Viagem

Get Lost: Você pagaria para se perder numa viagem?

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

30 de October, 2017

Share

A proposta do “Get Lost”, novo serviço da agência de viagens de luxo Black Tomato, é proporcionar uma experiência inusitada cheia de desafios para um destino que o viajante não sabe qual é. Partindo da premissa “você precisa se perder para se encontrar”, o serviço oferecido é baseado no quanto o viajante quer se perder e se desconectar.

Num mundo urgente e compartilhado como o que vivemos, ter uma experiência imersiva única, provavelmente num lugar que você sequer cogitou em ir (talvez porque nem sabia que existia), pode valer ouro. Os objetivos são claros: uma jornada de auto-conhecimento, um bom detox e experiência ganha, onde a força mental e física poderão ser desafiadas ao longo da viagem.

Para chegar ao roteiro final, a única pergunta a ser respondida é “em qual tipo de ambiente quer se perder?”. Montanha? Alguma costa litorânea do planeta? Ou em terras gélidas? Deserto? Ou no meio de uma floresta? Caso prefira, pode deixar também essa escolha nas mãos da agência. Após dada a resposta, um consultor entra em contato para saber quais são os objetivos da viagem, desde como quer se sentir até o quanto quer realmente estar perdido. A única certeza é: o destino será um lugar remoto onde o viajante passará o tempo todo desconectado.

A partir desta resposta, somada à verba que deseja gastar, o viajante não terá mais nenhuma pista para qual canto do planeta irá, já que a viagem é feita em voo particular até o destino e os equipamentos necessários para a aventura são entregues na chegada, incluindo um telefone satélite e GPS. A pessoa pode até saber onde ela está aterrissando, mas não vai saber para onde ela está indo. A viagem é monitorada, garantindo segurança e apoio aos aventureiros, que receberão ajuda diária para encontrar o caminho para o destino final, passando por pontos estratégicos que serão encontrados com a ajuda de um navegador.

Caso seja necessário, a própria Black Tomato providenciará treinamento personalizado ou aulas de sobrevivência para que o viajante não passe perrengue durante a viagem, que poderá ser feita sozinha ou em grupo de amigos.

Mas se perder não vai custar tão barato. A aventura começa em 20 mil libras esterlinas (ou cerca de USD 27.000), o que mostra o quanto se desconectar e até mesmo se perder são cada vez mais luxos nesse mundo hiperconectado em que vivemos. Lugares como Mongólia, floresta no meio da Guiana ou uma grande aventura no meio de Svalbard, no Pólo Norte, fazem parte do programa.

O Get Lost é um ótimo exemplo do quanto a “economia da experiência”, onde o valor é o que fica na memória, pode ir longe. Pena que (ainda) é para poucos. E você, ficou com vontade de se perder um pouco?

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

30 de October, 2017

Share

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter