De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

SP24hrs

Porque para amar São Paulo não é preciso firulas.

5 lugares que só poderiam existir na Islândia

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2018

Share

A Islândia é um lugar mágico: não tem uma pessoa que vá para lá e não volte encantado e morrendo de amores pelo país. Tudo é muito único por lá: a paisagem, as pessoas, o tempo, o país é pequeno, mas a personalidade é gigante. É por isso que existem coisas que vemos e pensamos que só poderiam ter sido criadas ali, é impossível não reconhecer o país nelas. Por isso também que esses 5 locais tem a cara da Islândia.

Museu do Punk

The Punk Museum
Foto: Reprodução

Ok, um museu do punk não é nada tão inédito assim, já existe um em Los Angeles e outro dedicado aos Ramones em Berlim. Porém, o Pönksafn Íslands em Reykjavik é especial porque está localizado no que eram banheiros públicos subterrâneos no centro da cidade – existe algo mais punk que isso? O museu abriu em 2016 e quem apareceu para a inauguração foi o Joãozinho Podre, John Lydon, ex-Sex Pistols. O local conta a história da cena punk na Islândia nos anos 80 que, aliás, é responsável por influenciar gente como Björk e a banda Sigur Rós.

Pönksafn Íslands
Bankastræti 2, Reykjavík
Aberto de segunda a sexta, das 10h às 22h; aos sábados e domingos, das 12h às 22h

Museu Falológico

Museu Falologico
Foto: Reprodução

Sim, é isso mesmo que você está pensando: um museu dedicado ao falo. Por lá é possível achar mais de 250 pênis – ou partes penianas – pertencentes a quase todos mamíferos terrestres e aquáticos encontrados no país. Tem itens pertencentes a 17 tipos de baleia, de urso polar, focas e por aí vai. E se sua pergunta é se o museu tem pênis humano: eles receberam 4 amostras legalmente certificadas.

Museu Falológico da Islândia
Laugavegur 116, Reykjavík
Todos os dias, das 10h às 18h

Escola dos Elfos

54% dos islandeses acreditam em elfos. Isso mesmo, você não leu errado: mais da metade do país. Para entender de onde vem essa história, a escola de elfos – que existe há 30 anos – ensina tudo o que há para saber sobre elfos, as pessoas escondidas, gnomos, fadas, espíritos das montanhas e etc. O curso tem duração de 3 a 4 horas e, junto com o pagamento, o aluno tem direito a uma apostila, chá, café, pão, bolo, e um certificado no final do curso.

Escola dos Elfos
Sidumuli 31, (2nd floor), Reykjavík

Museu do Monstro Marinho

Sea Monster Museum
Foto: reprodução

Assim como os elfos, os monstros marinhos estão presentes na história islandesa desde o começo dos tempos. O museu coleciona histórias, imagens e vídeos, provenientes de testemunhas ou de estudos acadêmicos. Eles ainda têm uma seção multimídia com uma construção interativa inédita na Islândia.

Museu do Monstro Marinho
Bildudalur
Não funciona o ano todo, normalmente no verão. Checar horários no site quando for.

Biblioteca da Água

A Biblioteca da Água ocupa uma antiga biblioteca na cidade de Stykkishólmur e é um projeto a longo prazo do artista Roni Horn. Encontramos 3 projetos por lá: o Water, Selected, composto por 24 colunas preenchidas com água retirada das principais geleiras do país, que refratam e refletem luz com palavras relacionadas ao tempo; O To place and listem to a selection of people talkink about the weather, uma coleção de livros com entrevistas feitas pelo escritor Oddny Eir Ævarsdóttir, seu irmão e seu pai; por último, o subsolo do lugar é um estúdio privado que recebe autores convidados todo ano.

Biblioteca da Água
Bókhlöðustígur 19, Stykkishólmur
No verão abre diariamente das 11h às 17h; No inverno, fecha aos domingos e segundas

* Foto de capa: Rob Bye / Unsplash

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

28 de March, 2018

Share

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.