Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Eventos gratuitos SP por Catho

Guia semanal de eventos gratuitos para curtir em São Paulo

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Nomadismo Digital por Treviso

Trabalhando e viajando ao mesmo tempo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Surpreenda-se com o Museu de Imagens do Inconsciente, no Rio

Quem escreveu

Carlos Raffaeli

Data

16 de November, 2015

Share

Apresentado por

O Rio de Janeiro é uma cidade que não cansa de nos surpreender e isso já não deve ser novidade para mais ninguém. Mas algumas vezes descobrimos esses lugares que estavam sempre ali e ficamos nos perguntando: como é que eu nunca vim aqui antes?

Assim é o Museu de Imagens do Inconsciente, em Engenho de Dentro. O bairro fica meio fora do eixo turístico da cidade, mas a experiência e o aprendizado são bastante compensadores.

nise01

Além das obras expostas, a parte mais fantástica do Museu talvez seja a história da sua constituição e o pensamento vanguardista e rebelde de sua fundadora, a psiquiatra brasileira Nise da Silveira. Nise é uma dessas figuras históricas que merece todo o nosso respeito pelo seu trabalho e que nos enche de orgulho de sermos brasileiros.

Revolucionária, foi responsável por introduzir no tratamento psiquiátrico do país novas concepções em voga na Europa e trabalhadas principalmente por Jung, de quem era admiradora e com quem se correspondia por cartas, relatando seus aprendizados. Por meio da arte e do amor, fez com que pacientes psiquiátricos deixassem de ser isolados e passassem a ser compreendidos de forma mais humana e eficaz.

A ARTE COMO MEIO DE TRATAMENTO

Alagoana, Nise da Silveira começou sua carreira médica na Faculdade de Medicina da Bahia e se mudou para o Rio de Janeiro dos anos 1920 para fazer residência no Hospital da Praia Vermelha. Durante a ditadura do Estado Novo, Nise foi denunciada e presa, acusada de comunista, por possuir livros proibidos pelo regime.

Ao voltar para o serviço de saúde, a Dra. Nise traz para o tratamento psiquiátrico nacional uma nova proposta. O isolamento dos pacientes e os métodos cruéis de tratamento, como lobotomia e eletrochoque, foram substituídos por uma terapia de estímulo à arte e ao convívio social. A expressão artística passou a ser usada como meio para entender o que se passava no subconsciente das pessoas em tratamento.

Aliás, dentre as mudanças mais emblemáticas promovidas pela Dra. Nise, os pacientes passaram a ser chamados de ‘clientes’, pois sua ambição era garantir que eles jamais se sentissem excluídos da sociedade. E o muro alto de tijolos, que cercava e isolava a instituição psiquiátrica e que hoje abriga o museu, foi substituído por um gradeado, permitindo a troca visual do interior com o exterior do prédio. Essa arquitetura de tratamento encontra-se lá até hoje.

muro01
O muro e a sensação de isolamento expressos nas obras. Esq.: Heitor Rico; Dir.: Norma Nascimento (1978)

O trabalho desenvolvido pela Dra. Nise mostrou eficácia rapidamente, e a arte mostrou-se de grande valor no tratamento dos pacientes, proporcionando, além de tudo, mais autoestima para as pessoas em acompanhamento.

Em 1942, Dra. Nise fundou o ateliê para estimular a produção de obras e, com o expressivo volume de trabalho, em 1952, o Museu é inaugurado e aberto ao público, promovendo ainda mais a integração com a sociedade.

Segundo a proposta, a produção das obras é feita de forma completamente espontânea. A única tarefa que os artistas possuem é se expressarem como bem quiserem. Praticamente todos não possuem conhecimento técnico de arte e isso é percebido na pureza e originalidade das obras.

O MUSEU

As mandalas chamam a atenção do visitante. Foram objeto de debate entre a Dra. Nise e Jung. Na entrada do Museu, estão expostas as cartas trocadas pelos dois mestres discutindo o significado dessas figuras e os seus diagnósticos.

cartas01
Correspondência entre Nise de Silveira e Carl Jung marca a introdução da linha Jungiana na psicologia nacional.

O Museu é muito bem conservado e organizado, e as obras estão expostas sob o trabalho cuidadoso do time de curadoria. A visita guiada pelo museu me ajudou a entender como o perfil psicológico dos artistas influencia e é expressado nas obras.

