Decoding

Tendências dos principais festivais de inovação e criatividade do mundo.

Festivais de música

Os melhores festivais de música do Brasil e do mundo num só lugar.

Fit Happens

Aventura, esporte, alimentação e saúde para quem quer explorar o mundo.

Podcast Jogo do CoP

O podcast Jogo do CoP discute quinzenalmente assuntos aleatórios.

Quinoa or Tofu

Restaurantes, compras, receitas, lugares, curiosidades e cursos. Tudo vegano ou vegetariano.

Rio24hrs

Feito com ❤ no Rio, para o Rio, só com o que há de melhor rolando na cidade.

SP24hrs

Gastronomia, cultura, arte, música, diversão, compras e inspiração na Selva de Pedra. Porque para amar São Paulo, não é preciso firulas. Só é preciso vivê-la.

SXSW

Cobertura pré e pós do SXSW 2020 com as melhores dicas: quais são as palestras, ativações, shows e festas imperdíveis no festival.

Valle Nevado

Chicken or Pasta na temporada 2019 do Valle Nevado.

Os melhores destinos para quem ama chocolate

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

24 de April, 2014

Share

Quem aí não gosta de chocolate levanta a mão. Eu, que não sou a maior fã, não resisto a uma boa parada em lugares destinados a eles nas minhas viagens. Para chocólatras de plantão ou apenas apreciadores, aí vai uma lista irresistível para incluir nos planos de viagem. Essa lista não está exatamente em ordem de importância, mas bons lugares para ir apreciar um ótimo chocolate e se aprofundar um pouco mais na cultura em volta dele.

1. BRUXELAS, BÉLGICA

Godiva - foto https://www.flickr.com/photos/evert-jan/
Godiva – foto https://www.flickr.com/photos/evert-jan/

Não há dúvidas que o chocolate belga é um dos melhores do mundo. A Bélgica é um paraíso para chocólatras contando com 12 fábricas, 16 museus sobre chocolates e mais de 2.100 lojas especializadas no assunto. E claro, a capital está no topo. É em Bruxelas que são encontradas a Godiva e Leonidas. Por lá se encontra todos os tipos de chocolates imagináveis, mas o praliné é o rei, introduzido na Bélgica por Jean Neuhaus em 1912. Para quem quiser ver como o chocolate é feito, recomendamos conhecer o Musee du Cocao et du Chocolate.

Não deixe de visitar a praça Grand Sablon, onde as mais famosas chocolaterias belgas estão, como Neuhaus, Godiva, Leonidas, Wittamer e Pierre Marcolini. Também não deixe de conhecer a chocolateria Mary, fundada em 1919 e atualmente a favorita da família real.

2. Zurique, Suíça

Geneva, Suíça - Foto: https://www.flickr.com/photos/isabelmuniz/
Geneva, Suíça – Foto: https://www.flickr.com/photos/isabelmuniz/

Tenho a impressão que no Brasil por muito tempo acreditamos que o melhor chocolate do mundo era o suíço até começarmos a viajar e a descobrir as delícias dos chocolates belgas. Ainda assim, o suíço não fica atrás, vide a quantidade de Lindt e Toblerone que compramos quando passamos por qualquer duty free em aeroportos. Na Suíça o consumo de chocolate por pessoa é maior do que em qualquer outro país, sendo 80% do consumo de chocolate ao leite. É por lá que as maiores marcas de chocolates estão como Nestlé, Toblerone, Lindt, Sprungli e Treuscher. Zurique é o coração do chocolate na Suíça e é por lá que Lindt, Treuscher e Sprungli tem suas fábricas. Zurique também é o paraíso das trufas de chocolate e do praliné. Aventure-se nas lojas dos pequenos produtores também.

Para quem quer ir além, o Swiss Travel System em parceria com a Cailler-Nestlé, oferece excursão no The Swiss Chocolate Train, que sai de Montreux, faz parada em Gruyeres, onde o queijo gruyere é feito, até a fábrica da Cailler-Nestlé, em Broc.

Outra escapada que vale é para visitar a fábrica e o outlet da Lindt e Sprungli, em Kilchberg, no sul de Zurique – Street Seestrasse 204.

3. França (várias cidades)

Foto: https://www.flickr.com/photos/q8ieng/
Foto: https://www.flickr.com/photos/q8ieng/

A França não tem os maiores nomes de chocolate do mundo, mas detém maestria na arte de fazer chocolate. Entre suas grandes marcas tem a Valrhona, Richart, Abanico, La Maison du Chocolat entre outras menos conhecidas por aqui. Ao contrário da Suíça, a França é conhecida pelos seus deliciosos chocolates amargos. Como não poderia ser diferente, a França abriga inclusive uma escola especializada em chocolate, a Ecole Chocolat. Para quem quiser se aventurar por tours focadas em chocolate, sugiro consultar essa lista. Pena que a Valrhona não vingou em São Paulo e teve que fechar suas portas depois de amargar prejuízo no país.

