De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Argentina lado B, Bodega El Esteco em Cafayate

Quem escreveu

Ola Persson

Data

31 de March, 2017

Share

Um dos destaques de Cafayate, na província argentina de Salta, é a Bodega El Esteco. A cidade fazia parte do roteiro que eu fiz a convite do Hoteis.com, para conhecer uma região menos conhecida da Argentina, no extremo noroeste do país, quase nas fronteiras com Chile e Bolívia.

Normalmente produção de vinho acontece entre as latitudes 30 e 50, nos dois hemisférios. A Bodega El Esteco está na latitude “errada”, no 26°. Mas graças à altitude de 1600 metros acima do nível do mar, e um clima com dias quentes e noites frias, a região produz vinhos de qualidade alta.

Chegamos e fizemos um tour que durou mais ou menos 30 minutos que terminou com uma degustação de dois vinhos. Experimentamos apenas um branco e um tinto. O branco foi um Ciclos Torrontés, a uva que é a especialidade local. Um vinho bem floral que, apesar de parecer doce no nariz, é seco na boca. Assim como a maioria dos vinhos daqui, a gradação alcoólica desse branco é alta – 13.9%. O tinto foi um Don David Tannat, bom e barato. Mas no fim optei por levar Ciclos malbec e cabernet sauvignon pra casa. Um pouco mais caro mas, se é pra carregar os quilos extras na mala, tem que valer a pena.

Uvas Torrontés na Bodega El Esteco, Cafayate, Jujuy, Argentina
A especialidade da região, torrontés. Experimentamos e é uma explosão de doçura na boca.
Foto: Ola Persson
Bodega El Esteco, Cafayate, Jujuy, Argentina
Degustação super enxuta, um tinto e um branco.
Foto: Ola Persson
Restaurante da Bodega El Esteco, Cafayate, Jujuy, Argentina
Isso foi apenas a entrada no restaurante da Bodega El Esteco. Algo que não faltou nessa viagem foi comida.
Foto: Ola Persson

Hospedagem em Cafayate

Ficamos hospedados no Grace Cafayate Resort que se destaca entre as opções em Cafayate – também se destacou nessa viagem como o hotel que mais gostamos. Pena que a programação só permitia uma noite! Com certeza precisaria de uns bons dias aqui pra desfrutar do conforto e as amenidades oferecidos.

Hotel Grace Cafayate
A parte principal do hotel.
Foto: Ola Persson
Piscina do Hotel Grace Cafayate
Aqui eu podia ficar uma tarde inteira tomando sol. Foto: Ola Persson
Piscina aquecida do Hotel Grace Cafayate
Piscina aquecida no spa do hotel. Nada mal. Foto: Ola Persson
Spa no Hotel Grace Cafayate
Essa sala de massagem comporta um casal e tem até um ofurô.
Foto: Ola Persson
Estrada de terra no Hotel Grace Cafayate
A vista era tão bonita quando acordei, que primeira coisa que fiz foi sair para tirar algumas fotos. Foto: Ola Persson

Como chegar

Melhor jeito é vir pelo aeroporto de Salta, aproximadamente 2h 20m de voo a partir de Buenos Aires. Essa vez não deu tempo de conhecer Salta, numa próxima vez ficarei pelo menos uma noite. Recomendo alugar um carro e seguir a estrada 68 que passa pela Quebrada de las Conchas, um trecho bem bonito que vale muito conhecer. Leia mais sobre a Quebrada de las Conchas aqui.

Um roteiro completo

A viagem que eu fiz começou pela belíssima Quebrada de las Conchas, um vale entre Salta e Cafayate com paisagens deslumbrantes. Cresce pouca coisa por lá além de cacto, e as cores diversas da terra exposta pela erosão cria um visual espetacular. Passando por essa estrada, algumas paradas para ver formações rochosas são obrigatórios, meu favorito sendo a Garganta del Diablo.

Em Cafayate o hotel que fiquei, Grace Cafayate, é impecável. As chalés que o hotel oferece dão vontade de ficar dias só relaxando, só saindo de lá pra fazer a visita obrigatória à vinícola El Esteco, a mais conhecida da região. Daqui fomos para Purmamarca, passando novamente pela Quebrada de las Conchas, Salta e continuando para o norte, o que deu por volta de 6 horas de estrada.

Purmamarca é a base ideal para ver Salinas Grandes que, com seus grandes planos brancos cobertos com sal, é lindo demais. A estrada que leva até Salinas é sinuoso e sobe até 4170 metros no seu ponto mais alto. Salinas em si ainda fica nos 3450 metros acima do nível do mar. Pra mim, a altura foi tranquila, mas tem gente que sente os efeitos do ar mais rarefeito.

A partir da Purmamarca seguimos pela Quebrada de Humahuaca, até Pucará de Tilcara. Uma cidade da época antes da colonização e agora um sítio arqueológico com várias casas reconstruídas e aberto para visitação.

Para quem quer fazer o mesmo roteiro, o Hoteis.com está com uma promoção de 10% de desconto. Além do hotel incrível Grace Cafayate onde ficamos, existem outras opções, não só em Cafayate, mas pela Argentina inteira. Basta informar o código ARGENTINALADOB (Válido até 13 abr 2017).

Quem escreveu

Ola Persson

Data

31 de March, 2017

Share

Ola Persson

Viaja sempre com uma mochila com camera, laptop e kindle e uma mala pequena de roupas. Nela leva mais uma mala vazia que vai enchendo ao longo da viagem. Não é fã de pontos turísticos, não gosta de muvuca e foge de filas, mesmo que seja para ver algo considerado imperdível. Por isso nunca subiu na Torre Eiffel, mesmo tendo ido várias vezes à Paris. Acredita que uma boa viagem é sentir a cidade como morador. Tanto que foi pra São Paulo em 2008 e ainda está por lá.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.