De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

12 horas em Nashville

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

22 de August, 2018

Share

Patrocínio

Para quem ama música – independente de gostar ou não de country – Nashville é um desbunde. A cidade tem uma história – e um presente – musical de fazer inveja em todo mundo. E não para por aí: a cidade tem arte, cultura, diversão e muita comida. Nashville é a capital e a cidade mais populosa do estado do Tennessee. Foi fundada em 1779 e seu nome veio de Frances Nash, um general que atuou na Guerra da Independência Americana.

Quando falamos na cidade, é impossível não lembrar da música country americana. Muitos dos nomes mais famosos e recentes saíram de lá. Mas temos que lembrar que ali foi um dos principais locais de gravação do rei do rock também, Elvis Presley.

Manhã

É claro que a gente vai começar o dia explorando o que torna Nashville tão maravilhosa: as atrações musicais. Mas antes, é bom fazer aquele café da manhã reforçado em um dos pontos favoritos dos locais: o Biscuit Love no bairro do Gulch. O lugar não existe faz muitos anos, surgiu como um food truck em 2012, até ganhar sua casa própria em 2015. O sucesso foi tanto que existe hoje uma filial no bairro de Hillsboro Village e na cidade vizinha de Franklin. O que torna o Biscuit Love tão perfeito é que eles oferecem tudo que existe de melhor da cozinha sulista norte-americana de café da manhã: os biscuits – como era de se imaginar pelo nome – e grits – um tipo de aveia -, além de muitas coisas gostosas.

Biscuit Love: Gulch316 11th Ave. S.
Todos os dias, das 7h às 15h

Country Music Hall of Fame
Country Music Hall of Fame. Foto: Matthew LeJune / Unsplash

Com a barriguinha cheia, é hora de partir para o Country Music Hall of Fame, um dos maiores centros de pesquisa musical do mundo. O museu é imperdível para todo mundo, até para quem não é muito fã de country music: Tem vídeos, imagens, arquivos, roupas e instrumentos. O prédio é outra atração. De cima , a construção forma uma clave de fá. Quando for comprar o ingresso, não deixe por nada de comprar o combo que inclui uma tour no lendário Studio B, onde Elvis Presley, Everly Brothers, Dolly Parton e Willie Nelson gravaram.

Country Music Hall of Fame222 5th Ave. S.
Todos os dias, das 9h às 17h

Almoço

Peg Leg Porker
Peg Leg Porker. Foto: Reprodução

Não dá para passar pelo sul dos Estados Unidos e não ir a uma churrascaria típica. É bom lembrar que as churrascarias americanas são bem diferentes das brasileiras: lá não rola rodízio e a carne é principalmente de porco. A que indicamos em Nashville é a sensacional Peg Leg Porker. O “churrasqueiro” (chamado lá de pitmaster) da casa é o simpático Carey Bringley, um dos donos do local e com alguns prêmios nas costas. O que indicamos aqui é pedir um pouco de tudo e dividir com as pessoas da mesa: entradinhas e carnes. A casa tem cerveja artesanal para beber e dá para comprar para levar o tennessee whisky que eles produzem.

Outra especialidade de Nashville é o hot chicken, que é frango frito coberto por uma pasta de pimenta caiena. O frango apimentado faz tanto sucesso por lá que existe um festival e uma competição para homenagear o prato. Diz a lenda que a iguaria surgiu como uma vingança de uma mulher contra seu namorado mulherengo, Thornton Prince III. Ela exagerou na pimenta do frango depois de uma noitada dele, porém Thornton gostou tanto que logo depois ele e os irmãos abriram um café vendendo a receita. No Hattie B’s, você encontra vários cortes, como peito, asa e coxa. E, a partir disso, você acrescenta o nível de apimentado: são 6, desde sem pimenta nenhuma até extra apimentado – chamado de Shut the cluck up.

Peg Leg Porker903 Gleaves St.
Segunda e terça, das 11h às 21h; Quarta a sábado, das 11h às 22h

Hattie B’s – 112 19th Ave. S.
Segunda a quinta, das 11h às 22h; Sexta e sábado, das 11h às 00h; Domindo, das 11h às 16h

Tarde

Third Man Records
Third Man Records. Foto: Reprodução

Se você quiser continuar explorando a cena musical de Nashville, é obrigatório dar um pulo na Third Man Records, loja e gravadora de discos de Jack White, ex White Stripes e Raconteurs. A gravadora surgiu na verdade em Detroit, mas a primeira loja física foi lá em Nashville. A loja é um desbunde para quem ama música. Além de CDs e vinis, tem também camisetas e colecionáveis, pôsteres e uma cabine para gravar seu vinil na hora.

Ryman Auditorium
Ryman Auditorium. Foto: Jim Rhodes

A próxima parada é o Ryman Auditorium, teatro que funciona há nada menos do que 133 anos. Para entender a importância do Ryman, é preciso entender a Grand Ole Opry. A Opry é um programa musical de rádio ao vivo e semanal, existe desde 1925 e já lançou muitos dos astros de country music que conhecemos hoje. O Ryman foi a casa mais importante do evento, onde aconteceu por 31 anos, desde 1943. O teatro alcançou sua glória nesse período, Elvis e Louis Armstrong tocaram por lá e dizem que Johnny Cash conheceu June Carter nos seus bastidores. Falando em Cash, seu programa de TV, The Johnny Cash Show, foi gravado ali. Após a Opry deixar o teatro no começo dos anos 70, ele entrou em decadência e perigou fechar. Porém, devido ao valor sentimental, vários músicos se mobilizaram para que o teatro recebesse os fundos necessários para uma reforma e o auditório reabriu oficialmente nos anos 90. É possível assistir apresentações por lá, a programação é bem intensa, mas dá também para fazer um tour e conhecer mais da história.