Para quem estiver em Paris, dois lugares tradicionais na arte do chocolate são Debauve & Gallais, a meca para servir o melhor chocolate amargo que a França pode oferecer, e La Cafeotheque é o lugar para ir.

4. Barcelona, Espanha

foto: https://www.flickr.com/photos/ulteriorepicure/
foto: https://www.flickr.com/photos/ulteriorepicure/

A história da Espanha com chocolate é bem antiga começando no século XVI, fazendo parte da cultura gastronômica do país. A história começou a partir da conquista do México, quando descobriram o cacau. Nessa época o chocolate era adoçado com cana de açúcar, sendo a Espanha o primeiro país europeu a começar a produzi-lo, chegando somente no século seguinte na Suíça e na Bélgica, entre os séculos XVI e XVII, quando o país estava sob domínio dos Habsburgos espanhóis. Em 1780 a primeira máquina de fazer chocolate era construída em Barcelona, que hoje abriga um museu dedicado a ele, o Museo de La Xocolata.

As principais marcas espanholas são Valor, Torras, Trufas e Tirm. O país hoje conta com 117 indústrias chocolateiras, sendo as 10 maiores detendo 78% do market share e a indústria continua crescendo por lá.

5. Oaxaca, México

Foto: https://www.flickr.com/photos/snordq/
Foto: https://www.flickr.com/photos/snordq/

Ninguém sabe quando o chocolate surgiu no México, mas o cacau tem sido cultivado por pelo menos 3 mil anos na região e é por lá que deu-se início ao consumo de cacau no mundo. Na civilização Maia era utilizada para fazer bebida, geralmente temperada com baunilha e pimenta. Acreditavam que o chocolate além de combater o cansaço, servia também como afrodisíaco, o que explica muita coisa. Oaxaca abraçou chocolate como parte de sua cultura, que é impossível caminhar sem alguém oferecer chocolate dos mais diversos tipos para comprar.

A cidade abriga várias fábrica, entre elas Mayordomo, La Soledad, e Guelaguetza, que estão entre as principais marcas de chocolate do país. Outras marcas grandes são Ibarra, Ricollino, Carlos V Chocolate e Taza Chocolate Mexicano. Não deixe de experimentar um chocolate quente e comer doces feitos a base de chocolate.

6. Colônia, Alemanha

Nussecken - foto: Inga Nielsen - shutterstock.co
Nussecken – foto: Inga Nielsen – shutterstock.com

A Alemanha não é somente uma grande consumidora de chocolate, mas também uma grande produtora. O país é o segundo que mais consome chocolate no mundo. É de lá marcas conhecidas como Milka e Kinder Schokolade, além das grandes Sarroti, Alpia e Ritter Sport.

Colônia figura o topo da lista das cidades alemãs que oferecem experiências com chocolate. Por lá também se encontra um museu dedicado ao assunto, o World of Chocolate Museum, que conta com uma escola, hoje comandada pela suíça Lindt, e também o  Stollwerck Chocolate Company, que produz chocolate fino desde 1839. Para quem gosta de chocolate artesanal, dá uma pesquisada na marca Coppeneur.

7. Roma e Perúgia, Itália

SAID
SAID

Nem precisamos entrar no mérito de Roma ser uma das capitais gastronômicas do mundo e o chocolate vale a pena para quem vai para lá por conta de sua cozinha. O chocolate também faz parte da cultura e está presente nas sobremesas, snacks e até mesmo da vida noturna da cidade. Para quem estive por lá, não deixe de conhecer a SAID, uma das lojas mais respeitadas de chocolate de Roma. Outro canto quase secreto (só que não), é o Cioccolata e Vino em Trasteve, um dos bairros mais divertidos e boêmios da cidade. Para quem gosta das grandes marcas, não esqueça de Ferrero Rocher, que vende mais de USD 5 milhões em chocolates por ano, e Venchi e Perugina Sutti, que disputam o topo das maiores.

Perúgia é a capital italiana do chocolate, contando com uma fábrica aberta para visitação geral do público. A cidade fica a 164km de Roma e também tem seu próprio festival de chocolate, o Eurochocolate, que vai rolar no próximo dia 10 de Maio.

