ok, um museu do punk não é nada tão inédito assim, já existe um em Los Angeles e outro dedicado aos Ramones em Berlim. Porém, o Pönksafn Íslands em Reykjavik é especial porque está localizado no que eram banheiros públicos subterrâneos no centro da cidade – existe algo mais punk que isso? O museu abriu em 2016 e quem apareceu para a inauguração foi o Joãozinho Podre, John Lydon, ex-Sex Pistols. O local conta a história da cena punk na Islândia nos anos 80 que, aliás, é responsável por influenciar gente como Björk e a banda Sigur Rós.

Pönksafn Íslands
Bankastræti 2, Reykjavík
Aberto de segunda a sexta, das 10h às 22h; aos sábados e domingos, das 12h às 22h

Museu Falológico

Museu Falologico
Foto: Reprodução

Sim, é isso mesmo que você está pensando: um museu dedicado ao falo. Por lá é possível achar mais de 250 pênis – ou partes penianas – pertencentes a quase todos mamíferos terrestres e aquáticos encontrados no país. Tem itens pertencentes a 17 tipos de baleia, de urso polar, focas e por aí vai. E se sua pergunta é se o museu tem pênis humano: eles receberam 4 amostras legalmente certificadas.

Museu Falológico da Islândia
Laugavegur 116, Reykjavík
Todos os dias, das 10h às 18h

Escola dos Elfos

54% dos islandeses acreditam em elfos. Isso mesmo, você não leu errado: mais da metade do país. Para entender de onde vem essa história, a escola de elfos – que existe há 30 anos – ensina tudo o que há para saber sobre elfos, as pessoas escondidas, gnomos, fadas, espíritos das montanhas e etc. O curso tem duração de 3 a 4 horas e, junto com o pagamento, o aluno tem direito a uma apostila, chá, café, pão, bolo, e um certificado no final do curso.

Escola dos Elfos
Sidumuli 31, (2nd floor), Reykjavík

Museu do Monstro Marinho

Sea Monster Museum
Foto: reprodução

Assim como os elfos, os monstros marinhos estão presentes na história islandesa desde o começo dos tempos. O museu coleciona histórias, imagens e vídeos, provenientes de testemunhas ou de estudos acadêmicos. Eles ainda têm uma seção multimídia com uma construção interativa inédita na Islândia.

Museu do Monstro Marinho
Bildudalur
Não funciona o ano todo, normalmente no verão. Checar horários no site quando for.

Biblioteca da Água

A Biblioteca da Água ocupa uma antiga biblioteca na cidade de Stykkishólmur e é um projeto a longo prazo do artista Roni Horn. Encontramos 3 projetos por lá: o Water, Selected, composto por 24 colunas preenchidas com água retirada das principais geleiras do país, que refratam e refletem luz com palavras relacionadas ao tempo; O To place and listem to a selection of people talkink about the weather, uma coleção de livros com entrevistas feitas pelo escritor Oddny Eir Ævarsdóttir, seu irmão e seu pai; por último, o subsolo do lugar é um estúdio privado que recebe autores convidados todo ano.

Biblioteca da Água
Bókhlöðustígur 19, Stykkishólmur
No verão abre diariamente das 11h às 17h; No inverno, fecha aos domingos e segundas

* Foto de capa: Rob Bye / Unsplash

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2018

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.