Third Man Records623 7th Ave. S.
Todos os dias, das 10h às 18h

Ryman Auditorium116 5th Ave. N
Todos os dias, das 9h às 16:30h

Belle Meade
Belle Meade. Foto: Reprodução

Se você já teve o suficiente de música na manhã e quer variar um pouco, uma opção é ir conhecer uma das plantationsPlantation é um tipo de sistema agrícola, baseado em monocultura e que ocupou boa parte das terras do sul dos Estados Unidos. Vale lembrar que o trabalho feito nessas terras era feito majoritariamente por escravos. A Belle Meade existe desde o começo dos anos 1800. Vale a visita para saber melhor como era a vida de uma família em uma plantation e um pouco mais dos efeitos da Guerra da Secessão na região. Dependendo da época, é possível pegar uma degustação de vinhos ou mesmo tomar uns bons drinques em uma bela paisagem.

Belle Meade Plantation110 Leake Ave.
Todos os dias, das 9h às 17h

Agora, se o seu negócio é arte, existem alguns bons museus na cidade. Mas um dos mais legais é o Frist Art Museum. Aberto em 2001, o museu tem programação intensa em suas galerias e traz todo tipo de conteúdo, desde o inovador até o clássico. Além disso, ele tem uma área totalmente voltada para a família, com  30 estações interativas onde qualquer pessoa pode fazer sua própria arte, desde aquarela até escultura.

Frist Art Museum919 Boradway
Segunda a quarta, das 10h às 17:30h; Quinta e sexta, das 10h às 21h; Sábado, das 10h às 17:30; Domingo, das 13h às 17:30

Nada melhor que uma destilaria para fazer a última parada. Afinal, um estado que tem seu próprio whisky não deixa outra alternativa. O avô dos donos da Nelson’s Green Brier Distillery começou a própria destilaria no final dos 1800, mas teve que fechar quando aconteceu a proibição. Depois de 3 anos de pesquisa, planejamento e trabalho, eles reconstruíram a destilaria que tinha sido fechada há 100 anos antes.

Nelson's Green Brier Distillery
Nelson’s Green Brier Distillery. Foto: Reprodução

Nelson’s Green Brier Distillery1414 Clinton St.
De segunda a sexta, das 11h às 18; Sábado, das 10h às 18h; Domingo, das 11h às 17h. Os tours acontecem a cada meia hora.

Noite

Broadway Str.
Foto: Lou Stejskal

A rua mais animada de Nashville é a Broadway Str. A rua é dominada por bares, sempre está cheia e sempre tem música. Parece a tourist trap perfeita, mas ainda dá pra achar bons lugares por lá. O Acme Feed & Seed é um dos lugares que você pode confiar. O bar funciona como um restaurante durante o dia e a noite, cada andar tem um tema: no primeiro tem cervejas artesanais e banda, o segundo, tem jogos e é bom para grupos de amigos, o terceiro é fechado para eventos e o quarto tem uma cobertura que dá vista para toda a rua e o Rio Cumberland.
Acme Feed & Seed101 Broadway
Segunda a sexta, abre às 11h; Sábado e domingo, abre às 10h

O The Patterson House foi a primeira casa de coquetel artesanal na cidade e é até hoje um dos mais relevantes de lá. O lugar é pequeno e íntimo e o menu consiste principalmente de coquetéis, é claro, com preços entre 13 e 14 dólares. Eles ainda oferecem vinho e cerveja. Para comer, petiscos como asinhas de frango, brie frito e mini hambúrgueres.
The Patterson House1711 Division Str. 
Domingo a quarta, das 17h às 1h; Quinta a sábado, das 17h às 3h

Pinewood Social
Pinewood Social. Foto: Reprodução

Pinewood Social é um monte de coisa tudo junto e misturado: tem pista de boliche, karaokê, cyber café, e restaurante. Dá até para tomar um café por lá de manhã. Mas se você quer a nossa dica, vá para jantar. O menu é sofisticado mas não é pretensioso e vale cada centavo.
Pinewood Social33 Peabody St.
Segunda a sexta, das 7h às 1h; Sábado e domingo, das 9h às 1h

Para quem quer tomar uma boa cerveja, a Fat Bottom Brewing é uma das locais mais famosas da cidade. Dá para marcar um tour pela cervejaria ou apenas visitar seu Hopyard  e comer petiscos e tomar as cervejas das torneiras.
Fat Bottom Brewing800 44th Ave. N
Segunda a quinta, das 16h às 22h; Sexta e sábado, das 12h às 00h; Domingo, das 12h às 22h

Está indo para os Estados Unidos? Aproveita a ótima oferta de câmbio oferecido pela Treviso Corretora de Câmbio.

* Foto de capa:  Joshua Ness / Unsplash

Quem escreveu

Dani Valentin

Data

22 de August, 2018

Share

Patrocínio

Dani Valentin

A Dani gasta todo o seu dinheiro com viagens. Um de seus maiores orgulhos é dizer que já pisou em cinco continentes. É do tipo sem frescura, que prefere localização a luxo e não se importa de compartilhar o banheiro de vez em quando. Adora aprender palavras no idioma do país que vai visitar e não tem vergonha de bancar a turista.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.