8. NY, Estados Unidos

Jacques Torres chocolates - Foto: Lawren Bancroft-Wilson
Jacques Torres chocolates – Foto: Lawren Bancroft-Wilson

Não tem como falar de chocolate e desconsiderar os Estados Unidos, especialmente nesse momento em que pequenos produtores começaram a surgir com produtos artesanais de primeiríssima linha. NY é apenas uma para citar, mas poderia ser San Francisco. Apesar da fábrica da Hershey ficar na Pensilvânia e ser uma das mais antigas da América, NY é o lugar que a gente sempre encontra o melhor do melhor na maioria das coisas. Para fugir das grandes marcas, que não são necessariamente as melhores, sugerimos conhecer a  Jacques Torres Chocolate, que tem sete endereços na cidade e pedigree francês apesar de ser americana. Por lá se encontram chocolates artesanais feitos com produtos de alta qualidade, além de cookies e sorvetes.

Outra parada é o Chocolate Bar, no West Village, onde a chef é a americana Alison Nelson, que já coleciona alguns prêmios conquistados com sua primorosa criação no mundo do chocolate. Não deixe de experimentar a pasta de amendoim e o spicy hot chocolate. Entre vários outros lugares que oferecem o melhor do chocolate artesanal, tem também o Kee’s Chocolates no Soho, especializada em creme brulee de chocolate.Nesse link tem uma lista com os 10 melhores lugares para se acabar com chocolate em NY.

9. Londres, Reino Unido

William Curley Couture
William Curley Couture

A Inglaterra é conhecida por produzir chocolate orgânico, inclusive foi pioneiro no assunto. As marcas mais conhecidas de chocolate no Reino Unido são Mars, Galaxy e Cadbury. A Kit Kat também foi criada por lá, mas hoje que produz o chocolate no mundo é a suíça Nestlé, com exceção dos EUA que é produzido pela Hershey. O país é o quarto maior na produção mundial de chocolates.

Para quem prefere experimentar novos sabores e chocolates mais finos, recomendamos procurar pelas marcas Charbonnel et Walker Rose & Violet CreamsMontezuma Christmas Truffle e a William Curley Couture, que inova nas receitas incrementadas abacaxi, wasabi e outros ingredientes um tanto exóticos.

Para quem quiser ir mais longe, na Inglaterra tem também um hotel dedicado ao assunto, o The Chocolate Boutique Hotel, em Bournemouth a 2 horas ao sul de Londres. O hotel tem uma vasta programação baseada na cultura do chocolate, incluindo workshops.

10. Copenhagen, Dinamarca

chokolade

Para fugir um pouco do óbvio e avançar sumo à Escandinávia, Copenhagen é uma boa parada para apreciadores de chocolate. A Dinamarca é a décima da lista entre os produtores dos melhores chocolates do mundo.  A média de consumo da população é de 8,57 kg anualmente. Por lá se encontram as marcas Bounty, Snickers, Mars (conhecida como Twix). Outras marcas populares são Frellsen Chokolade, Peter Beier Chokolade, Bogo Chokolade, Frederiksberg Chokolade e Sv. Michelsen Chokolade.

Desde 1996 o país abriga um festival dedicado ao chocolate, o Chokoladeselskabet, que acontece anualmente no mês de março.

*Foto introdução post: Shutterstock – Shebeko 

Quem escreveu

Lalai Persson

Data

24 de April, 2014

Share

Lalai Persson

Lalai prometeu aos 15 anos que aos 40 faria sua sonhada viagem à Europa. Aos 24 conseguiu adiantar tal sonho em 16 anos. Desde então pisou 33 vezes em Paris e não pára de contar. Não é uma exímia planejadora de viagens. Gosta mesmo é de anotar o que é imperdível, a partir daí, prefere se perder nas ruas por onde passa e tirar dicas de locais. Hoje coleciona boas histórias, perrengues e cotonetes.

Ver todos os posts

Comentários

  • Senti falta de dois lugares Perugia na Itália e ilhéus na nossa Bahia que alias faz chocolates com o mesmo cacau que os belgas ou suíços, so que o fruto vem ali do lado.
    - Luiz Felipe
    • olha, uma amiga também comentou sobre Perugia, vou incluir no post... já a Bahia eu não sabia, vou pesquisar :)
      - Lalai Persson

Adicionar comentário

Assine nossa newsletter

Vivemos em um mundo de opções pasteurizadas, de dualidades. O preto e o branco, o bom e o mau. Não importa se é no avião, ou na Times Square, ou o bar que você vai todo sábado. Queremos ir além. Procuramos tudo o que está no meio. Todos os cinzas. O que você conhece e eu não, e vice-versa. Entre o seu mundo e o meu.