De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Rolês no Rio: tesouros escondidos no Leme

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

14 de December, 2015

Share

Para começo de conversa: sinto muito, equipe de redação paulistana, mas aqui no Rio é rolééééé (e não rolê). Aproveito a oportunidade para também esclarecer que é biscoito, e não bolacha. Obrigada, de nada. Podemos começar o post.

vista do bar do alto

No último capítulo da nossa série de rolés pelo Rio, que já passou pelo Horto, você deu um confere no Posto 6. Vamos partir para o outro extremo da praia, o Leme? Esse cantinho tranquilo, composto por poucos quarteirões, é o oposto da frenética Copacabana. Ainda assim, tem muita coisa legal pra fazer.

A gente não se cansa da beleza natural do Rio e o Forte do Leme é um bom lugar para admirá-la. O acesso se dá pela Praça Almirante Julio de Noronha, onde há umas instalações do Exército. Suba calmamente por uma estrada de paralelepípedos, em meio à Área de Proteção Ambiental. Depois de uns 20 minutos, você chega ao topo do morro, que tem uma vista panorâmica de toda a orla de Copacabana, Pão de Açúcar, Cristo Redentor, Floresta da Tijuca, Niterói e de outras fortificações.

trilha babilonia (3)

Achou a caminhada tranquila demais? É possível fazer uma trilha que começa no Morro da Babilônia, vai até à Urca e tem uma vista deslumbrante – e de um ângulo super diferente – para o Pão de Açúcar e a Praia Vermelha, passando pelo Mirante do Telégrafo. Para ir até lá, recomendamos o Na trilha com Njaine, que tem um projeto social bem maneiro com a garotada da Babilônia e do Chapéu Mangueira.

david
Rio em preta e branca

Mas se não quiser fazer esforço, dá para apenas comer e beber bem no Chapéu Mangueira. Com sua feijoada de frutos do mar, o Bar do David é famoso na baixa gastronomia carioca e lota no almoço dos fins de semana. Já o Bar do Alto é perfeito para um drink de fim de tarde – drinks bem criativos, devemos admitir. A quadra poliesportiva, ao lado do bar do David, recebe festas, shows e eventos como a Flupp, Feira Literária das Periferias.

no bar do alto

Foi mal. A galera da sucursal carioca do Chicken or Pasta é meio cabrito e adora subir um morro. Bora voltar pro asfalto, onde também se come muito bem. Aquele fim de noite boêmio não tem erro: é no La Fiorentina, esse clássico da boêmia carioca que há décadas fica aberto até o último cliente. Adoramos as pizzas de massa fina. O D’amicci é outra opção deliciosa, porém mais requintada. Se preferir, dê uma volta pelas ruas do Leme para encontrar bistrôs e pequenos restaurantes convidativos, como o Epifania e o La Fabrique.

caminho dos pescadores

Apesar de pacato, o Leme também é cenário de umas baladinhas – gratuitas, diurnas e ao ar livre, bem ao estilo carioca. Pode chegar direto da praia que não tem erro, até porque a parada rola na areia mesmo. A festa Odara, por exemplo, de vez em quando acontece nos quiosques ao lado da Pedra do Leme. A praça Julio de Noronha também recebe festas, ensaios de banda e blocos de carnaval. Se você virar a noite por ali, vai ter companhia no Caminho dos Pescadores, um mirante que rodeia a Pedra do Leme e está sempre lotado de tiozinhos pouco simpáticos pescando. Quer um esporte mais radical? Dá até para pegar umas ondinhas no Leme. Ou o melhor, no #lemedenoronha.

E como se isso tudo não fosse o suficiente, neste verão, o Leme ainda vai ganhar um cinema na Avenida Atlântica, em frente ao mar. Como não amar essa cidade?

*Foto capa: lazyllama / shutterstock.com

Quem escreveu

Luciana Guilliod

Data

14 de December, 2015

Share

Luciana Guilliod

Carioca da Zona Norte, hoje mora na Zona Sul. Já foi da noite, da balada e da vida urbana. Hoje é do dia, da tranquilidade e da natureza. Prefere o slow travel, andar a pé, mala de mão e aluguel de apartamento. Se a comida do destino for boa, já vale a passagem.

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.