De repente, China

A China nos olhos de uma carioca.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Roteiros 12 horas por Treviso

Explorando cidades do nascer do sol ao fim da noite.

Caminhando pela Itália

Quem escreveu

Gaía Passarelli

Data

16 de November, 2015

Share

Road trips são deliciosas. Trens são incríveis. Navios são ótimos. Mas quando você chega a qualquer lugar, a melhor forma de explorar é o famoso “a pé”, mesmo que seja uma cidade de canais como Veneza. Andando é que você observa os detalhes que, de qualquer outra forma, passam batido.

A regra vale para as grandes cidades turísticas do mundo, é claro. O cara falando pelo microfone no hop on hop off não vai ajudar a encontrar aquelas coisas que tornam única cada cidade: os cheiros, vielas, pequenas lojas e sabores. Aquelas coisas que você só encontra batendo perna.

O pessoal do Walks of Italy (que também trabalha em Nova Iorque e na Turquia, links no fim do post) sabe disso e oferece uma porção de tours pelos principais destinos turísticos italianos. O grupo até oferece alguns passeios que não são caminhadas, mas os rolês a pé são o destaque.

E tem mais exigências: todos os guias são locais, os grupos são pequenos e acontecem em ritmo lento, para que todo mundo tenha tempo de conversar. Dá até para estabelecer umas paradas para café e gelato!

Andar por Veneza sem muvuca, mesmo na alta temporada do verão: sim, é possível!
Andar por Veneza sem muvuca, mesmo na alta temporada do verão: sim, é possível!

Em maio passado fiz uma viagem de vinte dias pela Itália e experimentei cinco tours diferentes com o Walks of Italy. As caminhadas de Veneza foram minhas preferidas: oportunidades de ver a cidade pelos olhos de uma guia nascida e criada na cidade, contando em inglês perfeito sobre suas lembranças, ensinando como desvendar o labirinto de canais e vielas e mostrando seus locais preferidos para comer.

Caminhando por Veneza, eu e o casal de “modern cartographers” Captain & Clarke (o blog deles é ótimo) aprendemos uma porção de coisas. A cidade estava lotada de turistas, sim, mas conseguimos desviar deles. Em um dia, conhecemos a história, o modo de vida e a comida dessa cidade tão peculiar.

Veneza não tem só canal e gôndola: tem sottoportego também.
Veneza não tem só canal e gôndola: tem sottoportego também.

A próxima parada foi Florença e a Toscana. A guia era uma moça estilosa chamada Giulia, vinda do mundo do PR da moda italiana, nascida em Siena. A cidade é famosa por, entre outras coisas, o Palio: uma corrida de cavalos que acontece duas vezes por ano e movimenta milhões de turistas. O que nós não sabíamos é que cada dupla de cavalo e corredor pertence a um bairro (melhor: contrade) sienense. Os 17 contrades têm raízes medievais e são representados por símbolos, em especial de animais – meu preferido é a pantera. As rivalidades às vezes são levadas muito a sério, e não raro o Palio se torna palco de brigas homéricas.

Gulia, a guia, dando uma aula sobre os diferentes contrade de Siena.
Gulia, a guia fashion, dando uma aula sobre os diferentes contrade de Siena.

a day trip para a Costa Amalfitana e Pompéia não é a pé, claro. Sai de Roma de manhã cedo, numa van com ar-condicionado e wi-fi. Quem foi contando a história do local foi, de novo, uma mulher nascida e criada na área – a arqueóloga napolitana Ilaria. Uma arqueóloga tão apaixonada pelas ruínas de Pompéia que as tem tatuadas no braço.

A estrada que serpenteia pela Costa Amalfitana é uma das mais bonitas do mundo, e o cheiro de limões frescos está em cada ruela do encantador recanto pega-turista de Positano.

Costa Amalfitana: um dos rolês motorizados do WOI.
Costa Amalfitana: uma das day trips motorizadas do WOI.

Mas é Pompéia que impressiona mesmo. Desde que foi descoberta por acaso no século XVIII, é uma das maiores atrações arqueológicas do planeta e só um dos mais de 200 Patrimônios da Humanidade da UNESCO em território italiano.

É preciso uma vida inteira para conhecer tudo sobre essa cidade romana que passou 1600 anos dormindo sob as cinzas do Vesúvio. A maior parte dos (muitos) visitantes caminha a esmo, preocupados em achar coisas famosas como as pessoas “congeladas” debaixo de massa de barro e cinzas e em registrar a visita no Instagram.

Mas quem tem um/a guia esperto por perto sabe o que e como ver. Por exemplo: os grafites nas paredes que mostram os serviços do bordel local. Ou portões que dão para jardins secretos. Ou o impressionante anfiteatro de acústica perfeita.

Pompéia: não dá pra escapar dos turistas. Mas com o guia certo, dá pra aprender mais sobre as ruínas históricas.
Pompéia: não dá para escapar dos turistas. Mas com o guia certo, dá para aprender mais sobre as ruínas históricas.

Vai lá

Walks of Italy
Walks of New York
Walks of Turkey

https://www.facebook.com/walkingtours
https://twitter.com/WalksofItaly
http://instagram.com/walksofitaly
https://www.pinterest.com/walksofitaly/

Fotos: Gaía Passarelli

Quem escreveu

Gaía Passarelli

Data

16 de November, 2015

Share

Gaía Passarelli

Gaía Passarelli é paulistana de nascença, autora do livro "Mas Voce Vai Sozinha?"(Globo, 2016) e do blog How to Travel Light. Encontre-a em gaiapassarelli.com

Ver todos os posts

    Adicionar comentário

    Assine nossa newsletter

    Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.