Os trabalhos estão divididos em dois momentos: Artistas Históricos e Artistas Contemporâneos. Em Artistas Históricos, estão as obras antigas, muitas delas ainda contemporâneas da Dra. Nise. Algumas datam ainda da época em que o muro cercava a instituição e mostram claramente o impacto que o isolamento provocava: tristeza, pesar, solidão.

esquerda centro direita
Esq.: Fernando Diniz (1957); Centro: Fernando Diniz (1953); Dir.: Fernando Diniz (1954)

No andar térreo, vê-se uma série de quadros que mostram claramente esses sentimentos. Dentre os Artistas Históricos, muitos alcançaram sucesso no mundo artístico e tiveram sua importância elevada para além do mundo da psiquiatria. Este é o caso de artistas como Emygdio de Barros, Heitor Rico e Fernando Diniz.

Desde meados dos anos 40 até meados dos anos 50, os artistas do ateliê realizaram importantes exposições no Brasil e no exterior. Em 1947, a exposição ‘9 Artistas do Engenho de Dentro’ foi organizada no MAM de SP. Em 1950, também foram mostrados em Paris e, em 1955, em Neuchâtel.

art-hist01
Esq.: Fernando Diniz (1956); Dir.: Emygdio de Barros (1968)

Em Artistas Contemporâneos, estão as obras de artistas ainda vivos e atualmente em tratamento na instituição. Nesse espaço, é possível ver claramente o caráter espontâneo das obras. Por se tratar de um acervo em constante crescimento, os estilos pessoais dos artistas estão em desenvolvimento, permitindo que o  visitante quase consiga entrar no pensamento do artista. Essa proposta está no DNA do Museu, que, desde o princípio, se propôs a ser um ‘Museu Vivo’.

art-cont01
Renoir Silva (esq: 2014; dir: 2015)

Pelo caráter espontâneo da construção das obras, o Museu não possui um estilo definido. Por isso, a surpresa e a originalidade são o ponto chave dessa segunda parte do acervo. Viajando pelos mais diversos estilos, há obras impressionistas, expressionistas, mandalas, desenhos, experimentação…

art-cont02
Esq: Alberto Almeida (2013); Dir: Renata da Silva

Como a pintura faz parte do tratamento psiquiátrico dos artistas, as obras finalizadas são analisadas e interpretadas por uma equipe de psiquiatras, para, em seguida, serem estudadas pelos curadores, que, com a permissão da equipe médica e do próprio artista, são integradas ao acervo.

A visita guiada oferecida gratuitamente e agendada por e-mail me ajudou a entender como a biografia de cada artista é um componente importante na construção de uma obra. Mais do que os quadros, as biografias dos artistas são personagens importantes na linda história que o MII se propõe a contar.

O resultado do tratamento psiquiátrico por meio da arte desenvolvido nos ateliês oferece ao visitante uma leitura diferenciada do interior humano. A função do MII para a sociedade é muito maior do que a de dar resultado em tratamentos psicológicos. Ele ajuda a combater o estigma enfrentado pelas pessoas sob tratamento.

Além do Museu, na mesma localidade, estão outros pontos de criação artística. O Ponto de Cultura produz fantasias, alegorias e adereços para o bloco de carnaval Loucura Suburbana, que une as pessoas em tratamento com a comunidade em um belíssimo desfile toda quinta-feira de carnaval.

O Museu de Imagens do Inconsciente fica dentro do Instituto Municipal Nise da Silveira, na rua Ramiro Magalhães, 521, no Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro (21) 3111-7471. O local é facilmente acessível por transporte público. A estação de trem do Engenho de Dentro é a mais próxima da instituição. A entrada é gratuita, porém fechada nos fins de semana.

*O autor visitou o Museu de Imagens do Inconsciente em Novembro/2015, e as informações contidas neste texto foram colhidas junto à equipe de museologia responsável pelo acervo e pela história da instituição assim como da vida de Nise da Silveira. As fotos desta publicação foram feitas pelo autor.

Quem escreveu

Carlos Raffaeli

Data

16 de November, 2015

Share

Apresentado por

Carlos Raffaeli

O Carlos é carioca e acredita que viajar é aprender. Em todos os sentidos de "viagem" e "aprendizado". Não liga para horóscopo mas é muito canceriano. Siga no instagram: @carlosraffaeli

Ver todos os posts

Comentários

  • Ótimo texto! Fiquei curioso e com certeza vou lá conhecer o museu. Parabéns!
    - Luís Henrique Habib

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.